Extratos de novas linhagens de cannabis podem proteger contra a Covid-19

pistilos tricomas detalhes Extratos de novas linhagens de cannabis podem proteger contra a Covid 19

Estudo realizado por cientistas canadenses revelou que 13 cepas de cannabis desenvolvidas pela própria equipe de pesquisa demonstraram eficácia na redução dos receptores usados pelo coronavírus para acessar as células hospedeiras. Entenda mais com as informações do News Medical

Pesquisadores no Canadá conduziram um estudo sugerindo que novos extratos de Cannabis sativa podem diminuir os níveis do receptor da célula hospedeira que o coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2) usa para obter entrada viral nos tecidos-alvo.

O SARS-CoV-2 é o agente responsável pela atual pandemia da doença do coronavírus 2019 (Covid-19), que continua a varrer o mundo, ameaçando a saúde pública e a economia mundial.

site sb Extratos de novas linhagens de cannabis podem proteger contra a Covid 19

A equipe — da Universidade de Lethbridge e da Pathway Rx Inc., Lethbridge — desenvolveu centenas de novas cultivares de C. sativa e testou 23 extratos em modelos humanos 3D artificiais dos tecidos orais, do sistema respiratório e intestinais.

Conforme publicado recentemente na revista Aging, 13 dos extratos regularam negativamente a expressão do receptor da enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2) da célula hospedeira de SARS-CoV-2.

“A regulação negativa observada da expressão do gene ACE2 por vários extratos testados de novas cultivares de C. sativa é uma descoberta nova e crucial”, afirmam os pesquisadores.

 

 

 

“Embora nossos extratos mais eficazes requeiram mais validação em grande escala, nosso estudo é importante para análises futuras dos efeitos da cannabis medicinal sobre a Covid-19”, escreveram Olga Kovalchuk e colegas.

Leia mais: “Maconha se mostra promissora em bloquear infecção por coronavírus”

Regulação negativa dos níveis de ACE2 em tecidos de entrada

O receptor de ACE2 que o SARS-CoV-2 e outros coronavírus usam para acessar as células hospedeiras é expresso em uma variedade de tecidos, incluindo o pulmão, a mucosa nasal, o rim e o trato gastrointestinal.

Um estudo recente relatou altos níveis de expressão de ACE2 em tecidos epiteliais orais e sugeriu que a cavidade oral poderia ser um alvo importante para estratégias de prevenção.

Numerosos estudos também relataram altos níveis de expressão de ACE2 no trato respiratório inferior de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Este grupo de pacientes está associado ao aumento da suscetibilidade à Covid-19 e a doenças mais graves.

“A regulação negativa dos níveis de ACE2 nos tecidos de entrada pode, portanto, ser uma estratégia plausível para diminuir a suscetibilidade à doença”, disse Kovalchuk e colegas.

Estudo revela como o THC pode tratar a inflamação causada por Covid-19

Onde entra a Cannabis sativa?

A C. sativa, particularmente cultivares ricas em canabidiol (CBD), já demonstrou alterar a expressão gênica e possuir propriedades anti-inflamatórias e anticâncer.

No entanto, os efeitos da C. sativa na expressão de ACE2 não são conhecidos, diz a equipe.

Trabalhando sob uma licença de pesquisa da Health Canada, os pesquisadores desenvolveram mais de 800 novos cultivares e extratos de C. sativa. Eles então usaram modelos humanos 3D artificiais para testar se 23 dos extratos que eram ricos em CBD alterariam a expressão de ACE2 em tecidos-alvo de Covid-19.

Dado que a inflamação é um componente significativo da doença viral, os pesquisadores também examinaram o efeito dos extratos na expressão de ACE2 em modelos de tecido 3D estimulados por inflamação.

Usando modelos humanos artificiais 3D de tecidos orais, das vias respiratórias e intestinais, os pesquisadores identificaram 13 extratos de C. sativa com alto teor de CBD que regularam significativamente a expressão de ACE2.

Os efeitos nos tecidos não estimulados por inflamação

Em um modelo de tecidos das vias respiratórias que não foram estimulados por inflamação, a análise de Western blot identificou seis extratos que regularam negativamente a expressão de ACE2 e dois extratos que regularam ligeiramente sua expressão de forma positiva.

Em um modelo de tecido oral não estimulado, dois extratos regularam negativamente a expressão de ACE2, enquanto três outros extratos regularam positivamente sua expressão.

Leia também: Terpenos e CBD funcionam três vezes melhor contra inflamação da Covid-19 do que corticosteroides

Os efeitos nos tecidos estimulados por inflamação

Em seguida, a equipe examinou um modelo de tecido oral que havia sido estimulado pelo tratamento com as citocinas inflamatórias fator de necrose tumoral alfa (TNF-α) e interferon-gama (IFN-γ).

A análise por sequenciamento de RNA mostrou que ambos, TNF-α e IFN-γ, tinham níveis de mRNA (RNA mensageiro) de ACE2 regulados positivamente no tecido oral. No entanto, todos os extratos de C. sativa, exceto um, regularam negativamente a expressão desse nível alterado de mRNA de ACE2.

Além disso, em um modelo de tecidos intestinais 3D estimulado por inflamação, dois extratos diminuíram significativamente os níveis de mRNA de ACE2 e, em um modelo de tecidos de vias aéreas estimulados, todos os extratos atenuaram a expressão de ACE2 induzida por TNF-α e IFN-γ.

“Usando modelos humanos artificiais 3D de tecidos orais, das vias respiratórias e intestinais, identificamos 13 extratos de C. sativa com alto teor de CBD que diminuem os níveis de proteína ACE2”, escreve a equipe.

Quais são as implicações do estudo?

Os pesquisadores dizem que as descobertas fornecem uma base para análises adicionais dos efeitos que a C. sativa pode ter na patogênese de Covid-19 e outras doenças virais onde o receptor de ACE2 é usado como um portal molecular.

“Se esses resultados forem confirmados, esses extratos de cannabis com alto teor de CBD podem ser usados ​​para desenvolver estratégias de prevenção direcionadas à redução dos níveis de ACE2 em tecidos de entrada de alto risco”, escreveram eles.

“Os extratos de nossas novas linhagens de C. sativa com alto teor de CBD de maior sucesso, enquanto se aguarda uma investigação mais aprofundada, podem se tornar uma adição útil e segura para a prevenção e o tratamento de Covid-19 como terapia adjuvante”, conclui a equipe.

Leia mais:

Canabidiol pode reduzir os danos pulmonares causados pela Covid-19, diz estudo

#PraCegoVer: em destaque, fotografia de uma pequena parte de uma flor de cannabis, onde se vê em detalhes as pontas de dois folíolos verdes e uma porção de pistilos marrons, repletos de tricomas, e desfocados alguns desses que aparecem no primeiro plano, em fundo escuro. Imagem: THCamera Cannabis Art.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!