Legalização da maconha prospera e enfraquece narcotráfico no Uruguai

especialista pede abertura de mercado da maconha para turistas no uruguai Legalização da maconha prospera e enfraquece narcotráfico no Uruguai

O Uruguai está provando ao mundo que a legalização da maconha é a melhor solução para combater efetivamente o tráfico de drogas. Um em cada seis uruguaios maiores de 18 anos que declararam ter consumido a erva nos últimos doze meses estão habilitados a adquirirem a cannabis legal.

De acordo com os dados levantados pelo Observatório Uruguaio de Drogas, na VI Pesquisa Nacional Domiciliar sobre Consumo de Drogas, e divulgados pelo IRCCA, estima-se que 147 mil pessoas maiores de 18 anos consumiram maconha pelo menos uma vez durante os 12 meses que antecederam a pesquisa.

Destes, o grupo composto por pessoas que assumem uma frequência no consumo semanal ou diário, caracterizados como usuários habituais, chega a aproximadamente 50 mil pessoas.

Um em cada seis adultos uruguaios que declararam ter consumido maconha durante o último ano estão habilitados a terem acesso legal à erva. Estas 25.783 pessoas inscritas são a cifra mais clara de que, após quatro anos de aprovação da lei da maconha, o governo uruguaio conseguiu retirar 18% da demanda do tráfico de drogas, segundo informações do El País.

“É uma porcentagem adequada para uma primeira etapa, mas ainda é insuficiente se considerarmos a demanda total”, reconheceu Diego Olivera, secretário da Junta Nacional de Drogas. Segundo os estudos realizados pela JND, no Uruguai aproximadamente 50 mil adultos consomem maconha várias vezes ao mês. Este grupo representa 80% da demanda total, por tanto, “uma primeira meta para o sistema regulado alcançar é este número”, acrescentou Olivera.

A compra de maconha nas farmácias – mesmo com os problemas com os bancos e a falta de estoque – foi o que fez a diferença. Esta via de acesso legal, que reúne 63% dos registrados, recuperou força em meados de novembro, quando a venda foi retomada e duas novas variantes de cannabis foram adicionadas às farmácias de Montevidéu.

– Problemas com os bancos, falta de estoque, mudanças nas embalagens e poucas farmácias, isto tudo é por conta do improviso?

Não houve nenhuma improvisação. O progresso é satisfatório em geral se considerarmos as complexidades e desafios envolvidos em uma política que propões uma mudança total e um sistema inovador com raros precedentes. Para agir com segurança e responsabilidade, é necessário avançar com cautela, monitorar os resultados e fazer os ajustes que as novas situações impõem, e é com essa abordagem que trabalhamos, disse o secretário da JND.

Leia mais: Diante resistência dos bancos, cultivo de cânhamo triplicará no Uruguai

O processo de regulamentação agora enfrenta dois novos desafios: o primeiro é o decreto que permite a venda de maconha em novos estabelecimentos. Esta proposta, que nasceu como uma solução à incompatibilidade entre o sistema bancário e o comércio de maconha, provocou oposição das farmácias tradicionais e colocou em dúvida a sua rentabilidade para os futuros proprietários destes “quiosques de cannabis”. O segundo é como o projeto se moverá durante o verão, que é o momento em que os auto-cultivadores ao ar livre ainda não conseguiram colher a produção e que, ao mesmo tempo, ocorre uma diminuição (por conta do turismo) dos adquirentes nas farmácias.

Leia também: Especialista pede abertura de mercado da maconha para turistas no Uruguai

Em Montevidéu se concentram mais da metade dos compradores (55%), uma porcentagem similar aos que declararam serem consumidores de maconha. Isso é: na capital essa via de acesso é muito mais poderosa que o cultivo caseiro ou clubes canábicos. No interior ocorre o contrário.

Perfil dos adquirentes detona velhos mitos acerca da maconha

As estatísticas também conseguiram derrubar velhos mitos:

Os usuários de maconha são preguiçosos. Dos 16.275 adquirentes, 52% trabalham no setor privado e 12% no setor público. Existem apenas 26% de inativos, mas geralmente são aposentados e estudantes universitários.

A droga está associada à pobreza e à falta de estudo. Quase metade dos compradores de maconha nas farmácias iniciou e terminou a faculdade. Apenas 8% não possuem o ensino médio.

Baseado é coisa de mulher.  Sete dos dez compradores de cannabis são homens. Embora as mulheres consumam cada vez mais, as drogas ainda são muito masculinizadas, a exceção fica para os tranquilizantes.

Idade para a Erva. Em relação à distribuição por idade, é notável que a maconha é um produto presente em várias faixas etárias, mas a maior proporção está concentrada no intervalo entre 18 e 29 anos, sendo 44%, 35% tem entre 30 e 44 anos e 20% tem mais de 45 anos.

Leia também:

Turismo e maconha: veja 5 dicas para curtir sua onda no Uruguai

lazy placeholder Legalização da maconha prospera e enfraquece narcotráfico no Uruguai

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário