EUA: pesquisa mostra mudança no consumo de cannabis na pandemia

seda maos EUA: pesquisa mostra mudança no consumo de cannabis na pandemia

Uma nova pesquisa conduzida pela The Harris Poll concluiu que 42% dos adultos com mais de 21 anos nos EUA que alguma vez consumiram maconha começou ou aumentou o seu consumo desde o início da pandemia. As informações são da Curaleaf, com tradução pela Smoke Buddies

De acordo com a pesquisa, conduzida on-line em outubro de 2020 entre quase 2.000 adultos estadunidenses com mais de 21 anos, os principais motivos pelos quais muitos optaram por iniciar ou aumentar seu consumo de cannabis desde o início da pandemia incluem:

  • para reduzir o estresse e a ansiedade [54%; mulheres (64%) e homens (47%)];
  • relaxar [50%; mulheres (50%) e homens (49%)];
  • para ajudar a dormir [48%; mulheres (52%) e homens (45%)].

Essa mudança nos hábitos se estende aos pais de crianças menores de 18 anos. Na verdade, mais da metade (52%) dos pais que já consumiram cannabis dizem que começaram ou aumentaram seu consumo desde o início da pandemia, em comparação com 33% daqueles que não são pais de crianças menores de 18 anos. Essas mães e pais de crianças menores de 18 anos também são mais propensos a consumir cannabis principalmente para uso medicinal (58% contra 44%).

site sb EUA: pesquisa mostra mudança no consumo de cannabis na pandemia

Leia também: Agência antidrogas emite regra para licenciar mais produtores de maconha para pesquisa

A pesquisa também descobriu que mais da metade (57%) dos pais com filhos menores de 18 anos que já consumiram cannabis reduziu ou substituiu o consumo de álcool por cannabis desde o início da pandemia. No geral, entre os consumidores adultos de cannabis com mais de 21 anos, 45% dizem que reduziram ou substituíram seu consumo de álcool por cannabis, e um terço (33%) daqueles que consomem cannabis para uso adulto dizem que preferem cannabis ao álcool.

“Educar os consumidores sobre o consumo de cannabis é muito importante”, disse Stacia Woodcock, PharmD e gerente de dispensário da Curaleaf em Nova York. “Os farmacêuticos da Curaleaf e associados de dispensários comprometidos têm como prioridade educar nossos pacientes e consumidores e ajudá-los a encontrar os produtos certos para tornar a maconha parte de suas vidas”.

 

 

Os resultados da pesquisa aparecem no momento em que a indústria da cannabis continua a evoluir para um papel cada vez mais dominante na sociedade. Governadores de todo os EUA designaram a indústria como um “serviço essencial” durante a pandemia, reconhecendo o importante papel que a cannabis desempenha atendendo às necessidades de saúde e bem-estar dos consumidores. Em novembro, eleitores de cinco estados aprovaram medidas eleitorais que expandem o acesso à maconha. A cannabis medicinal estará disponível em 36 estados e para uso adulto em 15 estados e em Washington D.C..

“Desde o início da pandemia, vimos um aumento no número de novos consumidores em nossos dispensários, com mais pessoas explorando a maconha”, disse Joe Bayern, presidente da Curaleaf. “A liberalização da planta — e a crescente diversidade entre os consumidores que a apreciam — continuará à medida que o público em geral se torna mais interessado em incorporar a cannabis em suas rotinas de saúde e bem-estar.”

A pesquisa também encontrou semelhanças no consumo de cannabis, independentemente do nível educacional ou estado civil, e em diferentes regiões do país.

Leia também:

Fim da guerra às drogas: EUA e México têm a oportunidade de encontrar um novo caminho

#PraCegoVer: fotografia (de capa) que mostra as mãos de uma pessoa segurando pelas pontas uma seda sobre a qual se encontra uma porção de maconha natural. Imagem: Dejusticia.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!