Estudo mostra que o cânhamo é geneticamente maconha em sua maior parte

infrutescencias cultivo interno Estudo mostra que o cânhamo é geneticamente maconha em sua maior parte

Pesquisa revela que as plantas de cannabis com alto teor de CBD herdam 90% de seus genes de cepas que produzem grande quantidade de THC. As informações são da Universidade de Minnesota

Depois de montar um genoma completo de uma nova raça de cannabis, os pesquisadores da Universidade de Minnesota e da Sunrise Genetics, nos EUA, descobriram que as plantas de “cânhamo” com alto teor de CBD têm um genoma principalmente de maconha.

No estudo, publicado na revista New Phytologist, os pesquisadores descobriram que as plantas com alto teor de CBD herdam cerca de 90% de seus genes da cannabis “tipo droga” (nos mesmos termos da publicação) e o restante do cânhamo. Tradicionalmente, as plantas de cannabis são divididas em duas variedades: uma cultivada para propriedades psicoativas ou inebriantes (maconha) e a outra usada para fazer produtos industriais como a fibra (cânhamo).

site sb Estudo mostra que o cânhamo é geneticamente maconha em sua maior parte

Leia mais: Não há diferença entre os efeitos das cepas de maconha indica e sativa, dizem cientistas

“Na última década, vimos um aumento na demanda por CBD e queríamos entender melhor como os breeders criaram plantas com alto teor de CBD para atender à crescente demanda”, disse o coautor do estudo George Weiblen, que é professor da Faculdade de Ciências Biológicas (CBS) e diretor de ciências do Bell Museum.

Os pesquisadores examinaram diferentes tipos de cannabis, incluindo variedades que produzem grandes quantidades de tetraidrocanabinol (THC). O melhoramento de plantas aumentou o nível de THC a ponto de representar até um quarto do peso total de uma planta. Os cientistas descobriram que o cruzamento de plantas com alto teor de THC com plantas do tipo cânhamo pode trocar alguns genes e criar uma nova planta que produza altos níveis de CBD.

“No entanto, isso representa um desafio”, disse o coautor do estudo e graduado pela CBS, CJ Schwartz, da Sunrise Genetics. “Os genes que permitem a produção de CBD também são um pouco ‘vazados’. Isso pode resultar em cerca de 5% do produto acabando como THC em vez de 100% CBD”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia mais: Buds de maconha não são flores, mas sim frutos partenocárpicos

Os pesquisadores dizem que isso significa que, quando as plantas com alto teor de CBD são cultivadas até a maturidade, os agricultores interessados ​​em produzir cannabis para CBD correm o risco de ultrapassar o limite de 0,3% de THC, estabelecido pela regulamentação do cânhamo nos EUA.

“Essas plantas com alto teor de CBD são geneticamente maconha em sua maior parte e não se pode esperar que elas atendam à definição legal de cânhamo industrial em todas as situações”, disse Weiblen. “Isso significa que os produtos de CBD — como flores, extratos e comestíveis — que são rotulados como ‘cânhamo’ podem estar incorretamente rotulados e com marcas falsas. Fibra de cânhamo e produtos feitos de sementes de cânhamo, no entanto, são livres de drogas”.

Leia também:

Quais as implicações dos limites de THC para o cânhamo industrial?

#PraCegoVer: fotografia da robusta infrutescência apical de uma planta de cannabis, que aparece na parte direita da imagem, e várias outras que aparecem ao fundo, fora de foco, em um cultivo interno. Foto: Weed Streetwear | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!