Em nome da “guerra às drogas”, polícia faz chacina no Complexo do Salgueiro

complexo do salgueiro Em nome da guerra às drogas, polícia faz chacina no Complexo do Salgueiro

Nove corpos foram encontrados após operação da PM em favela de São Gonçalo (RJ), moradores relatam que mais de 20 pessoas foram mortas. Em relatório feito após a ação consta o cumprimento de mandados de prisão por associação ao tráfico de drogas

Moradores do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo (RJ), relatam uma chacina policial após encontrar nove corpos na manhã desta segunda-feira (22). Os mortos foram retirados de um manguezal, no bairro das Palmeiras, após operação do Batalhão de Operações Especiais (Bope), na madrugada do último sábado (20), segundo informou a Rede Brasil Atual.

Segundo os relatos, durante a ação policial houve tiroteios entre a Polícia Militar e traficantes. Na manhã de domingo (21), uma idosa foi atingida no braço por uma bala perdida e o sargento Leandro Rumbelsperger da Silva, do 7º BPM, acabou morto.

gravital sb Em nome da guerra às drogas, polícia faz chacina no Complexo do Salgueiro

Os moradores do Complexo do Salgueiro classificam a ação como uma chacina. Na manhã de hoje, corpos foram enfileirados e cobertos por lençóis. De acordo com reportagens, pessoas da região confirmam que as vítimas foram torturadas antes de serem mortas.

Ao jornal O Globo, um dos moradores, que não quis se identificar, disse que a operação foi mal sucedida e só aconteceu por retaliação à morte do sargento. “Vieram de qualquer maneira e o resultado é esse. Eles deram tiro para todos os lados e chefes de família ficaram em risco. E o resultado é esse: nove corpos e muitos outros que podem estar no mangue. Não existe segurança pública no Rio. Eles tratam a gente com a morte”, criticou.

Leia: Chacina do Jacarezinho e a prerrogativa da guerra às drogas para a violência policial

Jogados no mangue

Os relatos locais apontam que os mortos foram vítimas de tortura e os corpos jogados sobre os outros, no mangue. Entre os assassinados pela polícia, haviam pessoas que não eram envolvidas com o tráfico. Há a expectativa de que novos corpos sejam encontrados ao longo do dia.

Em áudio publicado pela Penha News em seu Twitter, moradores relatam que mais de 20 pessoas foram mortas:

Em nota, a Defensoria Pública do Rio afirmou ter recebido “relatos sobre a violenta operação no Complexo do Salgueiro” e comunicou o fato ao Ministério Público, “para a adoção de medidas cabíveis a fim de interromper as violações”.

“Tinham pessoas envolvidas com o crime? Tinham. Mas a grande maioria não tem nada com o fato. Muitas pessoas estão desfiguradas. Se eles tivessem a intenção de prender, não teriam feito isso. Se fosse troca de tiros, os jovens não estariam assim. Eles fizeram uma chacina. Resgatamos os corpos e não achamos nenhuma arma. Morreu um PM em um dia e no outro eles fizeram uma chacina”, relatou outro morador ao Globo.

Leia também: A guerra às drogas é um instrumento de aniquilação dos “indignos de vida”

Repercussão

A chacina no Complexo do Salgueiro revoltou internautas durante o início desta segunda. Nas redes sociais, ativistas de direitos humanos e parlamentares criticaram mais uma operação policial que resultou em novos mortos.

Marcelo David Macedo, da Anistia Brasil, atribuiu o crime à ineficaz guerra às drogas. “Essa roda que gira para encher uns poucos bolsos, matou um policial militar no Salgueiro, em São Gonçalo, há dois dias. Em resposta, a PM alimentou a roda com uma operação que, iniciada nesta madrugada e ainda em andamento, deixa uma chacina no chão. Relatos de moradores apontam para pelo menos vinte execuções, com corpos num mangue sendo retirados pelas próprias mães com lama até os joelhos porque os Bombeiros não entraram na favela. Quem lucra com isso?”, questionou em seu Twitter.

Segundo relatou a Folha de S.Paulo, apesar de a polícia ter afirmado inicialmente que a investigação que motivou a incursão tratava de aliciamento de menores, homicídios, sequestros de trem e roubo, em um relatório feito após a ação consta o cumprimento de 21 mandados de prisão por associação ao tráfico de drogas.

A deputada estadual Renata Souza (Psol) enfatizou que os próprios moradores estão retirando os corpos de uma região de manguezal. “Muito triste. A polícia deve fazer seu trabalho cumprindo a legalidade e respeitando moradores, serviços de saúde, educação e todos que trabalham nas favelas. Seguiremos cobrando!”.

O professor e ativista social Jonas Di Andrade classificou a chacina como “barbárie”. “Vocês já viram acontecer numa área ‘nobre’ moradores carregarem corpos após uma chacina realizada por quem deveria proteger? Claro que não! Essa é a realidade das favelas do Rio de Janeiro. O que aconteceu no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, é desumano”, tuitou.

A também deputada estadual Dani Monteiro (Psol) criticou a ação policial. “É essa a imagem do rastro do Estado atuando nas favelas: corpos empilhados e a favela tendo que dar conta de enxugar o sangue derramado”.

Leia também:

Quinze anos da lei de drogas e seu impacto na justiça, na saúde e na sociedade

#PraTodosVerem: fotografia aérea mostra moradores do Complexo do Salgueiro na rua, próximo ao local onde foram colocados os corpos, e um lençol branco em um muro onde pode ser lida a palavra “PAZ” em preto. Imagem: TV Globo.

smokebuddies logo2 Em nome da guerra às drogas, polícia faz chacina no Complexo do Salgueiro

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!