Descriminalização da maconha registra apoio recorde no Brasil

descriminalizacao da maconha registra apoio recorde no Brasil Descriminalização da maconha registra apoio recorde no Brasil

O apoio dos brasileiros à descriminalização da maconha cresceu e chegou ao maior patamar da série histórica, iniciada em 1995, segundo pesquisa do Datafolha. Hoje, 32% da população é a favor da descriminalização, enquanto que nos anos 90 eram 17%. Saiba mais no texto abaixo com as informações da Folha de S.Paulo.

O apoio dos brasileiros à descriminalização da maconha tem aumentado, apesar de a maioria (66%) ainda defender a proibição da droga.

A proporção favorável à descriminalização da maconha chegou a 32%, o maior patamar da série histórica, iniciada em 1995, segundo pesquisa do Datafolha. Nos anos 90, eram 17% e, na última pesquisa, em 2012, 20%.

Atualmente, 80% dos entrevistados dizem que nunca fumaram maconha –14% declaram já ter usado a droga uma vez, mas pararam. Só 5% admitem fumar no presente.

O índice é maior entre os homens: 27% afirmam que fumam ou já fumaram. Entre as mulheres são 12%.

A pesquisa foi realizada com 2.765 pessoas em 192 municípios entre 29 e 30 de novembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Além de admitirem fumar mais, os homens apoiam mais a descriminalização da maconha –35% deles, 7 pontos a mais que as mulheres.

A idade também pesa na opinião dos brasileiros sobre a proibição. Quanto mais jovem, mais favorável à droga.

Entre 16 e 24 anos, 40% acreditam que fumar maconha não deveria ser crime. A taxa cai para 24% entre pessoas com 60 anos ou mais.

Além disso, o apoio à descriminalização aumenta de acordo com a escolaridade, atingindo 42% entre pessoas com nível superior. A taxa cai para 24% entre entrevistados com ensino fundamental.

A renda também influencia a visão sobre o tema. Entre os mais ricos, com renda familiar mensal superior a dez salários mínimos, 53% defendem que fumar maconha não deveria ser crime -contra 26% entre os que têm até dois salários mínimos.

O Nordeste é a região com maior taxa contrária à descriminalização da erva, 74%. Sul e Sudeste são as regiões que menos se opõem à medida: 59% e 62%, respectivamente.

Dentre as religiões, mais evangélicos se posicionam contra a maconha do que grupos de qualquer outra crença: 74%. São seguidos dos católicos, com 67%. Entre ateus, essa taxa cai para 24%.

lazy placeholder Descriminalização da maconha registra apoio recorde no Brasil

MAIOR APOIO

Segundo a socióloga Julita Lemgruber, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes, o apoio à descriminalização cresceu junto com o debate sobre o uso da maconha com fins medicinais.

“Casos de crianças com epilepsia, que se beneficiam bastante da Cannabis, sensibilizam muito o público. Isso contribuiu para quebrar o estigma e a demonização da maconha”, afirma ela, que é favorável à legalização de todas as drogas.

Nos últimos anos, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) liberou o uso de produtos à base de canabidiol por pacientes.

A agência também planeja elaborar norma sobre o cultivo da Cannabis para pesquisa e produção de extratos ou futuros medicamentos –algo já previsto por lei, mas ainda sem regulamentação.

Além disso, a recente descriminalização em alguns países e em regiões dos Estados Unidos também pode ter influenciado brasileiros.

“Há um questionamento internacional sobre o tema. E o Brasil, em relação aos outros países da América do Sul, está muito atrasado”, diz o professor e diretor do Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes da Unifesp, Dartiu Xavier da Silveira, que defende a descriminalização.

Por outro lado, especialistas favoráveis à proibição afirmam que há uma florescente indústria da erva, interessada em mudar a opinião pública sobre a droga. “Existe um lobby muito forte empresarial pela comercialização da maconha, e isso está funcionando”, diz o advogado criminalista e conselheiro da OAB Mário de Oliveira Filho.

“Assim como ocorreu com o cigarro no início, apareceram vários produtos de maconha, como bala, bolinho, gelatina. Esse marketing acaba influenciando a opinião pública”, disse a psicóloga e presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (Abead), Sabrina Presman.

“O cigarro chegou a ser vendido pela propaganda como remédio para enxaqueca, até as pesquisas apontarem os malefícios do tabaco.”

lazy placeholder Descriminalização da maconha registra apoio recorde no Brasil

SUPREMO

Em setembro de 2015, o Supremo Tribunal Federal começou a julgar a descriminalização do porte de drogas, mas o processo foi suspenso. Na ocasião, três ministros apresentaram votos favoráveis à descriminalização, sendo que dois deles restringiram a liberação à maconha.

O julgamento foi adiado após pedido de vista do ministro Teori Zavascki, morto em um acidente aéreo em janeiro de 2017. O processo passou para o gabinete do ministro Alexandre de Moraes, que assumiu a vaga de Zavascki.

Leia mais: Ministro diz que STF deve descriminalizar porte de maconha em breve

Há também projetos de lei em tramitação no Congresso sobre o tema, como o do deputado do PSOL Jean Wyllys, que regula a produção e a venda da maconha.

REGULAÇÃO

Defensores da legalização afirmam que a regulação permitirá certo controle estatal do uso e venda da droga, o que não ocorre com o tráfico.

“A maconha tem efeitos nocivos sim, mas o álcool também tem, por isso não se vende para menores de 18 anos e tomamos uma série de medidas preventivas. Não dá para abrir mão do controle e delegar ao traficante, que não se importa se vende para menor ou não”, afirma Silveira, professor da Unifesp.

Leia mais: Maconha é 114 vezes mais segura que o álcool, revela estudo

Já o advogado Oliveira Filho afirma que o Estado não tem a capacidade de regular o consumo e a venda.

“Quem defende a descriminalização diz que fumar em casa é auto lesão, o que não é crime. Tudo bem, mas como a droga vai chegar lá? Um país que não consegue retirar o ladrão da esquina, vai conseguir regular o tráfico?”, questiona.

Presman, presidente da Abead, defende que a descriminalização da maconha vai na contramão dos esforços na área de saúde. “Nós trabalhamos hoje para restringir o que já é lícito, como álcool e tabaco. Vamos permitir a maconha para depois restringir? É um contrassenso.”

Leia também: Cultivo de maconha para fins terapêuticos é aprovado no Senado

lazy placeholder Descriminalização da maconha registra apoio recorde no Brasil

Se você é a favor da descriminalização da maconha, acesse o artigo abaixo e saiba como apoiar o PLS 514/2017. O Projeto de Lei do Senado número 514 de 2017 visa descriminalizar o autocultivo de maconha para fins terapêuticos no Brasil.

Vote SIM no Projeto de Lei do Senado para descriminalizar o cultivo de maconha

Fotografia de capa – Lucas Tavares | Smoke Buddies Cobertura da Marcha da Maconha SP 2017

lazy placeholder Descriminalização da maconha registra apoio recorde no Brasil

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!
[mailpoet_form id="2"]
Deixe seu comentário