Indústria de maconha medicinal ganha força na Colômbia com novas regras

flores cultivo don goofy Indústria de maconha medicinal ganha força na Colômbia com novas regras

Decreto assinado em julho pelo presidente Iván Duque permitindo a exportação de inflorescências impulsiona setor no país; estigmatização ainda mantém uso adulto fora do mercado regulado. As informações são da EFE, via UOL

As novas regulamentações sobre a cannabis medicinal na Colômbia estão impulsionando a indústria e permitindo grandes retornos econômicos, além do crescimento do seguimento, afirmaram especialistas que participaram de um fórum sobre o assunto em Cartagena das Índias nessa quinta-feira.

“Isso reduz a cadeia de produção, diminui os custos de produção e permite que a flor seja exportada”, explicou à Agência Efe o consultor em questões de regulamentação medicinal da cannabis Efraín Armando López, durante a Conferência Empresarial ExpoCannaBiz.

site sb Indústria de maconha medicinal ganha força na Colômbia com novas regras

Em 23 de julho, o presidente da Colômbia, Iván Duque, assinou um decreto autorizando a exportação de inflorescência de cannabis seca para fins medicinais, a fim de proporcionar mais incentivos à indústria farmacêutica do país e garantir o acesso aos medicamentos derivados da planta.

Segundo López, isto criará renda a curto e médio prazo e permitirá à Colômbia “desempenhar um papel de liderança no mercado internacional”.

Leia mais: Colômbia ganha força no mercado de cannabis e põe Canadá em alerta

Maior apoio governamental

Apesar de aplaudir os avanços na regulamentação da indústria da maconha na Colômbia, o presidente da ExpoCannabiz, Julián Andrés Tovar, disse ser necessário mais apoio do governo.

“Infelizmente, não tivemos esse apoio jovial do governo para poder fazer avançar a indústria da maconha”, considerou Tovar. “Não sabemos se existe uma falta de interesse do governo atual ou se eles não viram realmente como a indústria é importante”, acrescentou.

Da mesma forma, ele advertiu que a maconha se tornará o “ouro verde” quando a maneira de pensar mudar e for aceito que a maconha “não faz mais mal do que um copo de schnapps”. “Ao impulsionar essa indústria e legalizar o consumo, muitos problemas sociais serão resolvidos”, opinou.

Leia mais: Nova Jersey (EUA) elimina mais de 360 mil registros criminais de casos de maconha

Desestigmatizar a maconha

Na visão de López, a maconha ainda é um forte tabu na sociedade colombiana. “Na Colômbia existem dois estigmas: um por causa do consumo e dos efeitos que a maconha gera, e dois por causa do derramamento de sangue que ela gerou nos anos 80. Portanto, afastar-se desses estigmas foi o que tornou difícil toda a questão da cannabis para uso adulto”, comentou.

Na mesma linha, Tovar afirmou que devido à sua natureza ilegal a indústria da cannabis há alguns anos foi “demonizada”. “Como está demonizado, acho que os governos também estão um pouco desconfiados de como realizá-lo, de como fazê-lo avançar”, concluiu.

Duque declarou que esse é um mercado que até 2024 valerá cerca de US$ 62 bilhões. Por isso, segundo ele, a exportação de inflorescência de cannabis seca permitirá o crescimento dos investimentos que chegaram ao país, que ultrapassam os US$ 250 milhões.

Leia também:

Mais de 60 personalidades de Portugal assinam carta pela regulação da cannabis

#PraTodosVerem: fotografia mostra, à direita, uma inflorescência de maconha com pistilos amarelos e, ao fundo, fora do foco, as outras plantas do cultivo. Imagem: Don Goofy | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!