Lei sobre cânhamo deixa policiais incapazes de aplicar leis de maconha na Geórgia (EUA)

bud flor dedos Lei sobre cânhamo deixa policiais incapazes de aplicar leis de maconha na Geórgia (EUA)

Nova lei sobre cânhamo da Geórgia, nos EUA, tornará inviáveis acusações por posse de maconha, uma vez que os policiais não têm condições de identificar o teor de THC. As informações foram traduzidas pela Smoke Buddies do AJC

A Assembleia Geral do estado da Geórgia, nos EUA, recentemente aprovou uma lei para ajudar a polícia na aplicação das leis de maconha sem prejudicar a jovem indústria agrícola de cânhamo do estado.

Mas os promotores e a polícia dizem que não vai mudar a maneira como lidam com casos suspeitos de maconha.

lazy placeholder Lei sobre cânhamo deixa policiais incapazes de aplicar leis de maconha na Geórgia (EUA)

O porte de pequenas quantidades de maconha permanecerá descriminalizado em várias jurisdições e com baixa prioridade em muitas outras. Casos de contravenção são mais propensos a resultar em cursos de reabilitação ou demissões do que em processos.

A polícia não pode dizer a diferença entre maconha ilegal e plantas legais de cânhamo, e as autoridades policiais disseram que testar pequenas quantidades de substâncias verdes folhosas é mais um problema do que vale a pena.

“A maconha continua ilegal na Geórgia. Isso não mudou”, disse Pete Skandalakis, diretor executivo do Conselho de Procuradores da Geórgia. “O problema que a aplicação da lei enfrentará agora é quando houver menos de uma onça, não há teste de campo que permita distinguir entre cânhamo e maconha”.

A legislação, que aguarda a assinatura ou veto do governador Brian Kemp, destaca a dificuldade de permitir o cultivo de cânhamo, mantendo as proibições ao consumo recreativo de maconha.

O cânhamo e a maconha são parecidos, e ambos vêm da planta de cannabis. Mas o cânhamo, que é usado na produção de óleo de CBD, contém menos de 0,3% de THC, o composto que dá aos usuários de maconha uma ‘alta’. O óleo de CBD é vendido nas lojas da Geórgia como um tratamento para dor, ansiedade e insônia.

Segundo a lei, o transporte de plantas de cânhamo sem documentação apropriada pode resultar em acusações de contravenção, com penalidades de até um ano de prisão e multa de US$ 1.000.

Mas, na prática, os promotores não serão capazes de apresentar argumentos fortes a menos que possam provar que uma substância é maconha ilegal, disse Skandalakis. E o laboratório criminal do GBI testará apenas o conteúdo de THC de quantidades acima de uma onça (aproximadamente 28 gramas). Os testes de campo podem mostrar se uma substância contém THC, mas esses testes não diferenciam entre cânhamo e maconha, que geralmente contém pelo menos 15% de THC.

Leia mais: Por que mais estados podem legalizar a cannabis em 2021, nos EUA

Embora promotores e agências policiais desejassem restrições mais fortes à maconha, o projeto era essencial para ajudar a iniciar o cultivo de cânhamo na Geórgia, disse o representante John Corbett, republicano de Lake Park.

A legislação, a House Bill 847, exige que os agricultores e processadores de cânhamo obtenham licenças, permite vendas fora do estado e aumenta a taxa anual de processamento para US$ 50.000 por ano, acima dos US$ 10.000 estabelecidos no ano passado. A taxa para cultivar cânhamo permaneceria em US$ 50 por acre.

“Precisávamos ter isso para que os agricultores pudessem produzir”, disse Corbett. “Espero que seja uma indústria viável para nossos agricultores. Vamos continuar trabalhando nisso”.

Os legisladores estaduais devem reconsiderar as leis de maconha da Geórgia no próximo ano, disse Terry Norris, diretor executivo da Associação de Xerifes da Geórgia.

Norris disse que a proposta deste ano foi “bastante suave”.

“Temos que encontrar uma linguagem que faça distinção entre as duas substâncias”, disse Norris. “Continua sendo um problema para toda a polícia e o público. Muitas jurisdições, particularmente nas áreas metropolitanas, não estão fazendo casos ou escrevendo citações”.

A polícia tem coisas melhores a fazer do que testar substâncias verdes folhosas ou tentar acusar transportes de cânhamo sem documentação, disse Brian Whiteside, procurador-geral do condado de Gwinnett.

“Ninguém vai fazer isso. Isso é oneroso. É outra lei em que a única palavra para isso é ‘estúpido’”, disse Whiteside, cujo escritório no ano passado parou de processar casos de contravenção por maconha. “Imagine parar alguém e dizer: ‘A propósito, vou ter que prendê-lo por transporte de cânhamo, mas não podemos testá-lo e o GBI não o testará'”.

A legislação também não afetará como o condado de DeKalb processa casos de baixo nível, de acordo com o escritório do procurador do condado. Desde o ano passado, DeKalb rejeita qualquer caso de maconha de pouca quantidade. As acusações envolvendo crimes de maconha são analisadas ​​caso a caso.

O GBI também reduziu os esforços de fiscalização de maconha.

No ano passado, a agência interrompeu permanentemente o Curso de Examinadores Certificados de Maconha, que ensinava os policiais a realizar testes para determinar se os materiais folhosos são maconha, por que os testes não distinguiam entre cânhamo e maconha, disse a porta-voz do GBI Nelly Miles.

Enquanto isso, a agricultura de cânhamo está em andamento na Geórgia. O Departamento de Agricultura do estado aprovou licenças para nove processadores e 66 cultivadores de cânhamo desde o mês passado.

Leia também:

Estados americanos permitem que cânhamo seja vendido em lojas de maconha

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em plano fechado que mostra um bud de cannabis de pistilos marrons e as pontas do dedos que o seguram. Foto: StayRegular | Pixabay.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!