“Há um grande preconceito na classe médica em relação à cannabis medicinal”

planta escuro “Há um grande preconceito na classe médica em relação à cannabis medicinal”

Uso de cannabis medicinal está regulamentado desde fevereiro de 2019 em Portugal, mas ainda não há produtos à venda em farmácia. Saiba mais no artigo do jornal O Mirante

Carla Dias interessou-se pela cannabis medicinal depois do diagnóstico de epilepsia refratária da filha Isa, agora com quatro anos. O uso de canabidiol, uma das substâncias químicas presentes na cannabis, revelou-se uma enorme ajuda para superar as crises da criança. Embora o interesse tenha começado em causa própria, Carla não baixou os braços e criou o Observatório Português de Canábis Medicinal, com sede em Coimbra. Uma associação sem fins lucrativos que pretende promover e divulgar a investigação científica sobre a planta e informar sobre a sua utilização para fins medicinais. Um ano depois da legalização da cannabis medicinal em Portugal ainda não há produtos à venda em farmácia e os médicos não estão sensibilizados para a sua prescrição. Contudo aumentam as licenças do Infarmed para a instalação de empresas interessadas em plantar na região e no país.

 

lazy placeholder “Há um grande preconceito na classe médica em relação à cannabis medicinal”

Onde adquire o canabidiol (CBD) que administra à sua filha?

Os primeiros frascos de CBD que comprei foram adquiridos numa loja física, em Coimbra, que vendia produtos naturais. Na ocasião ainda era legal porque era considerado um suplemento alimentar. No início de 2019 surgiu nova regulamentação e qualquer produto com CBD passou a ser considerado uma terapêutica e a ter de ser vendido em farmácia, o que até hoje não aconteceu. A única solução é comprar pela internet, em sites de países europeus onde esta substância continua a ser considerada suplemento. Há produtos de marcas fiáveis e há outros que são adquiridos no mercado ilícito.

Como se consegue garantir que têm qualidade?

São produtos que não se sabe como foram feitos. Não sabemos se são analisados, nem que dosagem têm. É esta mensagem que tem de chegar aos nossos governantes. As pessoas continuam a comprar e não sabem o que estão a comprar e isto é uma questão de saúde pública.

Que benefícios haveria se a cannabis para fins medicinais fosse vendida em Portugal?

Uma das vantagens seria a necessidade de prescrição médica. O paciente saberia o que estaria a adquirir. O produto seria controlado e teria que respeitar todas as condições de segurança. A prescrição médica ajudaria também a orientar o paciente na dose, pois só o médico sabe o histórico do paciente e a medicação que mais lhe convém.

Mas já existem alguns produtos à base de cannabis em venda livre em Portugal…

Sim, existem alguns derivados de cannabis nas farmácias portuguesas, mas são produtos à base do óleo da semente de cânhamo que não têm propriedades terapêuticas. Não têm na sua composição o teor de CBD suficiente para serem considerados terapêuticos.

A que preço costuma adquirir o canabidiol?

Os produtos vendidos na internet normalmente têm uma diferença de preço mediante a dosagem. Por exemplo, um frasco de 10 ml de gotas de CBD custa cerca de 70 euros. Mas é preciso ter atenção ao fato de que a dose é feita mediante o peso do paciente. Um adulto necessita de uma dosagem maior, o que encarece o tratamento. Os produtos com as duas substâncias presentes na cannabis, o THC (tetraidrocanabinol) e o CBD, podem ascender aos 400 euros, o que é incomportável. Daí a necessidade urgente de comparticipação do Estado.

Durante a pandemia estão a registrarem-se vendas recorde de cannabis nos Estados Unidos da América. Em Portugal também houve um aumento?

O CBD funciona um pouco como um ansiolítico e acredito que as pessoas que estiveram confinadas tenham recorrido a ele para controlar as crises de ansiedade. É provável que um fenômeno semelhante acontecesse em Portugal se também houvesse venda livre.

Portugal: um ano após legalização, milhares de pacientes ainda não têm acesso à cannabis

Muitas empresas escolheram o país para criar plantações, mas é pouco provável que alguma da produção seja vendida por aqui.

O processo burocrático envolvido até à comercialização da cannabis medicinal é um horror. Tivemos uma reunião com o Infarmed que nos disse que a culpa de não termos produto nas farmácias não era deles. “Não podemos ir atrás das empresas”, diz a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde. Têm de ser as empresas a ir pedir a autorização de colocação do produto no mercado português, refere o Infarmed. Quando submetem a candidatura, as empresas têm de indicar ao Infarmed para onde vão exportar o produto. Uma parte deveria ficar no país, para venda em farmácia, mas isso não está acautelado. Alguém irá ganhar dinheiro e os pacientes portugueses não vão usufruir de nada. O solo, a mão-de-obra, os impostos são todos nossos e depois não usufruímos…

Quantas empresas já tiveram a autorização do Infarmed para cultivo, importação e exportação? Há casos no Ribatejo?

Em janeiro deste ano eram cinco as empresas autorizadas. Mas são muitas mais as que pediram licenciamento. No Ribatejo confirmo que há pelo menos uma empresa licenciada em Benavente.

Existe falta de formação por parte dos médicos para a prescrição de cannabis medicinal?

Há ainda um grande preconceito na classe médica. De acordo com a lei, só se pode prescrever a cannabis medicinal depois de todos os outros medicamentos serem tentados. Além disso, há falta de informação. O que os médicos sabem sobre a cannabis medicinal é o que ouvem numa aula da faculdade onde se fala das drogas ilícitas. É preciso que se interessem e que procurem informação. Em vez de encherem os pacientes de ansiolíticos, que têm efeitos secundários terríveis, podiam optar pela cannabis. Não é um produto milagroso, nem cura, mas é uma ajuda viável.

Qual o papel do Observatório Português de Canábis Medicinal nesse campo?

Fizemos uma conferência no ano passado e tivemos a adesão de alguns profissionais de saúde. O importante é compreenderem que não podem tratar os pacientes que tomam cannabis medicinal com desrespeito e preconceito. Caso contrário estes vão ter receio de falar. A vida dos pacientes já é complicada o suficiente. Procuram ajuda e não alguém que lhes complique mais a vida.

Quantos usuários de cannabis para fins terapêuticos existem em Portugal?

Ainda não nos foi possível chegar a esse número. Como dizia, existe algum preconceito na classe médica e as pessoas ficam reticentes em divulgar o que estão a tomar. Já tentamos fazer um levantamento, mas foram poucos os que preencheram o formulário.

A informação sobre a cannabis é escassa e muitas vezes incorreta?

Temos o cuidado de divulgar no site do Observatório e na sua página do Facebook informações fidedignas. Cabe a cada um o cuidado de se informar e de não acreditar em tudo o que vê. Quando vão à farmácia e levam um produto que diz cannabis, têm de olhar para o rótulo e saber interpretá-lo.

Há muita publicidade enganosa. Enquanto não houver fiscalização quais são os riscos?

Tivemos um problema grave com umas cápsulas vendidas em farmácia. No rótulo tinham a indicação de cannabis, mas no interior o que continham era óleo de sementes de cânhamo. Um óleo utilizado para temperar comida, sem qualquer fim terapêutico. Algumas pessoas estavam a tomar essas cápsulas para tratar dores e ansiedade. Houve uma paciente que nos contatou depois de um problema de saúde que a conduziu ao hospital. Entregou-nos as cápsulas e o Observatório pediu uma análise num laboratório certificado. Queríamos confirmar que não continham cannabis medicinal, mas descobrimos que tinham na sua composição a bactéria E. coli. Este episódio vem apenas confirmar que não é por ser vendido em farmácia que o produto respeita a lei.

Leia também:

Exportação de flores ricas em THC do Uruguai para Portugal continua sendo um mistério

#PraCegoVer: em destaque, fotografia frontal da parte superior de uma planta de maconha com a iluminação centrada em seu top bud, repleto de pistilos de cor creme, que sombreia parcialmente as grandes folhas que saem do restante do caule, e um fundo escuro. Foto: THCameraphoto.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!