Startup de cannabis medicinal fecha negócio de US$ 90 mi sem uma planta cultivada

aldo miccio Startup de cannabis medicinal fecha negócio de US$ 90 mi sem uma planta cultivada

A empresa de cannabis medicinal Medical Kiwi não tem uma única planta no solo, mas já fechou um acordo de fornecimento de US$ 90 milhões. As informações são do portal Stuff, com tradução pela Smoke Buddies

A startup sediada na cidade de Nelson (Austrália) assinou um acordo para fornecer à empresa australiana Hektares US$ 30 milhões em cannabis medicinal no próximo ano e mais US$ 60 milhões em 2022.

Apesar da falta de algo tangível para avaliar, o fundador da Hektares, Bruce Ring, está confiante de que a Medical Kiwi entregará um produto de alta qualidade.

gravital Startup de cannabis medicinal fecha negócio de US$ 90 mi sem uma planta cultivada

“A Medical Kiwi fez seu dever de casa; eles criaram um modelo de negócios sólido que nos deu a confiança para pré-encomendar seu produto de cannabis”, disse ele.

O cofundador e presidente Aldo Miccio disse que o sucesso da Medical Kiwi em garantir o acordo foi o reconhecimento de seu “compromisso com a ciência e pesquisa rigorosas”.

Leia mais: Raekwon, do Wu-Tang, investe em empresa que pagará famílias para cultivarem cannabis

A empresa estava comprometida com pesquisa e tecnologia avançadas para apoiar o desenvolvimento de seus produtos de cannabis medicinal.

Acesse Pufflife.com.br

Estamos apoiando isso com uma forte representação de cientistas e profissionais médicos em nosso conselho. As pessoas certas, com o melhor conhecimento, desenvolvendo o processo certo garantirá que tenhamos um futuro de longo prazo nesta indústria emergente.”

Miccio disse que ter médicos experientes em seu conselho — incluindo o consultor reumatologista Dr. David Porter e o bioquímico e biotecnologista de produtos naturais Dr. Michael Packer — também tornou a Medical Kiwi mais atraente para clientes em potencial.

A dupla tem mais de 50 anos de experiência entre eles e Porter disse que prescreve canabidiol (CBD) para pacientes com fibromialgia desde que se tornou legal, há dois anos.

A substância, encontrada na cannabis, mas com pouca ou nenhuma propriedade psicotrópica, foi “de longe” o tratamento mais benéfico que ele usou.

“Os produtos farmacêuticos convencionais tendem a ser ineficazes no tratamento dessa condição e comumente causam efeitos colaterais debilitantes, como sonolência e confusão mental”, disse ele.

Leia mais – Luxury Meets: produtos de cannabis são tema de conferência da indústria da beleza

“O CBD provou estar muito acima de outros tratamentos, devido à sua falta de efeitos colaterais, e também benefícios consideráveis ​​para o sono, relaxamento e alívio da dor.”

Com as pré-encomendas da Hektares em seus livros, a Medical Kiwi está montando instalações de produção em Christchurch (Nova Zelândia), à frente de seus planos de longo prazo para uma instalação especialmente construída em Brightwater, em Nelson.

A fábrica de Christchurch deve estar operacional até o final deste ano e empregar 50 funcionários em plena produção.

O local de Nelson deverá ser concluído até o final de 2022 e empregar 140 funcionários.

Se os pedidos continuarem no ritmo atual, é provável que as duas instalações sejam necessárias, disse Miccio.

A empresa também lançou recentemente uma campanha de crowdfunding para arrecadar US$ 2 milhões para iniciar a produção em Christchurch e ajudar a financiar o desenvolvimento de Nelson e as compras de tecnologia.

Um adicional de US$ 1 milhão está sendo procurado por meio do mercado de investimento no atacado.

Leia também:

Profissionais de marketing podem ajudar a legitimar a indústria da cannabis?

#PraCegoVer: em destaque, foto de Aldo Miccio em uma instalação da empresa, onde se vê um pôster institucional da Medical Kiwi com uma foto em preto e branco de folhas da maconha de fundo, ao lado de uma vidraça, ao fundo. Foto: divulgação.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!