Enólogos colaboram com cultivadores de cannabis em novos sistemas de denominação

buds palma mao Enólogos colaboram com cultivadores de cannabis em novos sistemas de denominação

Graças a um grupo determinado de produtores e um aliado improvável, a indústria vinícola da Califórnia, um processo para identificar maconha de qualidade de acordo com o local onde é cultivada está sendo formalizado. Saiba mais com as informações da Wine Enthusiast

Em setembro, o governador da Califórnia (EUA), Gavin Newsom, sancionou o projeto de lei do Senado nº 67, que preparou o cenário para o Programa de Denominações de Cannabis do Departamento de Alimentos e Agricultura da Califórnia (CDFA). Assim que o programa começar a aceitar petições, ele estabelecerá as primeiras denominações de cannabis do mundo.

É um turbilhão de mudanças para uma indústria que, até poucos anos atrás, era praticamente ilegal nos Estados Unidos. Aos olhos do governo federal, a cannabis ainda é um narcótico de Classe I, a mesma categoria do LSD e do ecstasy.

site sb Enólogos colaboram com cultivadores de cannabis em novos sistemas de denominação

Mas para os produtores de cannabis na Califórnia criar denominações tem sido um sonho. Pergunte a qualquer agricultor do Triângulo Esmeralda, no norte da Califórnia, composto pelos condados de Mendocino, Humboldt e Trinity e outras áreas produtoras de cannabis principalmente rurais nas proximidades, e ele dirá que sua cannabis é especial. É de algum lugar, e é isso que o torna único.

Preenchendo a lacuna

Até recentemente, eram principalmente entusiastas da cannabis lidando com boatos sobre quais fatores estabelecem o melhor produto. Mas, graças a um grupo intrépido de produtores e um aliado improvável, a indústria vinícola da Califórnia, um processo para identificar cannabis de qualidade de acordo com o local onde é cultivada está finalmente sendo formalizado.

A indústria do vinho envolveu-se há cerca de três anos, diz Rex Stults, vice-presidente de relações industriais da associação Napa Valley Vintners (NVV).

“Tudo foi feito por diplomacia multilateral”, diz ele. “Foi uma conexão facilitada por nosso advogado com Genine Coleman, diretora do Origins Council, e comigo.”

 

 

 

É quase impossível discutir as denominações de cannabis sem que o nome de Coleman apareça. Ela fundou o Origins Council, uma organização sem fins lucrativos de educação, pesquisa e defesa dedicada a impulsionar o desenvolvimento econômico rural sustentável nas regiões produtoras de cannabis.

Coleman cultivou cannabis por mais de 20 anos antes de se mudar para a defesa de pacientes e políticas, seu foco nos últimos sete anos.

O Origins Council também é o líder do projeto de desenvolvimento de denominações.

Leia também: Cruzamentos de strains criam uma variedade infinita de sabores de maconha

Stults diz que se encontra com Coleman cerca de quatro vezes por ano para fornecer atualizações. Ele explica que a NVV tinha três objetivos específicos.

Primeiro, o sistema Área Vitícola Americana (AVA) e o Escritório de Impostos e Comércio de Álcool e Tabaco (TTB) queriam garantir que nenhum sistema de denominação de cannabis diminuísse o sistema de denominação do vinho.

“Não queremos que isso prejudique o que funcionou na indústria do vinho”, diz Stults.

Em segundo lugar, a NVV estava preocupada com “o que estava acontecendo e como isso poderia impactar o nome do Napa Valley”, diz ele.

O grupo era hostil ao cultivo de cannabis no Napa Valley. Afirmou que fatores-chave do cultivo de cannabis, como alarmes de segurança e luzes fortes à noite, prejudicam a lucrativa indústria turística da região.

Uma denominação pode preencher essas lacunas por meio de regulamentos. Embora a NVV ainda se oponha ao cultivo dentro do condado de Napa, ela deseja que qualquer denominação formal de cannabis forneça uma estrutura forte.

“Nossa crença é que, se vai haver um sistema de denominação, ele deve ser robusto e significativo”, diz Stults. “Qualquer sistema de denominação que não seja robusto e significativo prejudica todos os sistemas de denominação. Não queríamos que isso acontecesse, então, indo em frente, queríamos oferecer nossa contribuição e experiência de trabalho dentro do sistema AVA desde 1981 para ajudá-los.”

Richard Mendelson, um dos principais arquitetos do sistema AVA, concorda. Mendelson, que mora em Napa e produz vinho em seu pequeno vinhedo, foi o advogado por trás da petição para criar os 16 AVAs em Napa Valley.

Ele lidou com questões jurídicas que afetam quase todos os aspectos do negócio do vinho. Ele também dirige o Programa de Lei e Política do Vinho na Universidade da Califórnia, em Berkeley.

“É verdade que passei grande parte da minha carreira trabalhando no sistema de denominação de vinho americano, especialmente em Napa, mas em outros lugares também, estabelecendo AVAs para vários peticionários”, disse Mendelson. Um dos cursos que ele ministra é o Protegendo Produtos do Lugar: A Lei das Indicações Geográficas (IG).

“IG é o termo genérico para todos os tipos de denominações, não apenas vinho ou cannabis, mas qualquer produto, de produtos agrícolas a têxteis e artesanato — você nomeia”, diz ele.

Mendelson é frequentemente abordado por pessoas que buscam criar sistemas de denominações para outros produtos.

“Foi assim que surgiu a introdução da indústria da cannabis”, diz ele. “Produtores, sim, mas o principal interesse para mim são os produtores legados, como a organização que Genine representa”.

Na indústria da cannabis, “legado” é considerado um termo compassivo e preciso para aqueles que cultivaram e distribuíram o produto antes que ele se tornasse legal.

Como champanhe: Califórnia (EUA) se prepara para estabelecer o “terroir” da cannabis

Mendelson admite que “não sabia muito sobre cannabis” antes de começar a aconselhar sobre ela. Ele fornece consultoria para produtores e funcionários do governo que desejam saber como estabelecer um sistema regulatório.

“Você regulamenta por meio do controle do Departamento de Bebidas Alcoólicas? Você usa as mesmas casas vinculadas e sistemas de distribuição e controles de preços e tributação, todas as mesmas práticas e questões comerciais?”, ele diz que todas as questões estavam sendo discutidas.

As denominações estavam definitivamente sobre a mesa durante aqueles primeiros dias de consultoria, diz Mendelson.

“Desde o início, identificamos as denominações como algo que seria relevante para a cannabis como um produto especial”, diz ele. “Algo em que os cultivadores acreditavam, assim como os viticultores, que diferentes produtos e cultivares cultivados em diferentes locais têm diferentes características de produto.

Essa é a essência, realmente, do que é um sistema de denominação: onde o produto pode expressar o terroir da área.”

Definindo o terroir

Mendelson diz que começou a acreditar nas denominações de cannabis quando viu como os cultivadores podiam identificar “a origem de um produto apenas provando, vendo ou cheirando-o da maneira que André Tchelistcheff faz com o vinho. Quando isso acontece, existe uma expertise lá”.

Ele inicialmente questionou se a cannabis, como planta anual, poderia expressar o terroir.

“Com certeza”, diz Coleman. “Os cultivares de cannabis de, digamos, Big Sur, têm uma genética específica que funciona com um clima mais frio e úmido, por exemplo. A estrutura do bud é mais aberta, o que permite um melhor desempenho em uma região costeira.”

A cannabis pode ser cultivada ao ar livre, dentro de casa ou uma mistura de ambos. Um cultivador pode escolher com base em práticas culturais históricas e específicas do local, como aquelas que dissuadem a vida selvagem e a aplicação da lei, e cultivares regionais, que podem refletir fatores como diferentes composições do solo e do composto, umidade e equilíbrio do pH.

“Muitos fatores diferentes definiram o que é uma denominação”, diz Mike Benziger, um lendário vinicultor do condado de Sonoma e, nos últimos anos, cultivador de cannabis. “Em muitos casos, vai além do solo, do meio ambiente. Inclui técnicas agrícolas e algumas coisas políticas também.”

Em vez de se concentrar na política, ele diz que muitos cultivadores de cannabis na Califórnia como ele estavam “um pouco mais” preocupados com o solo, o clima e o meio ambiente que contribuem para a saúde da planta.

Saiba mais: O que significa o termo “OG” quando se fala em maconha?

Benziger diz que é crucial que técnicas agrícolas como práticas biodinâmicas e orgânicas sejam incluídas nas restrições.

“A função desse tipo de lavoura é deixar a planta mais sensível”, diz ele. Quando você cultiva com o mínimo de insumos, a planta pode ser tecida no meio ambiente.

“Estamos atrasados, o negócio da cannabis”, diz Benziger. “Mas podemos recuperar porque estamos em uma programação anual, não anos, como com o vinho, onde você tem que fazer o vinho, envelhecer o vinho. Assim, podemos avançar rapidamente na identificação de diferentes atributos que queremos em uma planta que reflita o local em que foi cultivada”. Ajustes podem ser feitos facilmente de ano para ano, diz ele.

Os vários conselhos e organizações de produtores no norte da Califórnia, que lideram o debate das denominações, preveem a compra e venda de cannabis internacionalmente um dia. Esta região da Califórnia é um lar histórico de cultivo de cannabis nos Estados Unidos, então é fácil ver por que ela precisa ser protegida.

Solavancos na estrada

Os produtores menores no Triângulo Esmeralda e nas áreas vizinhas já estão perdendo uma posição no mercado. Muitos são produtores legados que não podem pagar as taxas exorbitantes de permissão e impostos exigidos pela Proposição 64, que legalizou o cultivo e distribuição de cannabis para adultos em 2016.

Como resultado, muitos deixaram o negócio ou cultivaram sem licença. Empresas maiores com bolsos mais fundos tomaram seu lugar. Muitas delas utilizam instalações de cultivo internas, que são explicitamente desqualificantes no Programa de Denominações de Cannabis do CDFA.

Um sistema de denominações poderia, então, dar a essas empresas menores uma vantagem. Ele honraria sua história, herança e os lugares de onde vêm, ao mesmo tempo em que colocaria um marcador de valor distinto na cannabis cultivada ao sol que é produzida lá. O fato de um projeto de denominações bem-sucedido depender da produção de produtos de alta qualidade apenas o torna mais atraente para produtores e consumidores.

Embora as petições devessem começar a ser coletadas a partir de 1º de janeiro, a pandemia desacelerou tudo. O Origins Council, NVV e outros ainda estão se reunindo e finalizando os planos. Eles esperam que o CFDA comece a receber petições neste verão, e as denominações serão finalmente formadas. Em particular, Coleman diz que, com base no terroir, ela acredita que denominações menores serão criadas dentro dos limites do condado.

O nome da denominação será vinculado aos limites específicos da denominação, portanto, de alguma forma vinculada à história e identidade da região, como Salmon Creek, seguindo uma bacia hidrográfica que faz parte da fronteira, por exemplo. Ou o nome histórico que se correlaciona com as fronteiras geográficas”, diz ela, dando uma prévia do que está por vir.

Quanto aos novos amigos dos produtores de cannabis no negócio do vinho? Eles estão animados por estarem a bordo. Stults, da NVV, diz que havia ceticismo em relação aos cultivadores de cannabis no início. Agora, eles se tornaram amigos.

“Estamos compartilhando perspectivas e informações livremente agora, conversamos muito”, diz Stults. “Percebemos no ano passado que ambos queremos que esses sistemas sejam bem-sucedidos e significativos. E, você sabe, a palavra é que pode se tornar o modelo para o país.”

Veja também:

Estado da Califórnia (EUA) oferece US$ 100 milhões para ajudar indústria da cannabis em dificuldades

#PraTodosVerem: fotografia em close que mostra uma porção de buds de maconha secos, em tons de verde e marrom, sobre a palma de uma mão. Imagem: Lucas Fonseca | Pexels.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!