“Desfinancie os orçamentos policiais que alimentam a guerra às drogas”, diz criador de The Wire

david simon “Desfinancie os orçamentos policiais que alimentam a guerra às drogas”, diz criador de The Wire

Vinte anos após The Wire ir ao ar, David Simon volta a denunciar a guerra às drogas em uma nova série sobre a corrupção policial da vida real

David Simon, criador da aclamada série The Wire (A Escuta), estava acompanhando as notícias sobre a Gun Trace Task Force (GTTF), uma força policial de Baltimore (Maryland, EUA) elogiada por derrubar portas e apreender drogas, dinheiro e armas — não importando o dano que causaram ao longo do caminho.

Em 2017, os policiais da GTTF foram presos por embolsar dinheiro e vender as drogas apreendidas a outros traficantes. Simon então ligou para o jornalista Justin Fenton, que atuou no mesmo ritmo que ele uma vez no Baltimore Sun — Simon trabalhou no jornal de 1982 a 1995 —, e o encorajou a escrever um livro sobre este último capítulo de uma guerra às drogas fútil e destrutiva, que ele já cobriu no The Wire.

Simon conectou Fenton a seu agente de livros, ajudando o repórter mais jovem a vender o que se tornaria We Own This City: A True Story Of Crime, Cops And Corruption (“Nós possuímos esta cidade: uma verdadeira história de crime, policiais e corrupção”, em tradução livre).

Cerca de um ano depois, a HBO colocou as mãos no manuscrito e abordou o parceiro de produção de Simon, George Pelecanos, para fazer uma série limitada. E assim os nomes mais famosos por trás de The Wire, que também trabalharam juntos em Treme e The Deuce, trouxeram as câmeras de volta a Baltimore para mais uma crítica contundente à guerra às drogas.

We Own This City (A cidade é nossa) analisa as decisões tomadas por políticos oportunistas que manipulam estatísticas criminais para propostas de reeleição ou defendem maiores orçamentos policiais, e o efeito cascata dessas políticas — como quando um policial é recompensado por prender um homem negro culpado de estar sentado em sua própria varanda em uma zona livre de drogas.

Em entrevista à Now Magazine, Simon fala sobre evolução de The Wire para We Own This City, a liberdade de revelar verdades não registradas na série fictícia, a estrutura de recompensa torta que leva ao policiamento prejudicial, onde ele se sustenta em argumentos para reduzir o financiamento da polícia e como as estatísticas do crime são manipuladas para inflar os orçamentos da polícia ou para obter ganhos políticos.

David Simon On Set of Season 3 of THE WIRE 1024x685 “Desfinancie os orçamentos policiais que alimentam a guerra às drogas”, diz criador de The Wire

David Simon (à esquerda) no set da terceira temporada de The Wire. Imagem: Bell Media.

Now: Já se passaram 20 anos desde que The Wire estreou. Esta série estava muito à frente do jogo em termos de retratar a brutalidade policial e as condições sociais que levam ao crime em Baltimore e esse tipo de policiamento. Isso foi antes de Freddie Gray, vídeos de celular e todas as coisas que vieram à tona durante o #BlackLivesMatters. Com tudo o que aconteceu nos últimos 10 anos, isso mudou a maneira como você vê The Wire?

David Simon: The Wire estava atrás da mesma coisa, pois era uma crítica à guerra às drogas e à prisão em massa. Todas as críticas ao preenchimento das prisões com base na proibição das drogas e na militarização da polícia, está tudo aí. The Wire não era sobre os meandros da corrupção policial. Mostramos a vocês a polícia enfiando dinheiro em suas jaquetas e mostramos a polícia brutalizando as pessoas como se fosse uma coisa natural. Mas o que estávamos realmente criticando era a missão, a missão corruptora da guerra às drogas. Isso permanece.

Acho que as coisas pioraram. Você sempre soube que nem todo o dinheiro poderia chegar ao controle de evidências. Se você chutou um colchão e encontrou US$ 10.000 em dinheiro de drogas, US$ 700 podem chegar ao centro da cidade. Você sempre soube que havia policiais que se aproveitariam daquele momento. A ideia de uma unidade subir a rua e começar a roubar as pessoas indiscriminadamente — sendo traficantes ou absolutamente cidadãos — e então ficar com o dinheiro e depois pegar as drogas e vender nas ruas para outros traficantes, esse é um nível de distopia e cinismo e colapso que só pode vir de outra geração lutando nesta guerra.

Leia mais: Policiais são presos no RJ acusados de desviarem cocaína apreendida

A cada geração sucessiva, o nível de cinismo e o nível de crise existencial se tornam maiores. Os policiais que você conhecia no The Wire que eram fodas — os Hercs e os Carvers — agora são coronéis e majores. Eles treinam a próxima geração em Baltimore. Eles estão treinando os sargentos e tenentes hoje, que estão treinando os caras vindo da academia.

Now: Muitos dos personagens de We Own This City podem ter assistido The Wire.

Simon: Se o fizeram, eles viram uma guerra que era invencível e intratável. Estava corrompendo tudo o que tocava.

Sendo um policial e fazendo um trabalho policial funcional, particularmente trabalho policial de alto nível, os níveis de conjuntos de habilidades são bastante impressionantes. Você precisa saber como usar informantes e não ser usado por informantes, como redigir um mandado de busca por causa provável e não estragar tudo, como testemunhar em tribunal sem cometer perjúrio… É realmente difícil ser um bom policial.

Mas na minha cidade o que aconteceu foi que lhe disseram que você seria um bom policial se fizesse 30, 40 prisões por drogas por mês, o que significava ir até a esquina e revistar todo mundo e obter desse cara o esconderijo e esse cara pegar as duas pílulas que você encontrou em cima do pneu. Você faz suas estatísticas. Você fica bem no papel.

Enquanto isso, o cara que está em seu posto tentando descobrir quem está roubando as pessoas com uma arma, se ele trabalha a coisa por três ou quatro semanas e consegue juntar algo, ele faz uma prisão. Ele entra no computador da polícia com o peso de uma pena. Uma prisão contra 40. Essa incapacidade de sequer avaliar o que era um bom trabalho policial destruiu o departamento de polícia em Baltimore. [Qualquer semelhança com o Brasil não é mera coincidência, a guerra às drogas é um fracasso em qualquer lugar do mundo.]

Rob Brown Ham Mukasa Robert Harley Jon Bernthal 1 1 1024x683 “Desfinancie os orçamentos policiais que alimentam a guerra às drogas”, diz criador de The Wire

We Own This City investiga policiais corruptos e uma guerra inútil contra as drogas. Imagem: Bell Media.

Now: Uma das grandes conversas que surgiram [do assassinato de George Floyd] é “desfinanciar a polícia”.

Simon: É autodestrutivo. Observe políticos, partidos políticos, facções políticas, observe-os fugir de você na velocidade da luz. Quer mudar alguma coisa ou quer ter o melhor slogan?

Now: Acho que você toca nisso em We Own This City, cortando alguns dos orçamentos policiais, desmilitarizando-os pelo menos, e usando esses fundos para programas sociais.

Simon: Ah, claro. Isso é sobre missão. O que você está financiando a polícia para fazer? Se você os está financiando para prender todo mundo, alienar todo mundo, encher os tribunais com casos insustentáveis que não vão a lugar nenhum e na verdade não resolvem nenhum crime, e financia horas extras ilimitadas para isso, então sim. Desfinancie isso. Desfinancie o inferno disso. Você pode muito bem ter dinheiro no final do dia para fazer não apenas as coisas que um departamento de polícia tem que fazer para tornar a cidade mais segura e funcional, você pode ter dinheiro para outros serviços sociais que estão competindo com isso.

Estamos gastando uma quantidade extraordinária de erário nas coisas erradas. Quinze anos atrás, Ed Burns disse que se você conseguisse fazer com que os promotores assistentes do estado dos EUA não assinassem recibos de horas extras para casos de merda que eles vão dispensar, você começaria a consertar o departamento de polícia. Altere as métricas. Mude o que você valoriza. Desfinancie a guerra às drogas. Estou dentro…

Devemos desfinanciar partes do policiamento: horas extras para perseguir pessoas pelas ruas e fazer prisões por drogas, humilhações [acusações inconsequentes que não vão permanecer, com o objetivo de prender alguém por uma ou duas noites antes de ver um comissário do tribunal] e ficar vagando em uma zona livre de drogas. Não financie isso. Não o processe. Pague pelo bom trabalho da polícia.

Mas esse material também vai custar. Eu entendo a lógica do que eles estão tentando dizer. Mas esse slogan é politicamente letal. Talvez a coisa seja abordar a missão. Diga, aqui está o que queremos que a polícia faça. Aqui está o que não queremos que eles façam. Já é hora de eles ouvirem. Se os eleitores pudessem ser estimulados a fazer isso, seria uma grande vitória no meu país.

Leia também:

“As drogas venceram a guerra contra as drogas”, diz autor de Trainspotting

#PraTodosVerem: fotografia mostra David Simon, vestido com um blazer cinza, sentado, enquanto apoia os braços sobre os joelhos. Imagem: Warnermedia.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!