Estudo sugere que as mulheres precisam de menos THC para obter os mesmos efeitos

baseado maos mulher Estudo sugere que as mulheres precisam de menos THC para obter os mesmos efeitos

Pesquisadores canadenses descobriram que, apesar de fumarem menos do baseado, as mulheres obtêm os mesmos efeitos que os homens. As informações foram traduzidas pela Smoke Buddies da PsyPost

As mulheres tendem a experimentar os mesmos efeitos agudos da cannabis que os homens em uma dose mais baixa de THC, de acordo com uma nova pesquisa publicada na Psychopharmacology,  que procurou imitar as práticas de fumar do mundo real.

“Sabemos pelos dados da pesquisa populacional que os homens têm maior probabilidade de usar cannabis do que as mulheres, mas parece que as mulheres experienciam danos mais graves relacionados à cannabis“, disse o autor do estudo Justin Matheson, candidato a PhD na Universidade de Toronto.

lazy placeholder Estudo sugere que as mulheres precisam de menos THC para obter os mesmos efeitos

“Pesquisas em animais sugerem que isso ocorre por que as fêmeas são mais sensíveis aos efeitos do THC, o principal composto psicoativo da cannabis, e que isso pode ser devido a diferenças na maneira como o THC é metabolizado nas fêmeas. No entanto, existem relativamente poucas evidências laboratoriais humanas para sugerir diferenças entre os sexos nos efeitos agudos do THC.”

No estudo duplo-cego, 91 usuários saudáveis ​​de cannabis fumaram um único cigarro de maconha (12,5% de THC ou placebo) antes de concluir escalas de efeitos subjetivos e testes cognitivos. Os pesquisadores também monitoraram seus sinais vitais, como pressão arterial e temperatura corporal. Os participantes usaram cannabis cerca de 1 a 4 vezes por semana e tinham de 19 a 25 anos de idade.

Os pesquisadores descobriram que as participantes do sexo feminino tendiam a fumar por tanto tempo quanto os homens. No entanto, as mulheres tendiam a fumar menos do cigarro de cannabis.

Apesar das diferenças no consumo de cannabis, não houve diferenças no pico de efeitos subjetivos da droga, humor ou efeitos cognitivos entre homens e mulheres.

Leia mais: Estudo revela diferenças nos efeitos do uso de maconha entre mulheres e homens

Descobrimos que as mulheres fumavam menos do baseado, tinham níveis mais baixos de THC no sangue, mas experimentavam os mesmos efeitos agudos que os homens. Então, acho que a principal vantagem é que as mulheres podem precisar de uma dose menor de THC para obter o mesmo grau de intoxicação que os homens”, explicou Matheson.

“O que quero enfatizar aqui é que, em nosso estudo, os participantes conseguiram fumar a quantidade de cannabis que desejavam. Quando os participantes fumam até o máximo desejado, chamamos isso de ‘titulação do efeito’. A titulação do efeito é possível quando se fuma cannabis por que a entrega de THC ao cérebro é muito rápida por essa via de administração, e os usuários podem sentir a ‘alta’ enquanto ainda estão fumando.”

“No entanto, com outros produtos de cannabis, como comestíveis ou bebidas, com um início de ação atrasado, não é possível titular o efeito. Nesses casos, as mulheres provavelmente correm maior risco de sofrer danos agudos”, disse Matheson à PsyPost.

Como todas as pesquisas, o estudo inclui algumas limitações.

A principal ressalva aqui é que consideramos o sexo como uma variável biológica binária (masculino versus feminino) e não tínhamos medida de gênero. O sexo é uma construção biológica que representa coisas como cromossomos sexuais, hormônios, anatomia e fisiologia, enquanto o gênero é uma construção social e cultural que representa coisas como a nossa identidade de gênero (masculino, feminino ou gênero diverso) e as expectativas de que nossas sociedades têm para nós com base nessas identidades”, disse Matheson.

Estudos como o nosso representam o primeiro passo para observar que existem diferenças entre os sexos nos efeitos agudos da cannabis. Mas o próximo passo é ver por que esse é o caso, e a resposta provavelmente envolve sexo e gênero. Por exemplo, há evidências de que o estrogênio (um hormônio sexual) influencia o metabolismo do THC, o que poderia explicar algumas das diferenças sexuais no metabolismo do THC que vemos. Mas também sabemos que a identidade de gênero influencia o comportamento de consumo de drogas, o que pode estar relacionado ao motivo pelo qual vimos que as mulheres fumavam menos do baseado”.

“Algo importante que acho que muitas pessoas não sabem é que mulheres e animais foram excluídos da pesquisa biomédica por grande parte da história da ciência. Como resultado, nossa compreensão da saúde e da doença humana é tendenciosa em relação aos homens. Felizmente, a maioria das grandes agências de fomento adotou políticas que exigem que as mulheres sejam incluídas na pesquisa, e espero que, como comunidade científica, possamos melhorar ainda mais essas políticas para incorporar medidas mais abrangentes de sexo e gênero”, acrescentou Matheson.

O estudo, “Diferenças entre os sexos nos efeitos agudos da cannabis fumada: evidências de um estudo em laboratório com adultos jovens”, foi de autoria de Justin Matheson, Beth Sproule, Patricia Di Ciano, Andrew Fares, Bernard Le Foll, Robert E. Mann e Bruna Brands.

Leia também:

Concentrados de cannabis aumentam os níveis de THC, mas não a onda, segundo estudo

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em vista superior que mostra as duas mãos de uma mulher (detalhe para um anel no indicador direito) fechando um baseado e, ao fundo desfocado, o que parece ser um dichavador, próximo a outros objetos, em uma superfície branca. Foto: Thought Catalog | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!