Estudo revela que ligação entre canabinoides e aprendizagem não é neural

cerebro folha Estudo revela que ligação entre canabinoides e aprendizagem não é neural

Cientistas portuguesas descobriram que a influência dos canabinoides na aprendizagem se dá pela alteração do estado comportamental e não por efeitos diretos na plasticidade neural do cérebro. As informações são do EurekAlert!

Os canabinoides têm uma forte influência no funcionamento do nosso cérebro e no nosso comportamento. Muitas pessoas estão cientes apenas do aspecto recreativo (uso adulto) dos canabinoides. Mas, na verdade, essas moléculas existem naturalmente em nossos cérebros, onde participam de vários processos intrínsecos.

A sinalização canabinoide alterada, por exemplo, devido ao uso crônico de maconha, resulta em uma série de deficiências. Da mesma forma, camundongos sem receptores canabinoides apresentam níveis de atividade reduzidos, bem como déficits no aprendizado e na memória.

site sb Estudo revela que ligação entre canabinoides e aprendizagem não é neural

Como os canabinoides exercem seus efeitos na aprendizagem? Uma equipe liderada por Megan Carey, investigadora principal do Centro Champalimaud para o Desconhecido em Portugal, e Catarina Albergaria, uma pesquisadora pós-doutora no laboratório, decidiu abordar esta questão investigando os mecanismos cerebrais envolvidos numa tarefa de aprendizagem clássica denominada condicionamento de piscar de olhos (eyeblink, em inglês).

Leia mais: Como a maconha ajuda a ciência a entender o funcionamento do cérebro

O suspeito imediato

No condicionamento do piscar de olhos, os sujeitos aprendem a associar o surgimento de um estímulo sensorial, por exemplo, um flash de luz, com a aplicação subsequente de um sopro no olho. Uma vez aprendido, o sujeito — neste caso um rato — fecha os olhos quando a luz aparece para evitar o sopro. “É como o cachorro de Pavlov e o sino”, diz Albergaria.

Estudos anteriores estabeleceram que essa forma de aprendizagem ocorre em uma estrutura cerebral chamada cerebelo, e que é prejudicada pela alteração da sinalização canabinoide em humanos e camundongos. Para estudar o papel dos canabinoides na aprendizagem, a equipe usou camundongos mutantes sem receptores de canabinoides, que apresentam condicionamento do piscar de olhos prejudicado.

Além do THC e CBD: a ciência dos canabinoides e o cérebro

Por que esses ratos são deficientes? Quando começaram, os pesquisadores tinham um suspeito imediato em mente. “Muitos estudos apoiam a ideia de que os canabinoides medeiam a plasticidade neural, ou mudanças dependentes da experiência nas conexões entre os neurônios”, explica Carey. “Portanto, primeiro formulamos a hipótese de que a interferência nesse processo era o que estava causando os prejuízos no aprendizado”.

Mas, como um bom romance de mistério, o suspeito imediato acabou sendo o errado. Qual foi o verdadeiro culpado? “Num estudo que publicamos há dois anos, descobrimos que quanto mais os ratos corriam, melhor aprendiam”, explica Albergaria. A equipe começou a suspeitar que a diferença no aprendizado pode ser devido aos níveis de atividade reduzidos dos ratos mutantes.

Leia mais: A maconha não pode diminuir seu QI, segundo estudos

Destaque no estado comportamental

“Ficamos imaginando se os ratos mutantes não estavam aprendendo tão bem simplesmente por que não eram ativos o suficiente”, lembra Albergaria. Hoje no jornal eLife, a equipe relata que o estado de comportamento alterado dos mutantes é totalmente responsável por seu condicionamento de piscar de olhos. Quando os pesquisadores colocaram os ratos em uma esteira motorizada que garantiu que os mutantes andassem tanto quanto os ratos normais, os resultados foram surpreendentes: o aprendizado foi completamente restaurado.

A equipe também descobriu que outros comportamentos cerebelares, coordenação locomotora e aprendizagem, eram normais nos mutantes canabinoides. Além disso, o condicionamento do piscar de olhos estava totalmente intacto em camundongos que não tinham receptores canabinoides especificamente no cerebelo. “Esses experimentos apoiam ainda mais nossa hipótese de que a interrupção da sinalização canabinoide estava prejudicando o aprendizado ao alterar o estado comportamental, e não por meio de efeitos diretos na plasticidade neural no cerebelo”, disse Carey.

“Há um crescente corpo de evidências de que o estado comportamental influencia profundamente a função cerebral”, diz Carey. “Nosso estudo destaca a necessidade de considerar o estado comportamental como um meio independente poderoso por meio do qual os genes individuais contribuem para comportamentos complexos”.

“Fomos capazes de superar um déficit de aprendizagem associado a uma mutação genética com uma intervenção puramente comportamental”, acrescenta Albergaria, sugerindo uma consequência potencial no mundo real para essas descobertas.

Leia também:

CBD melhora o fluxo sanguíneo para partes do cérebro associadas à memória, diz estudo

#PraCegoVer: em destaque, fotografia de um modelo de cérebro humano branco e, sobre o mesmo, uma folha de maconha, em uma superfície azul-claro que se mistura ao fundo.

smokebuddies logo2 Estudo revela que ligação entre canabinoides e aprendizagem não é neural

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!