É hora de acabar com a “aura de ilegalidade” para as drogas, disse importante autoridade de saúde dos EUA

maos seda tabaco É hora de acabar com a “aura de ilegalidade” para as drogas, disse importante autoridade de saúde dos EUA

Segundo Nora Volkow, diretora do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas, quando penalizamos pessoas que usam substâncias por causa de um vício, “sugerimos que seu uso é uma falha de caráter e não uma condição médica”. As informações foram traduzidas pela Smoke Buddies do Marijuana Moment

O governo tem alguma responsabilidade em perpetuar os estigmas contra o vício em drogas que criaram barreiras ao tratamento, disse a chefe da principal agência de pesquisa de drogas dos EUA.

Em um artigo publicado pela Associação de Faculdades Médicas Americanas (AAMC) na semana passada, Nora Volkow, diretora do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (NIDA), compartilhou uma história pessoal sobre a estigmatização do uso de drogas e as consequências negativas que têm para as pessoas que sofrem de transtornos por abuso de substâncias. Parte desse estigma vem da aplicação de políticas punitivas de drogas, incluindo algumas que permanecem em vigor, disse ela.

gravital sb É hora de acabar com a “aura de ilegalidade” para as drogas, disse importante autoridade de saúde dos EUA

Volkow disse que “o estigma continua sendo um dos maiores obstáculos para enfrentar a atual crise de drogas na América”.

“As políticas governamentais, incluindo medidas de justiça criminal, muitas vezes refletem — e contribuem para — o estigma”, disse ela. “Quando penalizamos pessoas que usam drogas por causa de um vício, sugerimos que seu uso é uma falha de caráter e não uma condição médica. E quando encarceramos indivíduos viciados, diminuímos seu acesso ao tratamento e exacerbamos as consequências pessoais e sociais do uso de substâncias”.

A oficial fez comentários semelhantes no passado, argumentando que há uma necessidade aparente de descriminalizar o porte de drogas e enfatizando que a guerra às drogas afetou desproporcionalmente as comunidades de cor.

Leia: A legalização da cannabis leva a maior uso em algumas demografias, mas não entre os negros

“A aura de ilegalidade afeta o tratamento de pessoas com dependência”disse Volkow. “Por exemplo, alguns programas de tratamento expulsam os pacientes por amostras positivas de urina, como se a recaída não fosse simplesmente um sintoma conhecido do distúrbio e um sinal clínico para ajustar a abordagem do tratamento, mas, em vez disso, uma transgressão real”.

O estigma também retardou a adoção de programas de redução de danos, como a troca de seringas e o acesso ao medicamento antioverdose naloxona “por uma crença moralista — além de factualmente incorreta — de que essas medidas incentivam o uso de drogas ilegais”, disse ela.

Volkow falou da mesma forma sobre como a descriminalização, juntamente com o aumento do tratamento, representaria uma alternativa superior ao encarceramento de pessoas por causa das drogas em uma entrevista recente para o Marijuana Moment.

“Precisamos de uma intervenção social em grande escala para mudar as atitudes públicas em relação ao vício e às pessoas que têm a doença”, escreveu ela no novo artigo. “Além de garantir o treinamento adequado e os recursos necessários para ajudar os pacientes com transtornos por uso de substâncias, precisamos reconsiderar seriamente as políticas — não apenas as leis, mas também as regulamentações e práticas de saúde e outros cenários — que promovem a visão do uso de substâncias como irregularidades”.

Leia mais: Conheça Carl Hart: pai, professor na Universidade de Columbia e usuário de heroína

Em outras observações recentes, Volkow argumentou que não há necessidade de mais pesquisas para provar que a criminalização das drogas afetou desproporcionalmente as comunidades de cor.

A oficial também foi pressionada em questões relacionadas à proibição da maconha e aos psicodélicos.

Ela reconheceu em uma entrevista de podcast lançada em agosto que a legalização da cannabis não levou ao aumento do uso por jovens, apesar de seus temores anteriores, e ela falou sobre o potencial terapêutico de certos psicodélicos que há muito tempo são considerados “perigosos” sob a lei federal.

E quando se trata de pesquisa sobre a maconha, ela disse que os cientistas deveriam ter permissão para investigar produtos de dispensários estadualmente legais em vez de usar apenas plantas cultivadas pelo governo.

O NIDA apresentou separadamente um relatório aos legisladores do Congresso enfatizando que o status de Tabela I de substâncias controladas como a cannabis está impedindo ou desencorajando a pesquisa sobre seus riscos e benefícios potenciais.

Ele também disse que as restrições atuais que impedem os cientistas de estudar os produtos canabinoides reais que os consumidores podem comprar em dispensários estão impedindo a pesquisa a um ponto que constitui uma preocupação de saúde pública.

Leia também:

Brasil fica em último lugar em índice que avalia as políticas de drogas

#PraTodosVerem: fotografia mostra parte do corpo de uma pessoa e as suas mãos com esmalte preto nas unhas e segurando uma seda com tabaco e erva, em fundo branco com sombras geométricas. Foto: Kampus Production / Pexels.

smokebuddies logo2 É hora de acabar com a “aura de ilegalidade” para as drogas, disse importante autoridade de saúde dos EUA

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!