Sociedade Canadense de Pediatria insta médicos a discutirem uso de maconha com adolescentes

fumaca cachimbo pipe jovem Sociedade Canadense de Pediatria insta médicos a discutirem uso de maconha com adolescentes

Em artigo publicado nesta quinta-feira, a entidade pede que os médicos normalizem o debate sobre cannabis com seus pacientes jovens, dada a forma comum de consumo. As informações são do The Globe and Mail, traduzidas pela Smoke Buddies

Os médicos devem rotineiramente perguntar aos adolescentes sobre o uso de cannabis para ajudar a identificar padrões de uso indevido que podem levar à depressão, ansiedade, problemas na escola e outros problemas de saúde mental e física, de acordo com a associação nacional do Canadá que representa os pediatras.

Em um novo artigo publicado nesta quinta-feira, a Canadian Pediatric Society (CPS) pede que os médicos normalizem as discussões sobre cannabis com seus pacientes jovens, dada a forma comum de consumo e o fato de que um em cada seis adolescentes que a usa irá desenvolver problemas mentais ou físicos como resultado. De acordo com uma pesquisa da Health Canada publicada no ano passado, 44% dos jovens de 16 a 19 anos de idade no Canadá experimentaram cannabis no ano anterior. O novo artigo afirma que muitos pais e jovens estão preocupados com os possíveis efeitos sobre a saúde da cannabis e estão procurando por seus médicos por respostas.

site sb Sociedade Canadense de Pediatria insta médicos a discutirem uso de maconha com adolescentes

Christina Grant, copresidente do grupo consultivo do projeto de cannabis da CPS, disse que muitos jovens podem ir ao seu médico com sintomas que nem percebem estarem relacionados ao uso da cannabis, como perda de concentração, dificuldade para dormir e mudanças de humor, mas os médicos podem se sentir despreparados para iniciar a discussão. O novo documento publicado pela CPS fornece aos médicos recursos e kits de ferramentas com conselhos baseados em evidências sobre como iniciar a conversa de maneira não julgadora e identificar sinais de possível uso indevido de cannabis.

Leia mais: Consumo de maconha caiu entre jovens canadenses após legalização

“Realmente queremos ajudar os profissionais a ter uma abordagem que respeite muito o adolescente à sua frente em seu consultório”, disse Grant.

Karen Leslie, médica em medicina de adolescentes e líder do programa de abuso de substâncias do Hospital for Sick Children de Toronto, disse que conversas sobre cannabis, além de álcool e vaping, devem ocorrer em todas as consultas de saúde de adolescentes.

“Você precisa ser oportunista”, disse Leslie. “Qualquer conexão com um profissional de saúde é uma oportunidade para algum tipo de orientação antecipada”.

O novo documento de orientação enfatiza a importância de manter a confidencialidade do paciente e responder às perguntas honestamente. Os médicos também devem perguntar aos adolescentes como o uso de cannabis pode estar afetando todas as facetas de sua vida, incluindo família, escola, trabalho e relações pessoais. O documento também fornece recursos que os médicos podem usar para ajudar a rastrear o uso problemático de cannabis.

A cannabis, que foi legalizada no Canadá em 2018, pode levar a uma série de problemas de saúde, principalmente se as pessoas começarem a usá-la desde cedo. Os jovens são particularmente vulneráveis ​​a mudanças no desenvolvimento cerebral que podem resultar do uso frequente.

Leslie disse que existe um espectro de problemas de saúde que os jovens podem desenvolver como resultado do uso de cannabis, como ansiedade e distúrbios do sono. Em alguns jovens, particularmente aqueles em grupos de alto risco, como aqueles com histórico familiar de esquizofrenia, o uso de cannabis também pode levar a um aumento do risco de psicose.

Mas ainda não existe um entendimento claro sobre exatamente quem pode estar em risco de problemas de saúde relacionados à cannabis, por isso é uma boa ideia que os médicos conversem com todos os seus pacientes jovens sobre o assunto. Por exemplo, muitos jovens acreditam que a cannabis pode ajudar a aliviar a ansiedade, mas a Dra. Leslie diz que, com o tempo, pode na realidade piorar o problema.

“Muito disso é olhar para fatores de risco para um jovem”, disse ela. “Eu acho que é um equilíbrio de dar a eles informações [e] garantir que eles tenham as informações de que precisam”.

Leia também:

Vamos falar abertamente sobre drogas com os jovens?

#PraCegoVer: a fotografia em destaque mostra uma pessoa jovem, em perfil e close-up, expelindo fumaça e segurando um pipe de vidro de cor azul-escuro, e um fundo desfocado e colorido; detalhe para dois desenhos de folha de maconha, em verde-escuro, na bochecha. Foto: GoToVan | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!