Femina Ganja: maconha é a protagonista em clipe do Feminine Hi-Fi Tunes

Foto Filipa Aurelio Femina Ganja Femina Ganja: maconha é a protagonista em clipe do Feminine Hi Fi Tunes
Newsletter Open Green

O single Femina Ganja, do selo Feminine Hi-Fi Tunes, ganhou imagem e movimento em um clipe empoderado, que exalta o poder da natureza e do feminino e traça um paralelo entre música, mulher e maconha

Com uma ficha técnica que esbanja talento feminino, uma letra escrita de forma coletiva, como em uma roda de fumaça, e performances poderosas (ou melhor, pesadas), o clipe Femina Ganja traz a essência de uma visão peculiarmente feminina, mas nada óbvia, de um tema que é alvo da produção cultural, fugindo dos clichês sobre o que é o reggae – e a maconha.

lazy placeholder Femina Ganja: maconha é a protagonista em clipe do Feminine Hi Fi Tunes

A maconha, inclusive, que liga as cinco mulheres que deram origem ao single (Laylah Arruda, Lei Di Dai, Mis Ivy, Shirley Casa Verde e a jamaicana Sister Carol), é a raiz de uma reflexão profunda que passa, na contribuição de cada compositora, por questões como o uso terapêutico, o interesse econômico, o preconceito e a intrínseca relação entre o que é feminino, natural e espiritual.

Confira, a seguir, a entrevista com as integrantes do Feminine Hi-Fi Tunes

Smoke Buddies – Como foi o processo de composição da música?

Feminine Hi-Fi Tunes – A composição partiu do tema. No plano de lançamento do nosso selo, Feminine Hi-Fi Tunes, achamos interessante reunir essas 5 vozes para que abordassem algum assunto que nos fosse afeto, chegamos então à conclusão de que a nossa questão da vez seria a ganja, marijuana, maconha, como preferirmos. Sabido o assunto e quem seria esse time de cantoras, o produtor da música, Digitaldubs, nos propôs esse riddim (instrumental) e, a partir dele, chegamos cada uma com sua composição, então cada cantora presente cantou letra de sua própria autoria. O arremate brilhante veio com o refrão certeiro lançado pela mestra Sister Carol, onde ela aproveitou a palavra em português que tinha acabado de aprender, “Pesada”, a qual ela amou o som e sentido.

– De onde surgiu a ideia de fazer da música um clipe? O que acharam do resultado?

A dificuldade de ser artista independente é a falta de verba para edificar certos sonhos. Nossa vontade é de ter clipe para todas as produções lançadas pelo selo, mas nem sempre foi possível até hoje. Contudo, Femina Ganja pedia com força que a gente desse esse jeito, ela reúne mulheres que já são velha-guarda da cena aqui no Brasil, somada a uma referência fundamental do nosso universo de Reggae music. Além disso, olhando o entorno, seria algo bastante especial um clipe com essa abordagem, há poucos clipes no Brasil tão abertos a esse assunto, vemos clipes como esses mais na fonte, a Jamaica, então pra gente é bem especial e nos sentimos corajosas em realizá-lo. A repercussão tem sido ótima e contamos com mais ouvidos e olhares pra esse trabalho que ficou fino!

– O que vocês levaram em conta para a concepção do roteiro do clipe?

Falamos nele de um assunto polêmico, por ser carga de muita discriminação e falta de conhecimento. A maconha recebe uma condenação cultural deturpada, fruto de uma, das diversas desse mundo, forma de o sistema e os detentores de poder manipularem as questões a favor exclusivo deles. Sendo assim, quisemos que o clipe não fosse hipócrita, afinal, esse é um ponto importante dessa discussão, mas para isso quisemos um caminho elegante e divertido, aliando as imagens às mensagens bem elaboradas pelas cantoras. Escancarado sim, mas fugindo dos clichês que existem sobre a maconha.

– Qual a importância de associar a planta ao poder feminino e vice-versa?

Primeiro uma liçãozinha de biologia mesmo. Nem todo mundo sabe que a planta que abriga os poderes dessa erva é a de gênero feminino. E nós temos um trabalho posicionado à valorização da participação e expressão feminina, então veio completamente a calhar essa associação.

FICHA TÉCNICA

Direção: Bianca Hoffmann

Assistente de direção: Karú Martins

Direção de fotografia: Bianca Hoffmann, Karú Martins, Filipa Aurélio e Neto In

Fotografia: Filipa Aurélio e Karú Martins

Iluminação: Neto In

Cenografia: Jéssica Correia

Edição e colorização: Bianca Hoffmann e Karú Martins

Motion design: Bianca Hoffmann

Finalização: Bianca Hoffmann

Roteiro: Feminine Hi-Fi

Direção de arte: Lys Ventura

Produção executiva: Lys Ventura

Assistente de produção: Andrea Soriano

Styling: Juliana Borba

Acessórios: Ohime Glam

Unhas: Cacau Brito

Cabelos: Thaty Braids

Makeup: Camila de Alexandre e Luzcidez

Motorista: Fábio Passos

Apoio: Inca Headshop

Agradecimentos especiais: Clarice Reichstul e Ep Musical

Selo: Feminine Hi-Fi Tunes

Assessoria de comunicação: Conteúda

Composição: Sister Carol, Laylah Arruda, Lei Di Dai, Mis Ivy e Shirley Casa Verde

Produção musical: Digitaldubs

Mixagem: Digitaldubs

Masterização: Buguinha Dub

Gravado no Estúdio Ekord em São Paulo.

#PraCegoVer: fotografia (de capa) mostra trecho do clipe Femina Ganja, do Feminine Hi-Fi, onde Laylah Arruda,Mis Ivy, Shirley Casa Verde e Sister Carol estão sentadas em um sofá, à frente de uma luminária de parede na forma da folha de maconha. Foto: Filipa Aurélio.

lazy placeholder Femina Ganja: maconha é a protagonista em clipe do Feminine Hi Fi Tunes

Sobre Thaís Ritli

Thaís Ritli é jornalista e observadora do feminino no universo da cannabis, que se traduz em colunas mensais sobre o tema na Smoke Buddies.
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!