Frances González: o empoderamento da mulher na cannabis da América Latina para o mundo

frances gonzalez Frances González: o empoderamento da mulher na cannabis da América Latina para o mundo
Newsletter Open Green

Frances González é uma porto-riquenha que realiza esforços na missão de elevar a comunidade latino-americana sobre a cultura e a indústria da cannabis através da educação, ativismo e empreendedorismo. Saiba mais sobre sua história na reportagem da Forbes, traduzida pela Smoke Buddies

Frances González é reconhecida como uma das líderes do movimento de mulheres empresárias no setor da Cannabis. Com mais de 15 anos de experiência em telecomunicações corporativas, operações e relações internacionais, em 2015, ela decidiu iniciar seu próprio negócio em Porto Rico como fundadora e diretora executiva da Millennia Solutions, fornecedora de ferramentas e soluções de comunicação digital para negócios. Meses depois, a cannabis medicinal foi legalizada na ilha e ela buscou educação com especialistas no assunto. Através de sua jornada educacional, Frances lançou a Latinas Cannapreneurs, uma organização sem fins lucrativos com sede em Porto Rico com a missão de inspirar, educar e elevar a comunidade latino-americana sobre a cultura e a indústria da cannabis através da educação, ativismo e empreendedorismo. Através de sua rede de parceiros e colaboradores, fornecem ferramentas educacionais e suporte para quebrar estigmas e promover a inclusão na crescente era verde. Frances também foi convidada a falar sobre o empreendedorismo da Cannabis em Porto Rico em maio de 2019 para a Canna Ciencia 2019 em Bogotá, Colômbia, que é a maior conferência de cannabis da América Latina. Ela também subiu ao palco para falar em setembro passado no CanEX 2019 na Jamaica, onde compartilhou o palco mais uma vez com personalidades como Steve DeAngelo e Vicente Fox. Ela participou e apresentou no Cannabis Salud 2019 no México, e em dezembro foi palestrante na conferência National Women of Cannabis em Las Vegas. Suas empresas são patrocinadoras de todas essas conferências e também patrocinaram o estudo Women in Cannabis. Frances também é membro e presidente de pesquisa de política caribenha da Minority Cannabis Business Association, cuja missão é apoiar a igualdade e a diversidade no setor de cannabis por meio de políticas, capacitação e conexão.

Ela organizou o primeiro evento da Minority Cannabis Business Association em Porto Rico e também colaborou como coanfitriã e patrocinadora do primeiro evento pop-up da Women Grow na Ilha. Frances está influenciando e abrindo o caminho para a próxima geração de empresários latinos de cannabis.

lazy placeholder Frances González: o empoderamento da mulher na cannabis da América Latina para o mundo

Com todas essas realizações, é um prazer apresentar Frances González.

Warren Bobrow: Por que cannabis?

Frances González: Eu não esperava que essa planta estivesse no meu caminho em nenhum momento da minha vida. Eu sempre ouvi dizer que era uma droga, que acabaria com o seu futuro, você poderia ir para a cadeia, e precisávamos ficar longe. Meus olhos se abriram quando decidi experimentar cannabis pela primeira vez aos 22 anos. Quando eu experimentei e aprendi sobre cannabis, que ela é uma planta. Uma planta que estava salvando vidas, estava curando pessoas. Era uma planta que estava revitalizando as economias e, no entanto, era uma planta demonizada por muitos anos e ainda é marcada como uma substância do Anexo I “definida como droga sem uso médico atualmente aceito e com alto potencial de abuso”. Foi quando decidi concentrar minha atenção e minha energia em educar a mim e aos outros sobre a cannabis. Porque, como eu, havia muitas outras pessoas que viram e consideraram a cannabis como uma droga maligna.

WB: Qual foi o seu caminho para a planta?

FG: No começo, pensei que meu interesse era puramente recreativo. Eu apenas fumava com os amigos quando saíamos, mas comecei a notar mudanças sutis. Meu humor melhorou. Isso me deixou mais calma, mais paciente e empática em relação às experiências que passamos na vida. Foi quando percebi que meu uso não era recreativo. Como qualquer outra pessoa, eu procurava qualidade de vida. Nessa busca, em 2015, decidi mudar meu trabalho corporativo com uma empresa multinacional de telecomunicações e entrei em um empreendimento ao lançar a Millennia Solutions, uma empresa de soluções de comunicação digital. Aparentemente, o universo se alinhou a meu favor e alguns meses depois de abrir meus negócios, o ex-governador de Porto Rico, por meio de uma ordem executiva controversa, anunciou o desenvolvimento de um programa de cannabis medicinal. Então, meu interesse pela planta cresceu ao lado dessa nova indústria médica na ilha. Eu queria me educar e descobrir os benefícios e o impacto que essa planta pode ter em nossa comunidade, governo e economia.

Em 2017, o Programa de Cannabis Medicinal foi aprovado e me tornei uma paciente de cannabis medicinal para tratar minha insônia, uma das condições médicas incluídas na época. Agora, existem 25 condições incluídas no programa de cannabis medicinal pelo Departamento de Saúde. A lista inclui:

  1. Alzheimer
  2. Anorexia
  3. Artrite
  4. Autismo
  5. Câncer e tratamento com quimioterapia
  6. Depressão
  7. Transtornos de Ansiedade, conforme definido no DSM V (Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais)
  8. Distúrbios em decorrência de vírus da imunodeficiência humana (HIV) positivo
  9. Doenças degenerativas, como: esclerose lateral amiotrófica (ELA) e múltipla / doença intestinal inflamatória
  10. Doenças incuráveis ​​e avançadas que requerem cuidados paliativos
  11. Epilepsia
  12. Fibromialgia
  13. Glaucoma
  14. Hepatite C
  15. Insônia
  16. Lesões na medula espinhal
  17. Enxaqueca
  18. Neuropatias periféricas
  19. Parkinson
  20. Síndrome de estresse pós-traumático (TEPT)
  21. Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS)
  22. Desordem bipolar
  23. Qualquer outra condição que cause caquexia
  24. Dor crônica
  25. Náusea grave ou espasmos musculares persistentes ou conforme recomendado pelo Conselho Consultivo Médico e expresso pelo Conselho por determinação administrativa.

Leia mais: Conheça mulheres que ganham dinheiro com a maconha

WB: Com quem você estava quando ficou chapada pela primeira vez?

FG: Minha primeira experiência com cannabis foi aos 22 anos. Criada em uma família religiosa e conservadora, onde fumar e beber eram desaprovados, eu me armei de bravura e decidi experimentar maconha com outros 3 amigos. Estávamos viajando pela ilha com amigos que eram consumidores muito ávidos. Embora eu nunca tivesse participado do consumo antes, concordei nesta viagem em experimentá-lo, pois sentia que estava na companhia mais segura, confortável e confiável que uma garota esperaria ter pela primeira vez. Ficamos em um hotel e fomos para uma parte isolada. Eles estavam se preparando para o ritual habitual de brincar e assistir a vídeos. Lembro que eles tinham um dispositivo de metal parecido com um cigarro que era compartilhado entre nossos amigos fumantes.

WB: Você se lembra do que estava ouvindo?

FG: Meus amigos tinham esse ritual de brincar e assistir a algo, seja um filme, um documentário ou vídeos engraçados. Dessa vez, decidi participar, assistimos a vídeos do YouTube, especificamente erros engraçados gravados na TV ao vivo. Lembro que estávamos assistindo a um vídeo que mostra um comercial de compras domésticas, no qual eles estavam vendendo algum tipo de escada residencial que você podia mudar para formas diferentes. A pessoa que demonstrava estava montando a escada. Enquanto ele estava travando no lugar, a escada fez um barulho estranho. A outra pessoa que estava apresentando perguntou: “você tem certeza de que está bem?”. Ao que ele responde: “Sim, agora está travado no lugar!”, e enquanto ele estava fazendo a demonstração na televisão ao vivo, a escada cede e ele simplesmente cai da tela enquanto o apresentador não para de rir. Foi bobo, mas tão inesperado.

WB: Por favor, conte-me sobre sua empresa?

FG: Depois de trabalhar em uma empresa multinacional de telecomunicações por mais de 10 anos, minhas opções naquela época eram continuar subindo a escada corporativa nos Estados Unidos ou abrir meu próprio negócio em Porto Rico. Com mais de 15 anos de experiência em telecomunicações corporativas, operações e relações internacionais, em 2015, decidi iniciar meu próprio negócio em Porto Rico como fundadora e diretora executiva da Millennia Solutions, fornecedora de ferramentas e soluções de comunicação digital para negócios. Meses depois, a cannabis medicinal foi legalizada na ilha e eu busquei educação com especialistas no assunto.

Ao longo da minha jornada educacional, em 2017 lancei a Latinas Cannapreneurs, uma organização sem fins lucrativos com a missão de inspirar, educar e elevar a comunidade latina sobre cannabis, destacando a educação, ativismo e empreendedorismo de mulheres e latinas na indústria, a fim de quebrar estigmas, promover o empoderamento e a inclusão nesta nova era verde. Por meio de nossos aliados e parcerias estratégicas, a organização fornece educação, ferramentas, consultoria e orientação para mulheres que têm paixão por criar um impacto positivo no setor. Também lançamos recentemente o Latinas Cannapreneurs Scholarship Fund, um fundo de investimento para fornecer bolsas de estudos para mulheres apaixonadas pelo empreendedorismo no setor de cannabis. Esse fundo cobre os custos dos cursos exigidos até o processo de licenciamento.

WB: O que você faz, que é diferente e, portanto, melhor que sua concorrência?

FG: De acordo com os últimos dados do Censo dos EUA em 2018, os hispânicos representavam 18% da população dos EUA, ou seja, 59 milhões de pessoas. A taxa de crescimento hispânico entre 2000 e 2007 foi de 28,7%, cerca de quatro vezes a taxa do crescimento total da população do país (7,2%). A América Latina representa 8% da população mundial, o que representa cerca de 653 milhões de pessoas.

Somos um grupo demográfico em rápido crescimento que ficou com recursos confiáveis ​​muito limitados não apenas para aprender sobre a cannabis e seu impacto, mas, mais importante, para nós, como comunidade, podermos fazer parte de uma indústria em nossa língua nativa, o espanhol. É aí que a Latinas Cannapreneurs entra como um recurso para inspirar, educar e elevar nossa comunidade, apoiando a próxima geração de empreendedores latinos de cannabis.

WB: Quais são suas metas de 6 e 12 meses?

FG: No ano passado, tive a oportunidade de viajar para diferentes convenções de cannabis no México, Jamaica, Colômbia, Porto Rico e EUA como palestrante, educando sobre o crescimento e evolução da indústria de cannabis em Porto Rico e das mulheres na América Latina que estão quebrando estigmas através do empreendedorismo de cannabis. Foi uma experiência enriquecedora e educacional aprender como, mesmo com todas as nossas diferenças culturais, a cannabis nos une. No entanto, as mulheres, especialmente as latinas, ainda estavam majoritariamente sub-representadas. Eu aprendi rapidamente que isso se devia à falta de acessibilidade a informações, suporte e financiamento. Com isso em mente, nossas metas de 6 a 12 meses são lançar uma associação internacional para o Latinas Cannapreneurs, com o objetivo de estabelecer um Latinas Cannapreneurs Scholarship Fund em cada uma de nossas seções, para que possamos fornecer às mulheres que desejam ingressar no setor a educação, os recursos e a orientação necessários, para que se tornem líderes do setor em seu país.

WB: Você tem um mentor?

FG: Crescendo como uma pirralha da Marinha, tive a oportunidade de viajar para diferentes países e aprendi a fazer amizade e acolher mudanças desde muito jovem. Isso me deu a oportunidade de ter muitos mentores que me inspiraram ao longo da minha jornada. Mentores que ensinavam os bons e, às vezes, os não tão bons traços a serem aspirados. Posso dizer que os primeiros mentores que me inspiraram a me tornar a pessoa que sou hoje foram as mulheres fortes da minha família. Desde a minha avó obtendo um diploma universitário aos 50 anos de idade. Minha outra avó administrando uma bodega (supermercado) e equilibrando uma grande casa, até minha mãe me levando para as aulas noturnas da faculdade quando eu tinha 5 anos. Todas elas me inspiraram a sempre lutar por meus objetivos e nunca desistir, independentemente de todos os obstáculos que eu possa encontrar na vida, o que me ensinou que tudo o que experimentamos na vida, o bom, o ruim e o pior, todos têm um propósito na jornada de nossa vida.

WB: E os estigmas?

FG: Em 2016, participei de um dos primeiros cursos de política de cannabis que a ilha tinha à época. Quando eu disse à minha família profundamente religiosa que estava fazendo um curso para entrar na indústria da cannabis, a reação inicial deles foi: você não vai começar a vender maconha, não é? Expliquei que estava fazendo os cursos necessários para que minha empresa, a Millennia Solutions, pudesse prestar serviços ao setor. Tenho certeza de que naquela época elas tinham suas reservas, mas nunca foram contra. Eu sempre digo que as ações falam mais alto que as palavras e minhas ações as educaram e elas viram em primeira mão os muitos benefícios da cannabis. Como as coisas mudaram em Porto Rico em relação à cannabis? (Quando eu costumava velejar por lá nos anos 80, a cannabis não era legal. Seu barco poderia ser apreendido ou coisa pior!) Porto Rico legalizou a cannabis medicinal desde 2015, quando uma ordem executiva foi assinada pelo ex-governador. Garcia Padilla. Em 2017, o ex-governador Ricardo Antonio Rosselló entrou em ação. Desde então, Porto Rico se transformou em uma usina de cannabis com mais de 80 dispensários em toda a ilha e mais de 100.000 pacientes registrados no programa de cannabis medicinal. Porto Rico deve capitalizar quando o mercado recreativo for aberto na ilha.

Leia também:

De mana para mana: vozes femininas trazem representatividade às consumidoras canábicas

#PraCegoVer: a imagem de capa traz a foto de Frances González, do peito para cima, vestida com uma roupa preta e usando um pingente de Porto Rico e um fundo bege. Foto: cortesia de Latinas Cannapreneurs para a Forbes.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!