Estudo sugere DMT, psicodélico da ayahuasca, para recuperação de AVC

psychotria viridis Estudo sugere DMT, psicodélico da ayahuasca, para recuperação de AVC

Teste pré-clínico feito por cientistas húngaros para investigar o potencial da dimetiltriptamina no tratamento do acidente vascular cerebral está sendo levado para a fase clínica por empresas canadenses. As informações são da Virada Psicodélica

O campo de aplicações terapêuticas aberto pela renascença psicodélica se amplia para incluir acidentes vasculares cerebrais (AVCs) e dores crônicas, além de transtornos como depressão, estresse pós-traumático ou dependência química. E na vanguarda está a dimetiltriptamina (DMT), substância psicoativa presente na ayahuasca.

O teste foi feito em ratos para investigar o potencial da DMT no tratamento do AVC isquêmico, quando se interrompe o fluxo de sangue a uma parte do cérebro e os neurônios afetados morrem por falta de oxigênio. O estudo de pesquisadores húngaros saiu em maio no periódico Experimental Neurology, e empresas já se mexem para levar a ideia a testes clínicos em seres humanos.

gravital Estudo sugere DMT, psicodélico da ayahuasca, para recuperação de AVC

Além do AVC isquêmico, que representa 80-85% dos casos no Brasil, existe o AVC hemorrágico, quando uma lesão ou rompimento de artéria provoca o extravasamento de sangue para o tecido cerebral, também conhecido como derrame. A soma dos dois tipos constitui a segunda causa de mortalidade no país, com mais de 100 mil óbitos anuais.

Saiu na frente a empresa canadense Algernon Pharmaceuticals, que lançou um programa de pesquisa e apresentou pedidos de patente para AVC. Sua estratégia se baseia na capacidade do composto DMT de estimular novas sinapses e neurônios (neuroplasticidade), importante na recuperação motora de pacientes.

Leia mais: Psiconautas temem explosão de interesse do mercado por drogas ilícitas

A neuroplasticidade, entretanto, é o componente mais frágil da evidência obtida até agora. Parecem estar em ação também outros mecanismos biológicos, como a regulação pelo receptor sigma-1 (Sig-1R) do processo que leva à morte de neurônios na falta de oxigênio (hipóxia). Ou, ainda, o efeito anti-inflamatório da DMT, já comprovado por pesquisadores brasileiros no caso da ayahuasca.

Acesse Pufflife.com.br

Em paralelo, a também canadense PharmaDrug, que tem subsidiárias na área de cânabis medicinal na Alemanha e em Israel, apresentou à FDA, agência americana de fármacos, pedido de reconhecimento da DMT como “droga órfã” para tratar AVCs isquêmicos. O status especial pode ser concedido a remédios sob investigação para doenças que acometam menos de 200 mil pessoas nos EUA.

Esse reconhecimento pela FDA implica incentivos para arriscar-se na pesquisa, como o perdão de até US$ 2,4 milhões (R$ 13 milhões) em taxas para obter licença. Saindo a autorização, quem desenvolveu o tratamento ganha sete anos de exclusividade para comercializá-lo. Nos EUA, os gastos com AVC isquêmico alcançaram US$ 46 bilhões (R$ 250 bilhões) nos anos 2014-15.

No experimento com ratos, a neuroplasticidade não foi inferida diretamente, por exemplo, com a identificação de novos neurônios ou conexões entre eles. Os cientistas húngaros só mediram um composto associado com novas ligações neurais, o BDNF (brain-derived neurotrophic factor, fator neurotrófico derivado do cérebro).

Leia: Maconha melhora alguns fatores de risco de ataque cardíaco, mas pode ser prejudicial para pacientes cardíacos

Eles também mostraram, com testes comportamentais, que os roedores isquêmicos tratados com DMT tiveram melhor recuperação motora. Isso não prova, porém, que a causa da melhora foram novas conexões induzidas pela DMT.

“A expectativa para uso terapêutico da DMT no AVC estaria em seu efeito antiapoptótico, através do Sig-1R [receptor envolvido na regulagem da morte celular], para evitar a perda de neurônios pela falta de oxigênio, ou hipóxia”, comenta Stevens Rehen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor).

Rehen pesquisa efeitos de psicodélicos, inclusive compostos da ayahuasca, sobre tecidos cerebrais. “Reduzir fatores inflamatórios e aumentar o BDNF podem sim ajudar na reabilitação, através de neuroplasticidade, mas nesse caso seria importante um estudo desenhado para esse fim específico”, pondera.

Nicole Galvão-Coelho, fisiologista da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), hoje terminando um pós-doutorado na Universidade de Western Sydney (Austrália), vê bom potencial na DMT para recuperação de AVC isquêmico. Ela tem investigado tanto o BDNF quanto o benefício da ayahuasca contra inflamação.

A pesquisadora aponta que, mesmo sem essa comprovação direta de neurogênese (formação de neurônios, não só de sinapses), o progresso motor no teste comportamental é um indício alentador. Em sua opinião, os psicodélicos estão em vias de se mostrar úteis também no tratamento de dores crônicas, como no caso de artrite.

Com efeito, já estão em curso estudos para tratar enxaquecas, por exemplo, com psilocibina, substância psicoativa dos “cogumelos mágicos”, do gênero psilocybe. E, no Reino Unido, a empresa Beckley PsyTech obteve aprovação para testes clínicos do mesmo composto contra um tipo raro e incapacitante de dor de cabeça conhecida pela sigla SUNHA (short-lasting unilateral neuralgiform headache attacks), uma das cefaleias que envolvem o nervo trigêmeo.

Leia também:

Chá de ayahuasca estimula a formação de novos neurônios, segundo estudo

#PraCegoVer: fotografia de uma planta de chacrona que mostra um ramo com frutos verdes, amarelos e vermelhos e sua folhagem. Foto: Cahuinadencul | Flickr.

smokebuddies logo2 Estudo sugere DMT, psicodélico da ayahuasca, para recuperação de AVC

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!