Em Denver, imigrantes estão tendo cidadania negada por empregos de maconha

plantacao indoor imigrante Em Denver, imigrantes estão tendo cidadania negada por empregos de maconha

A perseguição de Trump aos imigrantes está atingindo até mesmo os casos de situação legal. O fato de trabalharem no mercado da maconha está sendo usado como justificativa para se negar a cidadania. As informações são do The Denver Post.

O prefeito de Denver Michael Hancock e a advogada da cidade Kristin Bronson estão pressionando o governo Trump para repensar suas políticas de cidadania depois que os imigrantes legais em Denver estão tendo negada a oportunidade de se tornarem cidadãos naturalizados por trabalharem na indústria da maconha.

Uma das pessoas afetadas é Oswaldo Barrientos, que mora nos Estados Unidos há mais de 20 anos. Trazido para os EUA por sua mãe de El Salvador quando tinha 1 ano de idade, Barrientos não tem histórico criminal. Ele entrou na indústria da maconha depois que sua mãe foi diagnosticada com câncer, porque ele viu o quão eficaz poderia ser para seus sintomas.

“Eu pensei que eu já estava dentro”, Barrientos disse em uma entrevista quarta-feira do The Dab, um negócio de cultivo de maconha, onde ele trabalhou nos últimos cinco anos. “Então recebi uma carta do governo dizendo que ‘faltava caráter moral’. Fiquei chocado”.

Em carta enviada quarta-feira ao Procurador Geral dos EUA, William Barr, Hancock disse que se encontrou com Barrientos e outro imigrante da Lituânia, que também vive no Colorado há duas décadas.

“Eles se formaram em nossas escolas”, escreveu o prefeito. “Eles pagaram seus impostos. Eles estão trabalhando para alcançar o sonho americano e cumprir os processos estabelecidos para se tornarem parte de nossa grande sociedade, mas foi negada a naturalização somente por causa de seu emprego na indústria de cannabis”.

A carta ao procurador-geral é o mais recente esforço de Denver para resistir às políticas de imigração do governo Trump. E essa resistência atraiu críticas do governo federal e dos partidários de Trump, que classificaram Denver como a chamada cidade-santuário.

Leia: Trump dá prazo de um ano ao México para conter drogas na fronteira

Apenas um dos dois imigrantes, Barrientos, foi nomeado. O outro permanece anônimo por temer complicações em seu emprego na área médica, de acordo com um comunicado à imprensa da prefeitura da cidade.

“Pessoas como eu, especificamente imigrantes, sentem que foram alvejadas porque trabalhamos nessa indústria”, disse Barrientos.

Debbie Cannon, porta-voz dos Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA, disse em um comunicado: “A maconha é ilegal sob a lei federal e como uma agência federal o USCIS é obrigado a julgar com base na lei federal”.

A declaração acrescentou que, apesar das leis estaduais que permitem o uso de maconha, “como uma agência federal, estamos legalmente impossibilitados de fazer considerações especiais nesses casos a menos que ou até que a lei federal seja alterada”.

Aaron Elinoff, um dos advogados de Barrientos, disse que a política é simplesmente uma extensão da repressão do governo federal aos imigrantes.

“Se o poder executivo está tão decidido a manter a lei federal, você verá o gabinete do procurador dos EUA processando todos os donos de negócios de maconha, todos que trabalharam na indústria”, disse Elinoff. “Mas eles não estão. Em vez disso, eles estão visando apenas os imigrantes”.

A carta de Hancock ao procurador-geral busca orientação federal sobre os trabalhos de cannabis.

“A Prefeitura e o Condado de Denver respeitosamente solicitam orientação formal do Departamento de Justiça dos EUA (DOJ) que esclareça e ajuste as políticas que estão impactando negativamente o status legal de imigração das pessoas que trabalham ou já trabalharam na indústria legal de cannabis do Colorado”, disse a carta. “Acreditamos firmemente que essa orientação é imperativa para garantir a implementação e aplicação consistentes das leis e regulamentações estaduais sobre a maconha nos mais de 30 estados dos EUA que escolheram legalizar total ou parcialmente a cannabis”.

Enquanto isso, a estação de televisão de acesso público da cidade começará a publicar anúncios, alertando os imigrantes sobre os riscos do envolvimento na indústria da maconha. A cidade disse que distribuirá um panfleto que avisa sobre esses riscos.

O panfleto, que apresenta o logotipo e o slogan da cidade de Denver, junto com imagens de plantas de maconha, alerta em inglês e espanhol que “trabalhar na indústria da maconha pode impactar seu status de imigração ou cidadania” e aconselha os imigrantes a consultarem um advogado de imigração.

Embora Barrientos não tenha sido acusado de nenhum crime, ele teve que prestar depoimento juramentado na audiência de cidadania, onde foi convidado a ler os delitos federais de drogas e depois admitir que seu trabalho na indústria da maconha violava as leis federais.

“Acreditamos que o governo está usando essas declarações juramentadas contra os candidatos”, disse Bryce Downer, outro advogado que representa Barrientos. “Eles poderiam fazer isso para privá-los de sua liberdade, sem fianças, e para colocá-los em processo de remoção para essencialmente privá-los de seu status de residente permanente legal”.

Barrientos e o imigrante não identificado referenciado por Hancock são representados pelo Novo Legal Group. O escritório de advocacia de imigração de Denver também representa Jeanette Vizguerra, uma imigrante indocumentada que procura abrigo em uma igreja local para evitar a deportação.

Elinoff disse que seus clientes estão apelando da decisão e consideram desafiar a política no tribunal federal se os recursos falharem.

Leia também:

Denver anulará milhares de sentenças prévias à legalização da maconha

#PraCegoVer: fotografia (de capa) de uma grande plantação de maconha em um ambiente fechado, como pode-se ver pelo ventilador e uma parede branca ao fundo, e um homem (ao fundo) vestindo camisa xadrez e encoberto até a altura do peito pelas plantas. Créditos da foto: Thomas Peipert – AP Photo.

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!
[mailpoet_form id="2"]
Deixe seu comentário