EUA é responsável pela proibição da cannabis que levou à suspensão de Richardson, diz Wada

seda bandeira eua flores EUA é responsável pela proibição da cannabis que levou à suspensão de Richardson, diz Wada

A Agência Mundial Antidoping afirmou em carta que os EUA, ao longo de quase duas décadas, têm defendido consistentemente que os canabinoides sejam incluídos na Lista Proibida. As informações são do Marijuana Moment

A Agência Mundial Antidoping (WADA) está deixando claro que os EUA desempenharam um papel fundamental para a classificação da maconha na lista de substâncias proibidas para atletas internacionais — e ainda tem um lugar à mesa se quiser uma mudança de política.

Em uma carta aos representantes democratas Jamie Raskin e Alexandria Ocasio-Cortez — que recentemente entraram em contato com a WADA sobre a suspensão da corredora americana Sha’Carri Richardson devido a um teste positivo de cannabis — a organização global falou sobre o motivo pelo qual a maconha foi incluída na lista de substâncias proibidas em primeiro lugar e explicou por que não poderia reverter unilateralmente a punição.

gravital sb EUA é responsável pela proibição da cannabis que levou à suspensão de Richardson, diz Wada

Embora a WADA revise e atualize consistentemente a lista de drogas proibidas, ela disse que as decisões são tomadas com base no consenso entre os representantes dos governos participantes. Ela enfatizou que “em nenhum momento, desde que a primeira Lista Proibida foi publicada em 2004, a WADA recebeu qualquer objeção das partes interessadas dos EUA em relação à inclusão de canabinoides na Lista Proibida”.

“Pelo contrário, como foi relatado por alguns meios de comunicação, os Estados Unidos têm sido um dos maiores e mais fortes defensores da inclusão de canabinoides na Lista Proibida”, disse a carta de Witold Banka, presidente da WADA. “As atas das reuniões e as apresentações escritas recebidas dos EUA ao longo de quase duas décadas, em particular da Agência Antidoping dos EUA (USADA), têm defendido consistentemente que os canabinoides sejam incluídos na Lista Proibida”.

Esse ponto também foi levantado pelo primeiro presidente da WADA, Richard Pound, em uma entrevista recente ao Marijuana Moment.

Os EUA foram os líderes ao dizer — e este foi o Escritório de Política Nacional de Controle de Drogas (ONDCP) dizendo isso — ’em nossa opinião, a maconha é a droga de entrada. Se você pode impedir as pessoas de usarem maconha, elas não passam para cocaína e heroína e algumas das outras variações químicas dessas coisas’”, disse ele.

 

 

 

Leia também: Orgias, satanás e insanidade permanente: a propaganda antimaconha dos anos 1930

Na nova carta, a WADA escreveu que “o processo consultivo em vigor permite modificações na Lista Proibida e no Código, anualmente”.

“Na verdade, ao longo do tempo, como sua carta reconhece, várias dessas mudanças ocorreram e não há nada que impeça mudanças adicionais consistentes com o processo que descrevi”, continuou.

Parte do processo consultivo é baseado nas recomendações do Grupo Consultivo de Especialistas da Lista Proibida da WADA. A carta enfatiza que os EUA estão sobrerrepresentados nesse órgão, com três de seus 12 assentos — ”incluindo um funcionário com mais de duas décadas de experiência nos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA”. O país também “teve maior representação” no Comitê de Saúde, Medicina e Pesquisa (HMR) da WADA “do que qualquer outra nação”.

“Embora os Estados Unidos não sirvam atualmente no Comitê Executivo da WADA, eles representaram sua região de 42 nações mais do que qualquer outra nação na história da WADA (sete anos)”, continua. “Um fato importante para o Congresso dos EUA saber sobre esse processo é que há mais representantes dos Estados Unidos assessorando a WADA sobre essas questões científicas do que de qualquer outra nação do mundo. Essas decisões não são tomadas no vácuo.”

Em outras palavras, as críticas dos estadunidenses sobre a proibição da maconha não deveriam ter como alvo apenas a WADA, mas deveriam levar em conta o fato de que os próprios EUA têm uma responsabilidade significativa por estabelecer e manter a proibição global.

A carta afirma ainda que, embora a WADA simpatize “com as circunstâncias deste caso” e aplauda “a responsabilidade da Sra. Richardson por aceitar que as regras estão em vigor para atletas em todo o mundo, a WADA simplesmente desempenha um papel de coordenação no desenvolvimento e publicação da Lista Proibida”.

“Como você observou corretamente em sua carta, o teste da Sra. Richardson e sua suspensão resultante foram administrados e julgados pela USADA. A WADA não é parte nesse assunto em particular e, portanto, simplesmente não está em posição de anular os resultados do teste da Sra. Richardson em Oregon, a suspensão de 30 dias imposta pela USADA, nem as decisões da USA Track and Field em relação à sua participação na Olimpíada de Tóquio.”

Cientista explica por que a maconha não deve ser proibida para atletas

Separadamente, a USADA também respondeu à carta de Raskin e Ocasio-Cortez na semana passada. Afirmou que as regras sobre a maconha para atletas internacionais “devem mudar”.

A USADA já havia expressado simpatia na semana passada por Richardson e indicou que pode ser hora de uma reavaliação da proibição da maconha — mas a última declaração pede explicitamente uma mudança na política.

Enquanto isso, o ONDCP da Casa Branca também está trabalhando para garantir uma reunião com a WADA sobre as políticas de cannabis no cenário esportivo internacional. O Financial Times informou na sexta-feira que a administração Biden pretende discutir questões “incluindo o prazo para o teste e a base para a consideração da cannabis como uma droga para melhorar o desempenho”.

Enquanto a WADA indicou que os EUA não protestaram fortemente contra a inclusão da maconha na lista de substâncias proibidas e historicamente defenderam tal inclusão, a USADA disse em sua carta que “defendeu ainda mais mudanças e continuará a advogar por mudanças no futuro”.

Banka disse em sua nova resposta em nome da WADA que estava encaminhando a carta do congresso a vários comitês de tomada de decisão internos da WADA e “solicitou que suas preocupações fossem examinadas especificamente durante a revisão em andamento da
Lista Proibida”.

A organização observou que a USADA alterou sua política de maconha para lutas profissionais nacionais que não estão sujeitas às regras da WADA.

Na semana passada, os reguladores esportivos do estado de Nevada votaram para que os atletas não sejam mais penalizados por causa de um teste positivo de maconha, com os membros citando o caso de Richardson durante a reunião como um exemplo de por que a política é inadequada.

Leia: Defensores dizem que o THC não melhora o desempenho esportivo. Então, por que é proibido?

O USA Track & Field também disse na semana passada que a política internacional sobre punições por cannabis para atletas “deve ser reavaliada”.

Após a carta de Ocasio-Cortz e Raskin, um grupo separado de legisladores também enviou uma carta à USADA na sexta-feira para pedir uma mudança de política.

“Acreditamos que a cannabis não atende à descrição de risco ou dano cientificamente comprovado para o atleta”, escreveram os 18 legisladores, “e a USADA está perpetuando estereótipos e retórica alimentada pela racista Guerra às Drogas, ao alegar que sua utilização, em uso privado e fora da competição, viola o ‘espírito do esporte’”.

Os defensores têm abraçado amplamente as reformas internas da política de maconha em outras grandes organizações esportivas profissionais, argumentando que elas já deveriam ter acontecido há muito tempo, especialmente devido ao movimento de legalização em constante expansão.

A política de exames toxicológicos da NFL (liga de futebol americano dos EUA) mudou manifestamente no ano passado como parte de um acordo coletivo de trabalho, por exemplo. Segundo a política, os jogadores da NFL não enfrentarão a possibilidade de serem suspensos dos jogos por causa de testes positivos para qualquer droga — não apenas maconha.

Na mesma linha, a MLB (liga estadunidense de beisebol) decidiu em 2019 remover a cannabis de sua lista de substâncias proibidas. Jogadores de beisebol nos EUA podem consumir maconha sem risco de disciplina, mas as autoridades esclareceram no ano passado que eles não podem trabalhar sob influência e não podem celebrar contratos de patrocínio com empresas de maconha, pelo menos por enquanto.

Enquanto isso, uma política temporária da NBA de não realizar testes de drogas aleatoriamente em jogadores para maconha em meio à pandemia de coronavírus pode em breve se tornar permanente, disse o principal oficial da liga em dezembro. Em vez de exigir testes gerais, o comissário Adam Silver disse que a liga estaria alcançando jogadores que mostrassem sinais de dependência problemática, não aqueles que estão “usando maconha casualmente”.

Vale a pena destacar, uma nova pesquisa do YouGov descobriu que as mulheres são notavelmente mais propensas a se opor à suspensão de Richardson do que os homens.

Leia mais:

Quase meio século depois, “mártir da maconha” vê esperança na legalização

#PraTodosVerem: fotografia de uma seda com as cores da bandeira dos EUA contendo maconha triturada, junto a uma porção de buds, sobre uma superfície preta.

smokebuddies logo2 EUA é responsável pela proibição da cannabis que levou à suspensão de Richardson, diz Wada

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!