Smoke Buddies indica: livros nacionais que analisam a guerra às drogas

livros guerra as drogas Smoke Buddies indica: livros nacionais que analisam a guerra às drogas

A política de combate às drogas inspira uma bibliografia nacional com títulos que propõem explicar a história, apontar suas consequências e vislumbrar modelos alternativos ao proibicionismo, no Brasil e no mundo, confira

Dentro do vasto universo de conhecimento em torno da maconha, a política de proibição imposta à planta em nome da chamada guerra às drogas é um dos temas mais importantes a ser esclarecido, como registro histórico e ferramenta de transformação social.

Leia também – Smoke Buddies indica: podcasts chapados para ouvir e acompanhar

Felizmente, autores brasileiros que se debruçam sobre os aspectos históricos, sociais e jurídicos relacionados ao tema dividem sua sabedoria em livros que explicam a história e apontam novos caminhos. A série Smoke Buddies indica reúne alguns títulos de autores nacionais que abordam a guerra às drogas, no Brasil e no mundo. Confira a seguir:

O direito penal da guerra às drogas – Luis Carlos Valois

Finalista no 59º Prêmio Jabuti de Literatura, o livro deriva da tese de doutorado pela USP de Valois, juiz titular da Vara de Execuções Penais do Amazonas, que traz um relato pessoal e uma análise crítica sobre o papel e o impacto do direito penal na guerra às drogas.

“De uma metáfora utilizada para congregar esforços contra as drogas, o termo guerra às drogas tem mostrado a sua incoerência e passa a poder ser ironicamente usado para desvendar uma guerra real contra as pessoas”, escreve em um trecho da introdução do livro.

 

 

 

Drogas: a história do proibicionismo – Henrique Carneiro

A obra do doutor em história social e professor do Departamento de História da USP, Henrique Carneiro, nos conduz pela política proibicionista de determinadas drogas em vários países, como Estados Unidos, Canadá, China e Rússia, e traça paralelos entre os interesses por trás de iniciativas de combate ao uso de substâncias.

O Juvenicídio brasileiro: racismo, guerra às drogas e prisões – Andréa Pires Rocha

Sob a ótica do Serviço Social, a autora retrata no livro o lugar do racismo e da guerra às drogas como parte de uma política de destruição do jovem brasileiro e da dinâmica de segregação da população marginalizada dentro das prisões. A autora aponta ainda alternativas para o combate e enfrentamento ao juvenicídio no Brasil.

“(…) o juvenicídio, como expressão, talvez tenha um uso recente no país, mas, como realidade que atinge a vida de jovens negros e pobres, acompanha todos os momentos históricos brasileiros”, escreve a autora na introdução.

Drogas: as histórias que não te contaram – Ilona Szabó e Isabel Clemente

A especialista em segurança pública e política de drogas e diretora-executiva do Instituto Igarapé, Ilona Szabó, e a jornalista Isabel Clemente assinam o livro que reúne cinco histórias de personagens semificcionais, que traçam os perfis de pessoas impactadas, de formas diferentes, pela política de combate às drogas.

O Fim da Guerra – A maconha e a criação de um novo sistema para lidar com as drogas – Denis Russo Burgierman

O jornalista apresenta, neste livro de 2011, alguns exemplos de políticas públicas relacionadas à maconha em lugares como Holanda, Califórnia, Espanha, Portugal e Marrocos e propõe abordagens sobre o assunto que não passem pelas questões policiais e jurídicas — para isso, conta com relatos de especialistas, pacientes e cultivadores.

Guerra às drogas e a manutenção da hierarquia racial – Daniela Ferrugem

A assistente social e pesquisadora Daniela Ferrugem aborda a relação entre a política proibicionista e belicista brasileira de combate às drogas, o genocídio e o encarceramento da população negra em um livro que evidencia a guerra às drogas sob o viés da desigualdade social, do racismo estrutural e do ódio de classes.

Sonhos da diamba, controles do cotidiano: uma história da criminalização da maconha no Brasil republicano – Jorge Emanuel Luz de Souza

Publicado em 2015 pela editora da Universidade Federal da Bahia, o livro explica o processo histórico da criminalização da maconha pós 1930 e sua relação com demandas de controle social do Brasil e apresenta um perfil dos maconheiros e sua contribuição cultural e social em torno da planta.

“A polêmica atual em torno da ‘questão das drogas’ e os discursos e práticas que daí emergem têm raízes profundas e mascaram posicionamentos autoritários de setores sociais que partilham interesses nem sempre visíveis”, escreve o autor.

A criminologia das drogas no Brasil – Plínio Leite Nunes

Lançado em 2020, o livro é resultado da tese de doutorado do advogado defendida na USP, e analisa os resultados da política de guerra às drogas, em termos de redução de consumo e de circulação, encarceramento, níveis de violência e mortes por overdose, assim como modelos de outros países, como Uruguai e Portugal.

Acionistas do nada: quem são os traficantes de drogas – Orlando Zaccone

Nesta obra da criminologia crítica publicada em 2007, o autor, que é delegado de Polícia Civil e doutor em Ciência Política, explica o modelo de proibição através da perspectiva de pessoas presas e condenadas pela conduta conhecida por tráfico de drogas, e revela a relação de controle social neste contexto.

Dichavando o Poder: Drogas e Autonomia – Coletivo DAR

Uma coletânea de artigos do coletivo Desentorpecendo a Razão (DAR) sobre a guerra às drogas deu origem a este livro que conta com ilustrações de André Dahmer, uma versão em quadrinhos para os textos de Walter Benjamin sobre haxixe, de Luciano Thomé, e a colaboração de antropólogos, filósofos, sociólogos, historiadores e movimentos sociais sobre o tema.

“Fumo de Negro”: a criminalização da maconha no pós-abolição – Luisa Saad

Resultado de uma pesquisa cuidadosa sobre concepções científicas, razões políticas e mecanismos sociais que colaboraram para a proibição da maconha no Brasil no século XX, o livro desvenda os planos eugenistas do processo de criminalização e estigmatização da planta.

“Foi nesse ambiente que muitos elementos da cultura brasileira de raiz africana passaram a ser identificados como perigosos e criminalizados. O costume de se consumir maconha, inclusive”, escreve a autora.

Leia também:

Smoke Buddies indica: plataforma gratuita reúne docs sobre a guerra às drogas

#PraTodosVerem: fotografia mostra close de alguns livros fechados, com a espessura do objeto e as bordas das folhas, que variam no tom, aparentes. Imagem: Thaís Ritli | Smoke Buddies.

smokebuddies logo2 Smoke Buddies indica: livros nacionais que analisam a guerra às drogas

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!