Funcionários de cannabis estão em alta demanda durante crise econômica

planta folhas Funcionários de cannabis estão em alta demanda durante crise econômica

A indústria da maconha está procurando por milhares de trabalhadores em todo os EUA. As informações são do jornal Politico e a tradução pela Smoke Buddies

O coronavírus não manteve algumas empresas de cannabis em baixa: elas estão recrutando até os desempregados de muitos outros setores.

As empresas de maconha em todo os EUA que estavam em forte forma financeira no início da pandemia estão contratando trabalhadores adicionais em resposta à forte demanda por produtos de maconha. Quase todos os estados permitiram que as lojas de maconha permanecessem abertas, apesar de vastas faixas da economia de varejo terem sido fechadas por semanas.

site sb Funcionários de cannabis estão em alta demanda durante crise econômica

Um boom inicial de vendas de coronavírus — desencadeado por compradores em pânico, preocupados com a possibilidade de os dispensários fecharem — rapidamente atingiu o platô, mas muitas lojas relatam que continuam fazendo bons negócios. Menos compradores estão chegando às lojas, mas estão fazendo compras maiores, e houve um aumento nas vendas para entrega. Elas estão prosperando, apesar de não poderem tocar o dinheiro do resgate federal para pagar suas contas ou funcionários. Alguns legisladores estão pressionando para incluí-las, mas é provável que não cheguem a lugar algum por causa da firme posição antimaconha do líder da maioria Mitch McConnell.

As empresas que o POLITICO consultou em mais de meia dúzia de estados disseram que estão adicionando milhares de trabalhadores, apesar da pandemia. Na maioria dos casos, esses planos de contratação já estavam em andamento antes da crise da saúde pública, mas a paralisia econômica que domina grande parte do restante da economia não inviabilizou esses planos.

A Green Leaf Medical disse que está contratando cerca de 300 trabalhadores para suas operações de cultivo e varejo na Virgínia e Maryland, mais do que duplicando sua força de trabalho. A Trulieve adicionou 250 funcionários de varejo na Flórida desde o início do surto de Covid-19, com planos de adicionar mais. E a Cresco Labs está contratando 250 trabalhadores para trabalhar em suas lojas no incipiente mercado recreativo de Illinois.

O CEO da Curaleaf, Joseph Lusardi, disse que sua empresa registrou um aumento de 300% na demanda por produtos de cannabis medicinal.

“Vimos um aumento na demanda em todo o país”, disse Lusardi. “Estamos vendo mais pacientes se registrarem todos os dias e estamos adicionando funcionários em praticamente todas as áreas da empresa para atender à demanda”.

A principal razão pela qual as empresas estão contratando é simplesmente que o mercado de cannabis continua a crescer em todo o país. As vendas de cannabis legal chegaram a US$ 12 bilhões no ano passadosegundo a empresa de análise BDSA, e devem chegar a US$ 30 bilhões anuais nos próximos quatro anos, embora as projeções não levem em conta o impacto econômico do coronavírus. A indústria legal de cannabis nos EUA empregou quase 250.000 pessoas no ano passadosegundo o Leafly, um salto de 15% em relação a 2018.

Mesmo algumas operações menores estão adicionando trabalhadores. A AltMed Florida abriu 10 dispensários adicionais desde meados de março, dobrando sua presença no varejo, com planos para mais pontos de venda em andamento. A NFuzed, uma produtora de gomas de cannabis de baixo preço do Colorado, adicionou quatro trabalhadores desde o início da pandemia, respondendo a um salto de 50% nas vendas. E a Lightshade, que opera oito dispensários e várias operações de cultivo na área metropolitana de Denver, procura adicionar pelo menos 20 trabalhadores.

“Estamos tentando desesperadamente contratar”, disse Lisa Farrimond-Gee, diretora de marketing da Lightshade. “Vários departamentos diferentes estão procurando pessoas para integrar”.

Os serviços de entrega nos estados que os permitem também estão recrutando, pois os compradores temerosos procuram evitar as lojas. Nos tempos pré-pandêmicos, Kaitlin Wolfberg trabalhava como música, tocando violino, viola e, ocasionalmente, regendo. Um dia antes de ela ter viajado com um quarteto de cordas para o Havaí em março, o show foi cancelado.

Ela se candidatou a um emprego no dia seguinte no serviço de entrega da Califórnia Ganja Goddess e começou a trabalhar dois dias depois. O serviço de entrega aumentou sua força de trabalho em quase 25% desde o início dos pedidos de permanência em casa.

Wolfberg está de luto pela perda da carreira que passou na última década construindo: “Tudo em que trabalhei se foi”, disse ela.

Mas ela se considera sortuda por ter um emprego com benefícios. Muitos de seus amigos músicos estão lutando para comprar mantimentos enquanto navegam no processo de desemprego.

Cannabis legal gera mais de 243 mil empregos nos EUA, aponta relatório

A tendência de contratação está longe de ser universal. Algumas das maiores empresas de cannabis da América do Norte — incluindo Canopy Growth e Acreage Holdings — cortaram empregos nas últimas semanas. Outra grande varejista, a MedMen, fechou recentemente cinco de suas lojas na Flórida sem explicação, enquanto enfrenta problemas financeiros. Muitas grandes empresas de cannabis estavam sofrendo por dinheiro, mesmo antes da pandemia, porque os preços das ações da cannabis caíram no último ano.

Além disso, as restrições às operações de cannabis em alguns estados, principalmente Nevada e Massachusetts, levaram a reduções significativas nas vendas. E a falta de acesso aos fundos federais de alívio de coronavírus e à maioria dos serviços bancários — refletindo o fato de que a maconha permanece ilegal no nível federal — sem dúvidas afundará algumas empresas.

Mas a indústria quase legal, em rápido crescimento — 33 estados agora têm mercados médicos ou recreativos —, está se mostrando mais resistente do que muitos outros setores.

“Nós continuamos contratando por esses papéis essenciais e não fomos atingidos por nenhum obstáculo”, disse Lynn Ricci, diretora de relações de investimento da Trulieve.

Vários estados que legalizaram o mercado médico ou recreativo ainda estão lançando seus programas.

Em Illinois, por exemplo, as vendas recreativas começaram em 1º de janeiro, com receitas chegando a US$ 100 milhões nos primeiros três meses. Muitos cultivadores chegaram ao ponto em que sua primeira colheita de erva recreativa está pronta para a colheita.

“Estamos enfrentando uma grande necessidade de contratar pessoas nesse sentido”, disse Pamela Althoff, diretora executiva da Cannabis Business Association de Illinois.

As empresas provavelmente estariam contratando mais trabalhadores se não fosse o coronavírus. Illinois adiou o prazo de 1º de maio para anunciar até 75 licenças adicionais de dispensário devido à crise da saúde pública. Além disso, algumas empresas estão enfrentando atrasos de três a quatro semanas nas verificações de antecedentes dos trabalhadores, disse Althoff. O grupo comercial está pedindo ao Estado que permita que novos funcionários comecem a trabalhar antes que a verificação de antecedentes seja concluída.

“Gostaríamos que nossos funcionários recém-contratados trabalhassem, com o entendimento de que, se houver uma verificação de antecedentes que volte com uma falha grave, eles serão dispensados”, disse Althoff.

A Flórida é outro mercado que continua vendo um crescimento explosivo, apesar de permitir apenas vendas para fins medicinais. As vendas de maconha para fumar aumentaram 52% no mês passado em comparação com janeiro.

A segunda maior operadora do estado, a Parallel, com sede em Atlanta, vem preenchendo empregos nas operações de cultivo recentemente expandidas da empresa.

“Na Flórida, nossos negócios continuam fortes — estamos ajudando clientes médicos, seguindo rigorosos protocolos de segurança e distanciamento social do CDC, fornecendo um inventário consistente de flores em nossas lojas e introduzindo novos produtos para nossos clientes”, disse Laurie MacKenzie, porta-voz da Parallel.

A Green Leaf Medical é uma das quatro empresas aprovadas para atender ao nascente mercado médico da Virgínia. A empresa está contratando pelo menos 235 funcionários para a equipe de uma instalação de produção em Richmond e seis operações de varejo.

“Esperamos até que tivéssemos certeza de que estávamos financeiramente sólidos o suficiente para fazer essa mudança e contratar esses funcionários”, disse Philip Goldberg, CEO da empresa. “Não estamos apenas disparando e ficando loucos”.

Muitos observadores da indústria alertam que há sinais financeiros ameaçadores no horizonte para a indústria da cannabis. Mesmo que seja mais resistente à recessão do que muitas empresas, o esvaziamento das contas bancárias em todo o país provavelmente reduzirá as vendas de maconha. Além disso, a falta de acesso ao banco significa que eles normalmente não podem acessar empréstimos se sofrerem uma crise de caixa.

Mas para os trabalhadores que sofrem com a turbulência econômica, as empresas que estão contratando servem como uma tábua de salvação até que um dia — espero — retornem às suas carreiras anteriores.

“Não vamos fazer shows até que as vacinas sejam produzidas”, disse Wolfberg, a música. “Eu continuo ouvindo dizer que pode levar quatro anos”.

Leia também:

EUA: Covid-19 gera esforços para sindicalização de trabalhadores do varejo de cannabis

#PraCegoVer: foto (de capa) em vista inferior que mostra várias folhas de uma planta de cannabis, com folíolos longos e serrilhados que contrastam com um céu com nuvens. Foto: Pixabay.

smokebuddies logo2 Funcionários de cannabis estão em alta demanda durante crise econômica

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!