Depoimento em vídeo denuncia maconha e racismo nos EUA

depoimento em video denuncia maconha e racismo Depoimento em vídeo denuncia maconha e racismo nos EUA

Assim como em terras tupiniquins, os Estados Unidos registram um grande número de casos de racismo – principalmente quando levamos em conta prisões relacionadas à erva. Conheça o caso do irmão de Wanda James, que foi condenado a 10 anos por portar uma pequena quantidade de maconha.  Entenda a história abaixo:

“Se você está preocupado com o seu filho fumando maconha, sua preocupação deveria ser mais em relação ao que acontece com ele se for acusado de um crime por fumar maconha”. Impactante a frase, ainda mais quando você passa pelo drama como de Wanda James e Scott Durrah, os primeiros afro-americanos autorizados a ter um dispensário e uma fábrica de comestíveis de cannabis no Colorado, em 2009.

No vídeo, publicado pelo Yahoo!,  Wanda conta o drama que os norte-americanos passaram e ainda passam quando o assunto é racismo e maconha. Em seu depoimento, ela aborda o caso do seu irmão que foi preso e condenado a 10 anos  por estar com 127 gramas de maconha ao tempo que, na Universidade do Colorado essa mesma quantidade era o que se consumia em um final de semana no campus, sem importar ninguém, assim relata.

Com uma pena total de 10 anos, o irmão de Wanda passou 4 anos e meio de sua pena colhendo algodão no Texas, para reduzir a pena. “Meu irmão negro foi condenado a colher algodão por causa da maconha” e complementa,: “É uma tragédia americana”.

Para ela, sua família era o exemplo perfeito de que tudo depende qual o seu cep e onde a pessoa mora, “dependendo dele você pode se tornar um empreendedor da indústria da maconha ou um criminoso”.

Brasil 

O depoimento do casal ilustra perfeitamente como a proibição da maconha é racista, principalmente aqui no Brasil. Infelizmente a história e o impacto da guerra às drogas é muito pior. Sem uma quantidade definida usuários negros, pobres e moradores das periferias brasileiras são presos e condenados como traficante, ao tempo que a quantidade portada no máximo se classificaria para uso pessoal.

Enquanto o STF não avançar com o processo que visa a descriminalização do porte de maconha e outras drogas para consumo pessoal, agora nas mãos do Ministro Alexandre de Moraes, a população continuará sendo encarcerada superlotando o sistema penal e transformando consumidores de maconha em criminosos. O Brasil precisa REGULAMENTAR A MACONHA, como um produto qualquer para maiores de idade, para que vidas deixem de serem ceifadas por conta do combate armado, entre polícia e traficantes, em nome da falha, falida, racista, GUERRA ÀS DROGAS.

“Se você está preocupado com o seu filho fumando maconha, sua preocupação deveria ser mais em relação ao que acontece com ele se for acusado de um crime por fumar maconha” – Wanda James

Que o depoimento de Wanda e seu esposo, empreendedores do mercado cannabico norte-americano que fumam maconha diariamente, sirva para elucidar algumas dúvidas. Como ela mesmo diz, “não teria uma pessoa que acharia estranho que nós tomássemos uma taça de vinho juntos todos os dias” e complementa: “Nós queremos normalizar isso e acabar com a hipocrisia” – como costumamos pedir, #Normalize!

Wanda ressalta também a importância que mais empreendedores da cannabis sejam negros: “Este é o nosso próximo grande passo. Parar de ser preso por causa dela, e aprender a empreender com ela”. 

Leia também: A indústria da maconha nos EUA é administrada por homens brancos não-fumantes

lazy placeholder Depoimento em vídeo denuncia maconha e racismo nos EUA

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário