Ilhas Virgens Americanas: turismo canábico pode ser alternativa pós-pandemia

turismo usvi Ilhas Virgens Americanas: turismo canábico pode ser alternativa pós pandemia

Governador das Ilhas Virgens dos Estados Unidos, Albert Bryan Jr. propôs atualização no Ato do Paciente de Cannabis Medicinal, que permitiria aos viajantes maiores de 21 anos comprar maconha no destino. As informações são do Travel Pulse, traduzidas pela Smoke Buddies

Embora a maconha medicinal seja legal nas Ilhas Virgens Americanas desde janeiro de 2019, atrasos do governo dificultaram sua implementação, de acordo com a Vibe High. O ato revisado seria usado para gerar fundos para o Sistema de Aposentadoria dos Funcionários do Governo das ilhas (GERS), além de ajudar a impulsionar a economia quando a pandemia de coronavírus passar.

Leia também: Como a falta de turismo durante o surto de Covid-19 está afetando varejistas de maconha

lazy placeholder Ilhas Virgens Americanas: turismo canábico pode ser alternativa pós pandemia

É uma medida sobre a qual agentes de viagens e consultores têm sentimentos contraditórios, mas muitos ainda veem como seria capaz de impulsionar o turismo se passasse.

“Honestamente, as Ilhas Virgens Americanas [e outras] do Caribe se beneficiariam da legalização da erva. As pessoas estão de férias. Elas estão lá para relaxar. Bebida e maconha são as drogas para isso”, disse Katie Kapel, da Mode Travel Agency. “Não estou dizendo que necessariamente concordo com isso, mas essa é a realidade da legalização da maconha. Quero dizer, que país não se beneficiaria disso do ponto de vista de viagens e turismo?”.

Ryan Doncsecz, da VIP Vacations, chamou a notícia de “tudo de bom para mim”, acrescentando que invariavelmente ajudaria os consultores de viagens a fazer mais vendas, além de impedir a “prisão de pessoas que são praticamente inofensivas”.

James Berglie, do Be All Inclusive, tem uma visão mais temperada. “Acho que, em geral, nossa sociedade está se tornando mais receptiva à maconha”, disse ele. “Eu não acho que realmente tenha um grande impacto sobre onde as pessoas escolhem para sair de férias. Como todos sabemos, em qualquer destino, praticamente qualquer droga está totalmente disponível para aqueles que priorizam encontrá-las, se realmente quiserem”.

Sarah Kline, da Time for Travel, está mais entusiasmada com as notícias. “Acho que legalizar a maconha nas Ilhas Virgens Americanas seria um enorme impulso para essa região. Eu moro em Maryland, onde basicamente maconha é legal e temos muitos clientes perguntando sobre destinos que permitem maconha”, disse ela. “Organizei viagens para clientes no Colorado e no Alasca com base no turismo de maconha. Jamaica é o nosso destino número 1 e, para muitos, ser capaz de comprar e consumir maconha é o grande atrativo”.

Em 2015, a Jamaica aprovou uma lei de descriminalização da maconha. A posse de duas onças (equivalente a 56 g) ou menos não é mais considerada uma ofensa pela qual uma pessoa pode ser presa, acusada e julgada em tribunal.

Enquanto isso, sob o Ato do Paciente de Cannabis Medicinal das Ilhas Virgens Americanas revisada, seriam necessárias permissões de uso adulto no valor de US$ 25, e os titulares de permissão para uso adulto não teriam permissão para cultivar cannabis.

Os dispensários de cannabis medicinal poderão vender no máximo sete gramas de cannabis medicinal, três gramas de concentrado de cannabis medicinal ou 500 miligramas de produtos de cannabis medicinal por dia para não residentes. Para os residentes, os requisitos seriam uma onça (28 g) de cannabis medicinal, 10 gramas de concentrado de cannabis medicinal ou 2.000 miligramas de produtos de cannabis medicinal.

“A consideração deste projeto de lei é exigente, uma vez que o principal benefício das receitas derivadas dele é direcionado para ajudar a interromper a hemorragia do GERS”, disse Bryan, observando que 75% dos fundos seriam distribuídos ao GERS. “Também é importante que utilizemos o tempo presente enquanto estamos recuperando nossa economia, em prontidão para o ambiente pós-pandemia de COVID, para implementar esse mecanismo de receita“, disse ele.

Em suma, os destinos que legalizaram ou descriminalizaram a cannabis estão desenvolvendo lucrativos fluxos de receita com o turismo da maconha — um exemplo disso é o Colorado. Para agentes e consultores, a crescente indústria do turismo de maconha é uma maneira viável de aumentar suas receitas também.

Leia também:

Ilha na Antártida liberada para turismo tem DNA de fungos, cebola e Cannabis

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra o porto Charlotte Amalie, na cidade de St. Thomas, nas Ilhas Virgens Americanas, com água azul turquesa, barcos ancorados, e casas espalhadas pelo morro em frente ao mar. Imagem: Wikimedia Commons.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!