Extratores de cannabis estão explorando opções de correção de THC além da cromatografia

jaleco oleo laboratorio Extratores de cannabis estão explorando opções de correção de THC além da cromatografia

As empresas de extração estão experimentando maneiras melhores de usar luz, calor e pressão para acelerar a forma como o THC se degrada em CBN. Saiba mais com as informações do MJBizDaily

Um é rápido, mas caro. O outro é econômico, mas lento — e difícil de acertar.

Extratores que buscam isolar certos canabinoides há muito confiam na cromatografia para aumentar ou diminuir os muitos canabinoides na maconha e no cânhamo.

site sb Extratores de cannabis estão explorando opções de correção de THC além da cromatografia

Mas uma técnica antes ridicularizada como marca de um produto inferior — a degradação — está recebendo nova atenção.

Os extratores de cannabis estão experimentando maneiras melhores de usar luz, calor e pressão para acelerar a forma como o THC (tetraidrocanabinol) se degrada em CBN (canabinol), um canabinoide menor que desperta interesse por seu potencial terapêutico.

Há muito considerado um resíduo indesejado da cannabis “velha”, o CBN é criado quando o THC-A é exposto à luz ou oxidado.

Alguns fabricantes de produtos de cannabis dizem que o THC degradado tem benefícios para o sono e anti-inflamatórios que valem a pena explorar.

No Extract Labs em Boulder, Colorado (EUA), uma equipe de estudantes universitários de engenharia está passando o semestre experimentando técnicas de degradação. O objetivo é acelerar a degradação do THC para criar um destilado rico em CBD, mas também em CBN.

“Leva meses ou anos se você deixar a natureza seguir seu curso”, disse Craig Henderson, CEO da Extract Labs. “Estamos tentando descobrir maneiras de fazer isso em dias”.

Leia também: Apesar da agitação em torno do delta-8, cultivo para canabinoides é dominado por CBD e CBG

Economia impulsiona inovações

Os extratores de cânhamo estão especialmente interessados ​​em métodos de degradação para remover o THC.

Em vez de usar grandes quantidades de solvente químico para remover o THC que deve ser descartado, a degradação oferece um caminho para manter mais CBD e terpenos intactos e substituir o conteúdo de THC por um canabinoide secundário não inebriante e valioso.

“É definitivamente mais econômico degradar do que passar por cromatografia”, disse Alex Goff, diretor de operações da Gemini Extraction em Erie, Colorado.

“A cromatografia tem problemas com perda de massa e solvente caro. A degradação leva mais tempo do que a cromatografia, mas em uma base de custo líquido, a economia é significativa”.

Deepank Utkhede, diretor de operações da Vantage Hemp em Greeley, Colorado, disse que a diferença de preço torna a degradação impossível de ignorar.

“Com a cromatografia, você está pegando (cannabis) e colocando-a em uma coluna de cromatografia e usando uma grande quantidade de solvente”, disse Utkhede.

Então você tem que remover esse solvente e, em seguida, fazer um processo de secagem para remover quaisquer solventes residuais.

Com o caminho da degradação, você basicamente pega aquele material, mistura e aquece e aplica um leve vácuo, e é tudo o que você faz. Não há etapa de secagem. Não há etapa de remoção de solvente”.

Condições ideais de descarboxilação para maximizar o THC e o CBD, segundo estudo

Não para todos

Apesar dos benefícios da degradação, ninguém está descartando a extração por cromatografia.

Isso por que a velocidade da cromatografia a torna necessária para a produção em larga escala.

A obscuridade legal do CBN é outro ponto a favor da cromatografia.

Alguns países, como o Reino Unido, proíbem expressamente o CBN.

Os Estados Unidos legalizaram o cânhamo e seus subprodutos, mas também afirmam que o THC — mesmo que venha do cânhamo — é uma substância controlada, potencialmente tornando o CBN um “análogo” ilícito do THC.

Tal como acontece com o delta-8-THC, a confusão sobre a legalidade do CBN nos EUA não foi totalmente examinada no tribunal. É o suficiente para alguns clientes de CBD quererem até mesmo o THC degradado removido do produto.

Leia mais – Delta-8: o THC que é legal nos Estados Unidos

“A cromatografia nos permite realmente remover o THC, o que é benéfico para os mercados internacionais”, disse Arthur Jaffee, executivo-chefe da ECS Brands em Boulder, Colorado.

Particularmente no Reino Unido, o CBN é classificado, categorizado e tratado da mesma forma que o THC. Portanto, você não pode vender nada com a CBN internacionalmente.”

Na River Organics em Gloucester, Virgínia (EUA), os clientes domésticos também clamam por produtos sem THC, embora a empresa ainda esteja trabalhando em maneiras orgânicas de remover todo o THC de seus extratos, disse o gerente de operações Ryan Cross.

“Nosso objetivo é usar a correção para ser capaz de fornecer aos nossos clientes produtos que atendam às suas crenças pessoais em torno do THC ou aos seus requisitos de trabalho que simplesmente não o tornam compatível”, disse Cross.

Ainda assim, o custo da cromatografia faz Cross parar.

“A indústria de CBD está em transição da cromatografia”, disse ele. “O mercado de destilados e isolados de CBD diminuiu drasticamente desde que se tornaram legais…

Portanto, o custo é realmente o fator que impulsiona a lucratividade desta indústria”.

Os clientes decidirão

Os extratores dizem que os usuários finais dos extratos de cannabis determinarão, em última instância, como a degradação ou remediação comum do THC por meio de cromatografia será usada.

Utkhede disse que os mercados dos EUA e internacionais estão indo em direções diferentes.

“Existem duas categorias do que as pessoas procuram”, disse ele. “Existem pessoas que estão interessadas no óleo de espectro total e, para os mercados norte-americanos, elas estão mais interessadas em estar em conformidade com o THC. Então, basicamente ficando esse nível de THC abaixo de 0,3%. Mas elas também querem o efeito entourage e alguns dos terpenos”.

“Mas se você está procurando uma expansão mais global, como Europa, Brasil ou América Latina, essas jurisdições não estão procurando conformidade, estão procurando THC não detectável.”

Do outro lado, estão os clientes que procuram quantidades cada vez maiores de canabinoides menores e caros.

“Nossos clientes querem óleo com mais (canabinoides) menores, digamos 10% a 20% de menores”, disse Goff. “E como o CBN é tão caro, é bom ser capaz de converter THC em CBN e depois gastar menos dinheiro em um isolado de CBN”.

Leia também:

Empresa melhora estrutura de partícula infundida com canabinoides de creme para maior biodisponibilidade

#PraCegoVer: foto que mostra parte de corpo de uma pessoa de jaleco branco que pinga o óleo de uma pipeta em um tubo, atrás de uma mesa branca onde estão um frasco de óleo e porções de sementes e buds secos de cannabis. Imagem: jcomp | Freepik.

smokebuddies logo2 Extratores de cannabis estão explorando opções de correção de THC além da cromatografia

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!