Yogajuana: como defensores da maconha estão quebrando o estigma com yoga

yoga Yogajuana: como defensores da maconha estão quebrando o estigma com yoga

Você pode estar familiarizado com a prática e as posturas de yoga, mas já ouviu falar em yogajuana? Conheça a prática na reportagem da ABC7 Southwest Florida

Por milênios, a yoga foi usada para curar a mente, o corpo e o espírito. Alguns a usam para treinamento de força ou flexibilidade, mas agora alguns membros da comunidade de maconha medicinal do sudoeste da Flórida (EUA) estão levando a yoga a um nível mais profundo, incorporando cannabis.

“Viemos para a yoga para trabalhar em nossas próprias áreas individuais, quer estejamos tentando abrir mão de algo ou conjurar alguma coisa, curar algo, então esse é realmente o conceito”, disse Tara Mina, uma instrutora de yoga e defensora da cannabis, também conhecida como “Yoga Mama”. “Não se trata tanto de cannabis, mas de tratar os sintomas do motivo pelo qual escolhemos usar cannabis”.

gravital sb Yogajuana: como defensores da maconha estão quebrando o estigma com yoga

 

 

 

 

Leia também: CBD Yoga: prática une canabidiol à arte da meditação

Os membros que frequentam as aulas particulares de yogajuana de Mina recebem maconha medicinal. Eles não se sentam em círculo e fumam um baseado ou distribuem comestíveis. Um dos principais pontos da yogajuana é quebrar o estigma que ainda existe em relação ao uso da maconha.

“Em vez de usar sua cannabis e ir para casa e ficar sentado no sofá comendo Doritos, você pode praticar yoga, resolver esses problemas, relaxar as costas, relaxar sua ansiedade, construir sua autoconfiança e ir para dentro e encontrar seu poder”, disse Mina.

Mina recomenda que os participantes usem sua cannabis em seus próprios termos, conforme prescrito, e então usem yoga para aprimorar os benefícios.

“Acho que ajuda você a se centrar um pouco, torna-o um pouco mais introspectivo”, disse ela.

Leia mais: Namastreta: como é uma sessão de yoga com cannabis?

Jaime Renee Cruz, uma paciente de maconha medicinal, ficou no hospital por cinco meses lutando por sua vida. Seus problemas autoimunes estavam atacando seu corpo e enquanto ela lutava para se manter viva, ela não queria se tornar viciada em opiáceos.

Então, seu médico de controle da dor sugeriu que ela usasse cannabis.

“Eu não estaria aqui hoje em uma aula de yoga, muito menos sendo capaz de tocar meus dedos dos pés, sem cannabis”, disse a paciente de maconha medicinal, Jaime Renee Cruz.

Foi apenas o início de sua jornada com a cannabis.

“Na época, eu era atormentada pelo estigma, por estar na área médica há 25 anos”, disse Cruz. “Minha filha mais velha estava familiarizada com a cannabis e sempre dizia ‘chapada da mamãe!’. E isso realmente me perturbou por um bom tempo, porque eu era atormentada pelo estigma.”

Leia: O perigo representado pela desinformação propagada por um médico antimaconha

Cruz disse que uma maneira de quebrar o estigma de si mesma foi pensando na maconha como o que ela estava usando — remédio.

“Peguei cada sintoma que estava tratando e em meu cérebro e comparei com o produto farmacêutico que usaria e com que frequência o tomaria”, disse ela. “Então, se eu tivesse que usar cannabis a cada duas horas, estaria aceitando isso porque, se não, eu teria que usar outra coisa a cada duas horas.”

Agora, Cruz é uma defensora da cannabis. Ela abriu uma empresa, voltada para a educação, chamada 420RX. Nas redes sociais, ela tem mais de 12.000 seguidores.

“Eu fiz muitos vídeos de comestíveis para ajudar os pacientes a microdosar sua cannabis”, disse Cruz. “Você pode microdosar e funcionar como um adulto sem preocupação. É o problema quando as pessoas sabem por causa do estigma… é por isso que estamos trabalhando tão duro para quebrá-lo.”

Leia também: Microdosagem de psicodélicos pode ser tão boa quanto a yoga para o seu humor?

Norman Gallon frequenta a yogajuana com a mesma missão: quebrar o estigma.

“No momento, o estigma são os maconheiros preguiçosos ou pessoas que realmente não se importam com seu futuro”, disse Gallon.

Gallon é um lutador de artes marciais mistas com objetivos de chegar ao topo.

“Sou um lutador amador e me tornarei profissional no próximo ano”, disse Gallon. “Tenho 4-0 em 135 com ambições de ser campeão mundial”.

Gallon disse que as mesmas coisas associadas à preguiça o ajudaram a curar ferimentos e continuar lutando.

“Vou usá-la antes de treinar também, quase meditativamente”, disse ele.

Agência Mundial Antidoping anuncia que vai rever a cannabis como substância proibida

Gallon disse que combinar cannabis com yoga tem sido crucial para sua rotina.

“Eu honestamente faço yoga mais do que levanto pesos tradicionais agora”, disse ele. “Ambas as coisas me ajudam a relaxar e a não pensar demais sobre a vida. Isso me ajuda a apenas pensar no presente.”

Quando Gallon olha ao seu redor nas sessões de yogajuana, ele vê uma comunidade — diferentes pessoas com diferentes origens buscando cura por diferentes razões.

“A comunidade de cannabis está viva em Lee County”, disse Mina. “Ainda pode ser pequeno em comparação com Miami ou Tampa, mas estamos aqui e está crescendo”.

Para Mina, quebrar o estigma em torno da maconha é pessoal. Até hoje ela usa cannabis e yoga para a cura.

“Em 1998, quando eu tinha oito anos, meu pai foi condenado à prisão por tráfico de maconha”, disse Mina. “Antes disso, dez anos antes, ele era um policial de Tampa Bay.”

Leia mais: Homem preso há 25 anos por venda de maconha é libertado nos EUA

Conforme ela crescia, Mina se tornou uma defensora.

“Depois que cresci e percebi o que era a cannabis, comecei a defendê-la mais porque percebi que meu pai foi para a prisão por 3,5 anos, dos 8 aos 12 anos eu perdi todo aquele tempo com meu pai”, disse Mina.

Mina começou a ensinar yogajuana na Iona Cannabis Clinic. Lá, você encontrará o Dr. Gregor Sonn, um player-chave na construção da comunidade canábica local e quebrando o estigma.

“Primeiro e mais importante, somos um consultório médico”, disse ele. “Se nos referirmos à cannabis como remédio de cima a baixo, vamos quebrar barreiras, isso é apenas um progresso natural.”

Dr. Sonn viu esse progresso em primeira mão. Quando a Flórida legalizou a maconha medicinal pela primeira vez em 2016, ele começou uma nova clínica de bem-estar. Ele fez o pivô para prescrever maconha medicinal e agora está atendendo pacientes de todas as idades e estilos de vida.

“É incrível a resposta que recebemos de pacientes, médicos, famílias, mães, pais, sim — todos os grupos demográficos”, disse o Dr. Sonn. “Mesmo as pessoas que estão verificando nosso trabalho, por assim dizer, também são pacientes.”

Independentemente do uso mais difundido, Sonn disse que ainda há trabalho a fazer.

“Infelizmente, ainda é ilegal em nível federal”, disse ele.

Leia: Mais de 90% das cidades do Maine ainda não permitem vendas de maconha adulta

A Drug Enforcement Administration (DEA — agência antidrogas dos EUA) ainda lista a maconha como uma substância do cronograma I.

“Drogas, substâncias ou produtos químicos da Tabela I são definidas como drogas sem uso médico atualmente aceito e com alto potencial para abuso”, de acordo com a DEA.

No entanto, mais e mais estudos estão surgindo, mostrando que a maconha é eficaz como medicamento. É usada para tratar uma ampla gama de doenças, desde distúrbios do sono, dor e náusea até ansiedade e TEPT.

“As coisas que são encontradas em uma planta de cannabis também são encontradas em coisas do dia a dia, vegetais e frutas, ervas que usamos todos os dias”, disse Jodi Hahn, uma especialista em CBD no Seed and Bean Market em Fort Myers. “Todos nós temos um sistema endocanabinoide em nós, o que significa que estamos prontos para receber diferentes canabinoides. Ele está lá esperando por isso. Existe ciência real por trás dessas coisas.”

Quando se trata das próximas etapas para normalizar o uso de cannabis, o Dr. Sonn disse que espera que a Flórida comece a permitir que os pacientes a cultivem em casa.

“Parece uma coisa terrivelmente estranha que tenhamos criado este programa de cultivo de uma planta que quase qualquer pessoa pode fazer, mas é ilegal”, disse ele. “Estamos forçando os pacientes a gastar dinheiro que eles não precisam.”

Agora mesmo, na Flórida, há uma iniciativa para legalizar o uso pessoal de maconha para todos os adultos de 21 anos ou mais. Também permitiria que adultos obtivessem autorizações para cultivar sua própria maconha em casa.

Na semana passada, o Sensible Florida PAC anunciou uma nova campanha de petições que colocaria a proposta diante dos eleitores em 2022.

“Nossa emenda permitirá que os adultos consentidos escolham se desejam usar maconha legal e responsavelmente, em vez de serem rotulados como criminosos, ao mesmo tempo que reduzirá o ônus colocado sobre os recursos da aplicação da lei de uma era desatualizada de proibição”, de acordo com um comunicado à imprensa do Sensible Florida PAC.

Defensores locais disseram que o objetivo é mudar a constituição do estado por meio de votação, em vez de a proposta ir para os legisladores.

Saiba mais:

Ativistas pró-maconha da Flórida (EUA) apresentam nova iniciativa de legalização para eleição de 2022

#PraTodosVerem: fotografia mostra a silhueta de uma pessoa sentada e com as mãos unidas acima da cabeça, na direção do sol que aparece ao fundo, entre vegetações. Imagem: Prasanth Inturi / Pexels.

smokebuddies logo2 Yogajuana: como defensores da maconha estão quebrando o estigma com yoga

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!