União e Governo de Pernambuco são obrigados a fornecer canabidiol para criança autista

conta gotas tintura União e Governo de Pernambuco são obrigados a fornecer canabidiol para criança autista

Paciente já havia utilizado outros fármacos, que resultaram apenas em efeitos colaterais graves. Informações do MPF

O Ministério Público Federal (MPF) obteve decisão da Justiça Federal, em caráter de urgência, que obriga o Estado de Pernambuco e a União a fornecerem a uma criança de oito anos de idade, diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista (TEA) grave, o medicamento Canabidiol 200 mg/ml durante o tempo necessário de tratamento.

A responsável pelo caso é a procuradora da República em Pernambuco Carolina de Gusmão Furtado, que interpôs o recurso na condição de fiscal da ordem jurídica. A mãe da paciente também recorreu da decisão da 1ª instância do Juizado Especial Federal Cível que havia negado o fornecimento do remédio.

Leia também: Projeto que permite cultivo de cannabis avança na Assembleia de Pernambuco

Conforme a argumentação do MPF, laudos médicos indicaram que a criança já havia sido submetida a diversos tratamentos farmacológicos, sem sucesso e resultando em graves efeitos colaterais. Mesmo com acompanhamento médico, ela desenvolveu comportamento de agressividade e autoagressividade, com crises que ocorrem desde 2016, comprometendo a qualidade de vida da paciente e de toda a família. Diante desse quadro, a prescrição médica foi pelo uso do canabidiol 200 mg/ml, por tempo indeterminado.

De acordo com a decisão da 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais da Seção Judiciária em Pernambuco, os requisitos para concessão de medicamento não incorporado ao Sistema Único de Saúde (SUS) estão presentes no caso: a incapacidade financeira da família, já que a mãe da paciente está desempregada e comprovou não ter condições de arcar com a medicação, assim como a comprovação médica da imprescindibilidade do medicamento e da ineficiência dos outros fármacos já usados.

Outro requisito contemplado refere-se à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de outubro de 2021, segundo a qual é dever do Estado fornecer medicamento que tenha a importação autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mesmo que o produto não tenha registro na autarquia.

Na decisão, a 1ª Turma Recursal destacou que “a própria Anvisa retirou o canabidiol do rol de substâncias proibidas no Brasil, e permitiu a importação de produtos derivados da cannabis, por pessoa física, para uso próprio em tratamento de saúde, desde que haja prescrição de profissional legalmente habilitado”.

Leia mais:

Justiça autoriza pais de menino autista a plantar maconha em Goiás

#PraTodosVerem: fotografia mostra um conta-gotas de tetina preta contendo tintura alaranjada, e o polegar da pessoa que o segura, acima de um copo com água, que tem uma gota da substância sobre sua superfície, em fundo branco liso. Foto: Marco Verch.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!