Política de intolerância ao THC cria barreiras aos agricultores irlandeses de cânhamo

plantacao irlanda Política de intolerância ao THC cria barreiras aos agricultores irlandeses de cânhamo

Para representante do setor no país, alguns dos problemas estão em educar as pessoas para que seja removido o estigma em torno da planta. As informações são do Irish Examiner

A indústria emergente de cânhamo na Irlanda está em um dilema, de acordo com Robert Johnson da Cooperativa de Cânhamo da Irlanda.

A menos que mais cânhamo seja cultivado na Irlanda, não haverá instalações de processamento em escala, ao passo que os agricultores interessados ​​em cultivar também precisam da estabilidade das instalações e de um mercado, disse Johnson ao Irish Examiner.

Ele disse que a cooperativa encontrou jovens agricultores e empreendedores “realmente engajados” com a cultura e que veem usos potenciais para ela.

“Eles são incrivelmente dinâmicos, atenciosos, fazem as perguntas certas e assumem riscos; eles não foram derrotados ao longo dos anos, eles têm o vigor juvenil”, disse Johnson.

Leia também: Na Irlanda, médicos continuam a evitar a cannabis condenando programa médico

“As pessoas mais jovens não parecem receber o estigma. O cânhamo está fazendo coisas boas, está ajudando e curando as pessoas.”

“É incomum que estejamos tão atrás de nossos vizinhos europeus.”

Ele disse que alguns dos problemas estão em educar as pessoas e, em seguida, permitir a remoção do “estigma, e então mudar para uma agricultura mais regenerativa” na Irlanda.

“A agricultura está em risco e tenho certeza que todos os agricultores sabem disso”, disse ele.

“É uma cultura viável, pode agregar valor à sua fazenda, isso é o mais importante. As pessoas estão fixadas no conteúdo de THC e a próxima coisa precisa obviamente ser removê-lo do Ato de Uso Indevido de Drogas.

 

 

 

O cânhamo é uma cultura, há um limite seguro de THC nos alimentos. Há uma política de tolerância zero aqui e isso não pode continuar.”

Curva de aprendizado

O agricultor de cânhamo do condado de Wicklow, Ed Hanbidge, disse que cultivou sua primeira safra de cânhamo em 2015, tendo procurado “algo diferente” para fazer ao lado de sua empresa de carne bovina e ovina.

Ele cultivou uma safra “absolutamente ótima”, apesar de não saber “nada sobre isso”, mas que “a única maneira de fazer qualquer coisa é simplesmente ir e fazer, aprender fazendo”.

Ele disse que a agricultura é um lado disso, mas “não é tão simples de vender”, porque os mercados são “apenas emergentes e apenas em desenvolvimento”.

Ele começou a olhar para o lado alimentar das coisas e pesquisou a variedade de cânhamo Finola, uma “variedade anã, fácil de combinar, para cultivar sementes” para a produção de óleo de cânhamo, e foi por isso que ele foi atrás.

Leia mais: Grão do cânhamo contém mais proteína que alimentos como frango, ervilha e leite

“Agora temos nossa própria colheitadeira, temos um trailer de secagem para secá-la, temos nossos próprios limpadores para podermos limpar a semente e temos nossas próprias prensas, para que possamos pressionar a semente e fazer o óleo de semente de cânhamo, e agora também estamos analisando bálsamos e vários produtos diferentes de cânhamo”, disse Hanbidge.

“Meu maior problema é ser agricultor — porque estou muito envolvido na fazenda como tal, que não sou uma pessoa de negócios, sou mais um agricultor, gosto de ficar preso no galpão de cordeiros, até o cotovelo, mas eu preciso estar vendendo e é mais difícil para mim porque não sou um vendedor.”

A startup, Keadeen Mountain Farms, tem sido uma “curva de aprendizado”.

Parte disso, em primeiro lugar, foi aprender como cultivar cânhamo, depois como processá-lo, e a “curva mais acentuada” foi aprender como vendê-lo e comercializá-lo.

“Um pequeno problema”

Com o cânhamo, ele encontrou barreiras no acesso a financiamento e seguros para seu empreendimento.

“Há um pequeno problema aí”, disse ele.

“Por que isso é um problema? Por que não podemos obter dinheiro para alimentos de cânhamo, e é um alimento seguro? Comida que é saudável, muito saudável.

Pensei que tínhamos nos afastado do estigma, mas ainda parece haver esse estigma.

Ainda parece haver uma barreira, mas sem motivo; não sei qual é esse motivo.

O THC é o motivo do medo. Temos medo do THC. Talvez seja hora de crescermos um pouco.

Para mim, é ridículo — porque estou imerso na indústria e sei que o cânhamo tem muito pouco THC.”

Ele disse que o cânhamo é “apenas uma planta” e “devemos adotá-lo”.

“O THC está sufocando a indústria. Está realmente segurando a coisa toda.”

“Existem níveis seguros e há educação.

Há muito dinheiro a ser feito. Não há nada de errado com o lucro, e há muito lucro a ser obtido na indústria do cânhamo.

Uma vez que conseguimos um mercado e fazemos com que as pessoas percebam o potencial, o que o cânhamo pode fazer e quais produtos de cânhamo podem ser feitos.”

Para o especialista em energia e desenvolvimento rural da Teagasc, Barry Caslin, há muitas oportunidades no cânhamo, sendo o desenvolvimento dos mercados na Irlanda uma das áreas mais interessantes no futuro.

“Houve desafios nesta área nos últimos anos, e muito disso está ganhando massa crítica, obtendo o volume necessário de produto para justificar a criação de mercados”, disse Caslin.

Ele disse que os agricultores “precisam de estabilidade” e “estrutura”, especialmente quando decidem cultivar uma cultura como essa.

Jovens irlandeses ganham prêmio nacional por seu projeto sobre cânhamo como cultura sustentável

“Se você leva seu leite para a cooperativa de laticínios, você recebe o preço por litro, se leva o grão para a cooperativa, recebe um preço por tonelada, ou traz seu gado para a fábrica, recebe um preço por quilo.

Essas estruturas existem para a maioria das commodities.

Em torno do cânhamo, essas estruturas não estão realmente lá e em termos de processamento do cânhamo, a descorticação, houve muitas interrupções no cânhamo nos últimos anos.

Vimos muita ênfase em tempos mais recentes no CBD, no lado dos alimentos, houve desafios em termos de legislação.”

Ele observou que o programa do governo tem uma “ênfase no cânhamo industrial”, tendo sido realizada recentemente uma consulta sobre como os mercados podem ser desenvolvidos para isso.

“É uma cultura muito interessante em termos do que pode ser desenvolvido a partir dela, o que pode ser produzido a partir da cultura”, disse Caslin.

“Em termos de colheita industrial de fibra, não há problema em obter licença para isso, os agricultores podem legalmente cultivar cânhamo industrial e obter uma licença para isso.

Trata-se de obter a massa crítica da colheita no solo que justifique a construção de uma fábrica de descorticação e processar tudo isso e isso requer coordenação, exige reunir as pessoas certas e ter essa massa crítica”.

Apenas cultivares com menos de 0,2% de THC — um dos componentes psicoativos da planta — podem ser cultivadas para produção de fibra e óleo de sementes na União Europeia, de acordo com informações compiladas por Caslin.

O CBD não é um medicamento controlado após a separação e extração. Embora seja psicoativo, não é psicotrópico. No entanto, se os produtos ou preparações que contêm CBD também contêm THC, em qualquer quantidade, são considerados drogas controladas.

Atualmente, não há isenção legal na Irlanda sob o quadro legislativo de uso indevido de drogas para qualquer quantidade de THC, causando uma barreira para o processamento de cânhamo na Irlanda, já que os dois principais canabinoides no cânhamo industrial são CBD e THC, disse Caslin.

De acordo com o Ato de Uso Indevido de Drogas, cannabis significa qualquer parte da planta do gênero cannabis, mas exclui o seguinte após a separação do resto da planta: o caule maduro e a fibra produzida a partir dele, e as sementes.

De acordo com a legislação atual na Irlanda, os agricultores de cânhamo devem destruir a flor de cânhamo e, como os canabinoides são produzidos na flor, há uma barreira regulatória adicional ao desenvolvimento de um mercado irlandês de alimentos e canabinoides derivados do cânhamo.

A venda da flor poderia ser permitida entre agricultor e processador para permitir a extração de canabinoides. Uma vez que os canabinoides são separados da planta, os resíduos podem ser destruídos, de acordo com os requisitos da An Garda Síochána (polícia nacional irlandesa).

Leia mais: Bilionário quer montar enorme fazenda de cannabis em uma pequena ilha no Mar da Irlanda

Projeto explorará o potencial de sequestro de carbono do cânhamo

No Irish Hemp Event, foi lançado um projeto de um ano envolvendo o cânhamo focado na melhoria da qualidade do solo e da biodiversidade local.

O Loop Head Together, um fórum comunitário de desenvolvimento local e agrícola baseado na península de Loop Head, lançou seu projeto Hemp4Soil, um projeto de Parceria Europeia de Inovação no Irish Hemp Event 2022, realizado recentemente em Dublin 15, e organizado pela Cooperativa de Cânhamo da Irlanda.

O primeiro desse tipo na Europa, o projeto explorará como o cultivo de cânhamo nas terras de agricultores locais na península de Loop Head pode ajudar a criar fluxos de renda sustentáveis para os agricultores no futuro, além de fornecer um produto.

O projeto usará técnicas agrícolas regenerativas para melhorar a vida no solo de três maneiras — remediação do solo, vida microbiana e armazenamento de carbono.

Os principais objetivos do projeto são reduzir a presença de fertilizantes químicos, melhorar a atividade microbiana do solo e aumentar o teor de carbono do solo.

Falando no lançamento, a líder do projeto Laura J. Foley e pesquisadores envolvidos com o projeto apontaram um potencial para um projeto de “fase 2” de acompanhamento, que poderia considerar uma implantação regulamentada do cultivo de cânhamo como uma iniciativa agrícola.

“O cânhamo tem o potencial de resolver muitos dos nossos desafios ambientais de uma forma economicamente benéfica para as comunidades agrícolas”, disse Foley.

“Incorporar o cultivo de cânhamo e técnicas agrícolas regenerativas em nosso sistema agrícola tradicional tem o potencial de reduzir insumos caros, criando fluxos de receita adicionais para as fazendas”.

Falando no evento, Glyn Mitchell, da The Carbon Farm, em Jersey, disse que com o mundo estando em “território perigoso” com níveis de CO2, os governos estão “começando a olhar para a agricultura de uma forma muito diferente, porque há apenas um sumidouro de carbono sobre o qual temos controle — e esse é o solo”.

“Precisamos de agricultores para realmente fazer isso acontecer”, disse Mitchell.

A Carbon Farm tem trabalhado com Jersey Hemp, uma fazenda britânica de cânhamo licenciada, para melhorar e rastrear a saúde do solo e o sequestro de carbono por meio do cultivo industrial de cânhamo. A Carbon Farm fornece composto biologicamente completo para auxiliar as demandas de nutrientes do cânhamo.

O papel de Mitchell com a Jersey Hemp é trabalhar com os agricultores para “aumentar a quantidade de carbono em seus solos que eles precisam para realmente cultivar a colheita sem sintéticos”.

De acordo com a Carbon Farm e Jersey Hemp, a cultura regenera solos para outras culturas e árvores.

Leia também:

Farmacêutica investe quase R$ 470 mi em fábrica de cannabis medicinal na Inglaterra

#PraTodosVerem: fotografia mostra o agricultor Marcus McCabe, usando camiseta branca, em meio às plantas de cannabis bem desenvolvidas em uma plantação localizada no condado de Monaghan, na Irlanda, onde também se vê um trator vermelho e várias árvores, ao fundo. Imagem: HempToday.

smokebuddies logo2 Política de intolerância ao THC cria barreiras aos agricultores irlandeses de cânhamo

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!