Justiça de SP autoriza cultivo de cannabis para tratamento de epilepsia

flor cultivo superior dave Justiça de SP autoriza cultivo de cannabis para tratamento de epilepsia

Salvo-conduto foi dado a pais de uma mulher epilética para que possam cultivar cannabis em casa sem o risco de serem enquadrados na Lei de Drogas. As informações são d’A Tribuna

A 15ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) concedeu salvo-conduto para que os pais de uma mulher portadora de epilepsia possam cultivar maconha em casa sem o risco de serem enquadrados na Lei de Drogas. A finalidade do plantio é a produção artesanal de medicamento destinado ao tratamento da filha.

A decisão do colegiado foi por dois votos a um. Inicialmente, os pais haviam impetrado habeas corpus (HC) com esta finalidade em primeira instância. Porém, o juiz que apreciou o pedido, além de negá-lo, determinou a imediata cessação do cultivo de maconha e da produção do remédio, sob pena de os requerentes serem presos.

site sb Justiça de SP autoriza cultivo de cannabis para tratamento de epilepsia

Os pais da paciente interpuseram recurso em sentido estrito no TJ-SP. Eles disseram que tomaram conhecimento da eficácia do óleo de Cannabis sativa (maconha) no tratamento das crises epilépticas, sendo receitado à filha o medicamento Real Scientific Hemp Oil (RSHO). O tratamento com este remédio tem custo mensal de cerca de R$ 5,5 mil.

Leia mais: DPU em Campo Grande obtém tratamento com canabidiol para jovens

Sem recursos para a aquisição do medicamento, os responsáveis pela portadora de epilepsia ajuizaram ação contra a Fazenda Pública para que ela arcasse com os custos do tratamento. O Poder Público foi condenado a fornecer gratuitamente o remédio, mas cumpriu a decisão judicial apenas em duas ocasiões.

Prejudicada a sequência do tratamento, os pais pesquisaram como produzir em casa o óleo da Cannabis sativa. Os resultados obtidos foram ótimos, segundo relatórios médicos. Para regularizar a situação, eles impetraram habeas corpus preventivo para continuar a produção artesanal do canabidiol — princípio ativo da maconha.

Sem sucesso em primeira instância, os pais da paciente conseguiram o que pretendiam no TJ-SP. “Restou plenamente demonstrado que a obtenção do salvo-conduto pelos recorrentes tem a finalidade exclusiva de cultivar a Cannabis sativa para fins medicinais, e não o seu uso recreativo ou a negociação com terceiros”, concluiu o colegiado.

Ainda de acordo com a decisão da 15ª Câmara de Direito Criminal, “não se afigura minimamente razoável exigir dos recorrentes que, em razão da omissão estatal, sacrifiquem a saúde de sua filha, suportando a deterioração do seu quadro clínico, sem o tratamento adequado, impondo-lhe inegáveis sofrimentos físicos e psíquicos”.

A análise do TJ-SP foi além da seara penal. Conforme o acórdão (decisão de segundo grau), se houver conflito entre os bens jurídicos tutelados pelos artigos 28 (posse de drogas) e 33 (tráfico) da Lei nº 11.343/06, em contraponto ao direito à saúde e à própria dignidade da pessoa humana, há que prevalecer estes últimos.

Leia também:

Justiça mantém permissão para cultivo de maconha para tratamento de criança epilética em MG

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em vista superior da flor de um pé de maconha, com pistilos alaranjados e creme, em foco, e, ao fundo, outras flores e partes da planta. Foto: Dave Coutinho | Smoke Buddies.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!