Lei no Colorado permite que médicos recomendem cannabis sobre opioides

new law colorado allows doctors recommend marijuana over opioids featured 1 Lei no Colorado permite que médicos recomendem cannabis sobre opioides

Uma lei que entrou em vigor na sexta (2) no Colorado permite que médicos recomendem a cannabis a pacientes que, de outra forma, receberiam tratamento com opioides prescritos. Informações são da High Times

A nova lei foi assinada em maio pelo governador democrata Jared Polis, que faz do Colorado o terceiro estado do país (Nova York e Illinois são os outros dois) a permitir que os médicos façam isso.

A lei incentiva que pacientes procurem maconha medicinal para todas as condições em que poderiam receber uma prescrição de opioides, representando uma grande expansão para o tratamento no estado. Anteriormente, sob a lei de maconha medicinal do Colorado, os pacientes podiam receber uma receita de cannabis para as seguintes condições médicas debilitantes: câncer, glaucoma, HIV ou AIDS, caquexia, espasmos musculares persistentes, convulsões, náusea severa e dor severa.

A nova lei é tanto uma vitória para os defensores da cannabis quanto um remédio para uma crise nacional de opioides. De acordo com o Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas, mais de 130 pessoas morrem nos EUA todos os dias por overdose de opioides. Essas estatísticas angustiantes levaram ativistas, legisladores e médicos a pedir uma expansão na cannabis medicinal.

O deputado democrata Eddie Hooton, que co-patrocinou a lei que foi assinada pela Polis, disse à NBC News que a legislação “foi projetada para dar aos médicos uma opção legal e aberta para discutir [o uso da maconha medicinal] com pacientes”.

“Isso normaliza a conversa em torno da questão”, disse Hooton.

Hooton disse que o projeto de lei, que aprovou a legislatura do Colorado com apoio bipartidário, não era “sobre o tratamento do vício em opioides”, mas defensores defenderam a expansão do tratamento da maconha medicinal como uma alternativa viável aos analgésicos que se mostraram letais.

“Acrescentar uma condição para a qual um médico poderia recomendar a maconha medicinal em vez de um opioide é uma ferramenta de gerenciamento da dor mais segura que será útil tanto para nossos médicos quanto para pacientes”, disse Ashley Weber, diretora executiva da Colorado NORML, em maio.

Nem todos estão tão entusiasmados com a nova lei, sob a qual adultos e menores são elegíveis. Stephanie Stewart, médica em Aurora, Colorado, disse ao Post que a lei “substituirá a maconha por um medicamento aprovado pela FDA – algo que não é regulamentado por algo altamente regulado”.

“Nossa preocupação real é que um paciente vá a um médico com uma condição que tenha um tratamento médico com evidências por trás dele, e então, em vez desse tratamento, ele seria recomendado a usar  maconha”, disse Stewart.

Mas como o vício em analgésicos continua se espalhando e reivindicando mais vidas, a maconha medicinal pode ser cada vez mais vista como uma alternativa mais segura, mesmo em partes da sociedade que historicamente são hostis ao uso de maconha. Em maio, por exemplo, a National Football League (Liga Nacional de Futebol Americano) anunciou um estudo sobre a maconha como uma forma de controle da dor, uma resposta ao crescente número de jogadores atuais e antigos que se tornaram viciados em analgésicos.

Leia também: 

Moléculas da maconha são 30 vezes mais eficazes contra inflamação do que a aspirina

#PraCegoVer: Fotografia (de capa) mostra as mãos de uma pessoa que veste avental de laboratório segurando uma cartela com cinco comprimidos nas cores rosa e azul e um bud de maconha, respectivamente.

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário