Flávio Bolsonaro foge do MPF para cantar música homofóbica com referência a maconheiro

bolsonaros sikera Flávio Bolsonaro foge do MPF para cantar música homofóbica com referência a maconheiro

Acompanhado do presidente da Embratur, Gilson Machado, e do deputado federal Eduardo Bolsonaro, senador canta música preconceituosa em programa do Sikêra Jr. Com informações do Congresso em Foco

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) faltou nesta segunda-feira (21) à acareação com o empresário Paulo Marinho, seu suplente no Senado, no processo sobre vazamento de informações da Operação Furna da Onça, no Ministério Público do Rio de Janeiro. Flávio atribuiu sua ausência a “compromissos da sua agenda oficial, que o fizeram estar no Amazonas nesta data”.

Ao lado do irmão e deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Flávio participou de um programa de televisão nesta segunda-feira (21) em Manaus. Ao lado do apresentador Sikêra Jr., do presidente da Embratur, Gilson Machado, e de parte da equipe da atração, eles dançaram e cantaram ao vivo uma música de conotação sexual com ataque a usuários de maconha, batizada pelo apresentador de “todo maconheiro dá o anel”.

lazy placeholder Flávio Bolsonaro foge do MPF para cantar música homofóbica com referência a maconheiro

(Parêntese para recordar com Patrícia Lélis do ‘passado’ dos irmãos Bolsonaro)

Flávio também exibiu um cartaz com a frase “CPF cancelado”, termos usado por Sikêra ao se referir a suspeitos acusados de crime. O apresentador é conhecido por fazer comentários favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro e por comemorar dançando e cantando no palco quando é informado, no ar, de que um acusado foi morto em confronto policial.

Leia: “Queiroz me perseguiu por que tenho uma folha da maconha tatuada”, diz Pedro Mara

Investigação

Paulo Marinho, que é suplente de Flávio no Senado, afirma que o filho do presidente teve informações privilegiadas sobre uma operação entre o primeiro e o segundo turnos das eleições de 2018 por um delegado da Polícia Federal. Conforme relatou à Folha de S.Paulo, a PF segurou a operação, então sigilosa, para que não prejudicasse a campanha de Jair Bolsonaro.

A defesa de Flávio alega que a possibilidade do senador não comparecer na acareação de hoje foi levantada há cerca de um mês, por escrito, diretamente ao MPF, “que não quis alterar a data apesar de expressa disposição legal”.

Mais cedo, a defesa de Flávio ingressou com nova petição, sugerindo a data de 5 de outubro para uma nova acareação. “Quanto à tese de crime de desobediência insinuada pela Procuradoria, é lamentável sob vários aspectos. Nem o procurador da República poderia dar ordem ao senador e nem essa ‘ordem’ seria legal, pelo que constituiria uma impropriedade técnica com poucos precedentes na história do Judiciário Fluminense”, diz a defesa de Flávio.

O Ministério Público Federal vai investigar se o senador cometeu crime de desobediência por faltar ao ato marcado mais cedo. Caso seja constatado crime, o MPF vai encaminhar o caso à Procuradoria-Geral da República (PGR), uma vez que Flávio tem foro privilegiado.

Leia também:

Ideia legislativa para regulação do uso adulto e autocultivo de maconha atinge 20 mil apoios

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra o senador Irajá (PSD-TO), Gilson Machado, Eduardo Bolsonaro, Sikêra Jr., o Secretário Nacional de Agricultura e Pesca Jorge Seif e Flávio Bolsonaro de braços dados. Foto: TV A Crítica.

lazy placeholder Flávio Bolsonaro foge do MPF para cantar música homofóbica com referência a maconheiro

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!