Expocannabis 2019: veja dez destaques da última edição do evento

1 Expocannabis 2019: veja dez destaques da última edição do evento

Quem foi diz que vai voltar. Quem ficou queria ter ido – e promete estar lá no ano que vem. Com a proposta de oferecer uma “experiência do futuro”, a Expocannabis Uruguay se consagrou, no último fim de semana, como referência para o trade – e público – canábico da América Latina

Espaço renovado, com área externa ampliada, organização e atendimento elogiados, plantas exuberantes, free dabs e opções etílico-gastronômicas para todos os gostos. A sexta edição da Expocannabis Uruguay, que rolou no último fim de semana, parece ter superado as expectativas de visitantes e expositores que desembarcaram em Montevidéu para três dias dedicados à maconha.

Com forte representatividade brasileira, tanto de público como de empresas, a feira que reuniu especialistas, legisladores, organizações e consumidores da erva se destacou por alguns aspectos, como a melhoria da estrutura física, em um novo pavilhão no LATU, a ampliação do espaço externo e uma junção de fatores que permitiu uma rica troca cultural em clima de liberdade.

Listamos, a seguir, dez destaques, com as opiniões de visitantes e expositores brasileiros, que fazem valer a ida à Expocannabis a cada dezembro – dez motivos que te farão organizar as próximas férias para a capital uruguaia a partir de já.

Plantas exuberantes

A experiência de uma feira de cannabis em um país legalizado não poderia deixar de fora as plantas que, na visão do ativista canábico e influenciador WeedLover, receberam o merecido tratamento especial. “O que me impressionou  de início foram as plantas, tão grandes, tão exuberantes, sendo cuidadas, tendo uma pessoa que cuidasse para tirar foto“, explica ele, que esteve nas 2 edições anteriores da Expocannabis, e é um dos que já projeta expectativas para 2020. “Espero que ano que vem seja o dobro da impressão boa que eu fiquei este ano”.

Artistas brasileiras

A representatividade do Brasil na Expocannabis não se resumiu apenas ao público ou às marcas presentes, mas se estendeu para iniciativas que transcendem ambos – como a da Rede Mulheres Cannábicas, de Brasília (DF), que preencheu de arte os corredores do renovado espaço da feira com um acervo de mais de 100 obras de artistas brasileiras relacionadas à ganja, segundo reportagem do Metrópoles.

Organização e atendimento de ponta

Um detalhe que não escapou da avaliação de quem esteve no evento foi a qualidade da organização, tanto no possível suporte aos expositores como no credenciamento de imprensa ou no atendimento geral ao público. “É bem organizado”, conta o sócio da Puff Life Felipe Andrade, que não é expositor de primeira viagem na Expocannabis e definiu a diferença desta edição como: “mais espaço, mais estandes, um espaço de show mais legal, a estrutura em si melhorou bastante”.

Sensação de liberdade

É algo único, uma sensação de liberdade absurda” conta Vitor Buchala, que esteve na feira como visitante pela primeira vez este ano. Talvez pela fumaça que pairava sobre o centro de eventos, talvez pela inspiração de um rolê não apenas legalizado, mas dedicado à maconha, o fato é que a legalização deu um tom especial àquela “grande confraternização de amigos, trabalho e ativismo”, nas palavras do artista gráfico Antonio Zanon, que também estreou sua participação no evento.

Para todos os gostos…

As opções de laricas, comes e bebes eram tão fartas quanto as flores e dabs que rolavam fora do pavilhão. Com “vários estandes com degustações de cervejas, extrações e tudo mais”, segundo Vitor, e “comida impecável, para todos os gostos”, na opinião de Weed Lover; a área externa ampliada elevou as opções de lazer e gastronomia (incluindo vegetariana) do evento. 

…Aromas, sabores e efeitos

A ampliação do espaço aberto da feira permitiu que marcas ampliassem também suas ações: a Squadafum, por exemplo, ofereceu, em parceria com a Rosin Tech, free dabs no estande externo a todos os visitantes, durante os três dias de evento – um volume de ganja, entre flor, trim e kief, não mensurado pela marca brasileira.

“Dentro do pavilhão, a gente estava espremendo as plantas, ao vivo, e fora a gente fez free dab. A maior fila da área externa era do nosso estande”, conta Jarrão, da Squadafum.

Orgulho nacional

A força do empreendedorismo nacional, mesmo em um contexto tão adverso, em terras internacionais é motivo de orgulho para muitos consumidores que viram, lá fora, as marcas de casa. “O engajamento das empresas em melhorar o mercado e passar mais novidades foi muito bom“, comenta BudMonster, que praticamente fez um bate-volta a Montevidéu para estar na Expocannabis deste ano. “O maior destaque foi ver marcas brasileiras tomando um grande espaço da feira, com grande estilo, como as demais”, completa Vitor.

Trocas 

Para Antonio Zanon, cujo ativismo e foco profissional foram as prioridades que o levaram do Rio de Janeiro a Montevidéu, a Expocannabis permitiu a ele justamente isso. “Fiz contatos e costurei alianças para uma iniciativa de culpabilização da OMS e da ONU por anos de uma mentira consciente”, conta Zanon, que também vendeu seu trabalho no evento.

A imagem da ganja

“No meu modo de ver, tudo foi muito trabalhado para dar a entender que a ganja, além de ser um mercado medicinal, terapêutico, também existe um potencial de mercado econômico muito grande ligado a tudo que está acontecendo agora no mundo”, explica WeedLover, comentando sobre a potência de um mercado auxiliar de produção, plantio e consumo da erva, em diversas formas, mostrado, em suas várias facetas, pelo evento.

Roda de mulheres

Uma das atrações antecipadas pela co-fundadora da Expocannabis, Mercedes Ponce de León, em sua vinda a São Paulo, como especialmente cara a ela, foi a roda de lideranças femininas, que incluiu a ministra da Educação do Uruguai e se estendeu a vários países, como Argentina, México, Chile e Brasil – representada pela presidente da ACuCa-SP, Keka Ritchie.

View this post on Instagram

#Repost @cannatrip_uy • • • • • • Una #rondademujeresydrogas en #expocannabisuruguay con la presencia de grandes mujeres líderes como la #ministradeeducaciondeuruguay con su aporte tan importante y apertura a la escucha igual. Convocó @mercedespdleon con una visión amena de compartir y conocernos. Una #plantadecannabis en el centro filtrando la energía maravillosa de observarla, reconociendo sus amplios beneficios , trayendo a tema diversas mujeres y hombres representantes de movimientos en #brasil #argentina #mexico #chile y #uruguay con gran disposición a un aporte inclusivo y #antiprohibicionistas necesario del mundo de hoy . #cannatrip_uy va acompañando el proceso con mucha atención para generar y aportar más fuerza en estas oportunidades de seguir tejiendo redes. Muy agradecidxs. #cannabis #cannabismedicinal #tourcannabico #expocannabisuruguay #cannabiscuture #cannabiscomunity #maconha #maconheiros #maconhabr #maconhabrasil #maconhamedicinal #cannabishoy #cannabisfriendly

A post shared by Associação Cultural Cannábica (@acucasp) on

Atmosfera contagiante

“A energia, união e vontade de estar ali, de toda aquela galera, era contagiante. Mágico”, descreve, por fim, BudMonster a experiência de ficar três dias imerso no universo da maconha, cercado de pessoas, grupos, especialistas e empresas que compartilham da mesma admiração pela planta.

Leia também: 

Expocannabis: 6ª edição traz experiência do futuro para a indústria canábica

#PraCegoVer: fotografia (de capa) que mostra o banner oficial da entrada da Expocannabis Uruguay 2019, com o desenho das folhas de uma muda de maconha acima do nome do evento, e parte da rua, ao fundo, nas laterais. Imagem: Vitor Buchala.

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário