Insight: como a Covid-19 impacta a indústria da cannabis

maconha foto cc Insight: como a Covid 19 impacta a indústria da cannabis

Em 27 de março, havia mais de 530.000 casos confirmados de coronavírus (Covid-19) em 199 países. À medida que o surto se desenvolve, a Prohibition Partners está monitorando a situação e relatando os prováveis ​​impactos na indústria da cannabis. Saiba mais na tradução pela Smoke Buddies

Impacto da COVID-19 nos padrões de consumo

Desde que a COVID-19 assumiu o papel central nos assuntos internacionais no último mês, os padrões de consumo em todos os setores estão mudando rapidamente. No entanto, a maioria dos consumidores na Europa e na América do Norte pretende manter ou aumentar suas compras de produtos de cannabis nos próximos meses, de acordo com nossa recente pesquisa com consumidores, realizada na semana passada.

Um total de 2.988 consumidores adultos de cannabis com idades entre 16 e 65 anos nos EUA, Canadá e Reino Unido foram questionados sobre como eles esperavam que a COVID-19 afetasse suas taxas de consumo nos próximos três meses (março a junho).

lazy placeholder Insight: como a Covid 19 impacta a indústria da cannabis

Usuários de maconha medicinal são o grupo mais provável para manter os níveis atuais de consumo. Os usuários não médicos, por outro lado, relatam mais a intenção de aumentar ou diminuir o consumo. Isso pode refletir o fato de que as recomendações posológicas permanecem relativamente estáveis ​​para usuários médicos, enquanto as mudanças no estilo de vida terão um efeito drástico no consumo não médico.

Obviamente, a tradução da intenção do consumidor para a realidade do mercado pode não ser direta e será um desafio manter as linhas de suprimentos nos próximos meses. Os recursos médicos, incluindo o tempo e a atenção dos profissionais de saúde, são escassos e estão sendo direcionados para o gerenciamento do surto da doença. As regiões que dependem de importações enfrentarão desafios no fornecimento nos próximos meses, à medida que as restrições nas fronteiras se estreitam e o pessoal envolvido na logística se torna indisponível. Os reguladores agora precisam se adaptar para garantir que as linhas de suprimento sejam mantidas abertas para que os distribuidores possam atender à demanda. Isso já está acontecendo em regiões como a Pensilvânia, onde os pacientes podem obter prescrições on-line que permanecem válidas por 90 dias em vez de 30 e no Reino Unido, onde o LYPHE Group, um grupo de cannabis medicinal sediado no Reino Unido, acordou medidas de emergência com o Ministério do Interior para importar pela primeira vez medicamentos sublinguais à base de cannabis.

De acordo com nossas descobertas de que as pessoas têm maior probabilidade de manter ou aumentar o consumo nos próximos meses, houve inúmeros relatórios na América do Norte e na Europa de que os consumidores compravam maconha em grandes quantidades de dispensários, levando a vendas recordes. Governos em regiões como Quebec, Illinois e Países Baixos manterão as lojas de cannabis abertas, apesar das medidas regionais de bloqueio. O objetivo é manter o suprimento de medicamentos aos pacientes, mas também, no caso dos Países Baixos, pelo menos, evitar um aumento na atividade não tributada do mercado clandestino. Onde as empresas permaneceram funcionais, muitas devem adotar medidas inovadoras, como oferecer serviços de ‘take-away’ e entrega, além de acomodar aplicativos de telemedicina para minimizar as interações pessoais.

Leia mais: Vendas de cannabis atingem novos recordes nos EUA e no Canadá

Uma indústria em fluxo

As consequências do ‘spread’ da COVID-19 estabeleceram recordes para a queda mais acentuada dos preços das ações na história. Para ilustrar o ponto, mapeamos o desempenho de dois fundos de índice contra o aumento nos casos de COVID-19. Os fundos de índice são fundos mútuos que investem em uma seleção específica de empresas e podem ser usados ​​como ‘proxy’ para o desempenho das ações de diferentes verticais. Os dois índices usados ​​aqui são o ETF Vanguard Total Stock Market, que detém investimentos projetados para representar todo o mercado de ações dos EUA e o ETF Alternative Harvest, que é o maior fundo de índice focado em empresas de cannabis.

As ações de cannabis foram mais reativas ao aumento da COVID-19 do que as ações regulares. Desde o final de janeiro de 2020, as ações de cannabis sofreram perdas mais acentuadas do que a maioria, mas também foram mais rápidas em responder aos estímulos do mercado. As ações se recuperaram desde 19 de março e o ritmo de recuperação das ações de maconha está superando o resto do mercado. A semana de 19 a 26 de março registrou uma recuperação de 14% em relação aos valores de 1º de janeiro no fundo Alternative Harvest, em comparação com os 9,7% desfrutados pelo fundo Vanguard Total Market.

Por que a discrepância entre ações em geral e específicas de cannabis?

Há duas razões possíveis para que as ações de maconha tenham sido mais reativas do que as do Vanguard Total Stock Market Index:

A cannabis é uma indústria mais volátil do que a maioria, com níveis mais altos de comércio ativo causando uma desaceleração maior em resposta à COVID-19, mas também uma recuperação mais poderosa em resposta aos estímulos do mercado.

Os investidores previram que as empresas de cannabis perderiam receita, por exemplo, devido a movimentos restritos e desaceleração econômica geral. Agora eles podem estar reagindo ao aumento nas vendas de cannabis, bem como ao atual aumento geral do mercado.

Leia: Covid-19 impulsiona vendas de maconha na América do Norte e ações do setor sobem

Algumas receitas ainda podem ser perdidas devido a fatores como interrupções nas cadeias de suprimentos, fechamento de lojas, movimento restrito e desaceleração econômica geral. No entanto, isso também pode ser um momento importante de inovação, planejamento e estratégia para as empresas de cannabis, cujos frutos durarão mais que a pandemia. Por exemplo, se os serviços de entrega forem econômicos, podemos ver a normalização disso, da mesma forma que vimos a normalização das entregas de restaurantes nos últimos anos com o surgimento de empresas como UberEats e Deliveroo. Por enquanto, os dispensários devem realizar seus próprios serviços de entrega e podem ser aqueles que podem se adaptar a esses métodos de entrega que gerarão mais receita durante mais bloqueios. Isso pode servir para muitos que vivem com mobilidade restrita, mesmo além dos confinamentos. Inversamente, aqueles que não têm acesso a serviços de entrega, como aqueles em áreas remotas, podem ter mais dificuldade em obter seus produtos. No geral, abordagens inovadoras de distribuição e consumo podem levar a mudanças duradouras na maneira como a indústria opera para o melhor.

Perspectivas intermediárias

Relatórios recentes de grupos como o Fundo Monetário Internacional (FMI) estão indicando que uma recessão pode estar a caminho. O que isso pode significar para a indústria da cannabis é incerto. Existem boas razões baseadas em dados para ser otimista em relação ao mercado de cannabis nesse cenário. A pesquisa mostrou que em tempos de crise econômica, o consumo de cannabis aumenta.

Tanto o emprego reduzido quanto o distanciamento social podem contribuir para isso. Além disso, esses dados correspondem às tendências de consumo antes da legalização. Regiões como Quebec, Illinois e Países Baixos agora reconhecem a cannabis não como uma substância ilícita, mas como um produto essencial para medicina e recreação, o que pode ajudar a manter ou aumentar a base de consumidores.

Leia também:

Crise de coronavírus mostra que maconha é essencial e mainstream

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em plano fechado da flor de uma planta de maconha, com pistilos creme e folhas serrilhadas. Foto: Martijn | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!