COVID-19: o ponto de virada para a legalização global da cannabis

ramo apical COVID 19: o ponto de virada para a legalização global da cannabis

No contexto de uma desaceleração econômica e enormes gastos do governo após o Covid-19, serão cada vez mais atraentes os benefícios financeiros de uma indústria de cannabis legal. Entenda mais sobre como a legalização da maconha pode ser a resposta à pandemia do coronavírus no artigo da Prohibition Partners, traduzido pela Smoke Buddies

Na sexta-feira, 3 de abril de 2020, havia mais de um milhão de casos confirmados de coronavírus em todo o mundo. Analistas do FMI e da ONU estão prevendo que uma recessão global ocorrerá após a pandemia, cuja longevidade é imprevisível. À medida que isso se desenvolve, o potencial de uma indústria de cannabis legal para fornecer empregos e impostos à prova de recessão se tornará cada vez mais atraente para os governos em todo o mundo.

Na semana passada, a Prohibition Partners relatou o impacto da atual pandemia no comportamento do consumidor de cannabis e como os estoques de ações de cannabis estão se saindo durante a crise do mercado. Nesta semana, analisamos detalhadamente por que a legalização deve progredir em resposta à atual pandemia e à consequente desaceleração econômica, que deve piorar antes de melhorar.

lazy placeholder COVID 19: o ponto de virada para a legalização global da cannabis

O potencial financeiro do levantamento da proibição

O COVID-19 contribuiu para o pior trimestre da história do mercado de ações, e grupos como o FMI e a ONU estão agora alertando para o potencial de uma recessão acentuada. Isso significa uma desaceleração da atividade econômica e perdas generalizadas de empregos. A resposta de governos como os dos EUA, Austrália e Reino Unido foi a liberação maciça de pacotes de estímulo fiscal. É provável que a UE e a China sigam o exemplo. Quer esses pacotes fiscais atinjam seu objetivo ou não, provavelmente serão compensados ​​no futuro por meio de um aumento de tributação.

Isso apresenta uma situação semelhante à proibição do álcool nos EUA durante a Grande Depressão de 1932. As pressões impostas aos países devido à recessão tornam óbvio que fontes potenciais de trabalho e tributação não podem mais ser ignoradas. Os antiproibicionistas discutiram esses pontos nos EUA e derrubaram a proibição de cerveja e vinho durante o curso da depressão. Hoje, a indústria do álcool suporta milhões de empregos em todo o mundo e gera bilhões somente em receita tributária.

A cannabis apresenta uma oportunidade semelhante que agora pode ser aproveitada pelos governos em todo o mundo. Os mercados que utilizam o poder econômico da indústria da cannabis demonstraram benefícios sociais e de infraestrutura. Colorado e Washington relataram US$ 303 milhões e US$ 400 milhões, respectivamente, em impostos sobre vendas relacionados à cannabis em 2019. Em outro lugar, a Prohibition Partners estima que uma indústria de cannabis legal possa valer até  £ 3 bilhões para o Reino Unido até 2024.

Leia mais: Em três anos, mercado de cannabis pode movimentar R$ 4,6 bilhões no Brasil

Além do financeiro

Há anos, economistas, profissionais de saúde e o público têm mudado cada vez mais a favor de uma indústria de cannabis legal. Em 2010, o economista de Harvard Jeffrey Milton divulgou um famoso relatório descrevendo o enorme incentivo financeiro para legalizar e tributar a cannabis. Este relatório recebeu apoio de mais de 300 economistas, incluindo os ganhadores do Nobel, que pediram ao governo dos EUA que considerasse o enorme potencial econômico da legalização da cannabis.

Da mesma forma, a maioria dos médicos nos EUA tem afirmado que eles acreditam que a cannabis tem benefícios médicos e deve ser legalizada para uso médico. A opinião pública também apoia especialistas em economia e saúde no apoio à legalização da cannabis medicinal, pelo menos. Em 2019, a empresa de pesquisa de mercado Ipsos pesquisou opiniões sobre a legalização da cannabis em 27 países e descobriu que apenas quatro tinham uma maioria que se opunha à legalização da cannabis medicinal.

Embora o mundo não tenha conseguido aproveitar o potencial econômico dos mercados legais de cannabis durante a última crise global, o setor avançou dramaticamente desde então. A opinião pública mudou a favor da cannabis medicinal e o apoio ao uso adulto está crescendo, ensaios clínicos e pesquisas em saúde estão avançando nossa compreensão da planta de cannabis e blueprint de mercados como Canadá, Colorado e Washington, exemplificando o valor social de mercados totalmente legais. Os participantes do setor e a mecânica logística estão todos no lugar, e a base de consumidores está esperando e desejando. A legalização completa finalmente colocaria em movimento um setor totalmente operacional com potencial para gerar bilhões de dólares tributáveis.

Uma base pronta de consumidores

A legalização representa uma vitória fácil para qualquer governo que queira construir uma indústria com alto potencial de receita. A cannabis não é de forma alguma um novo produto e não há dúvida sobre a demanda global. A falta de um mercado regulamentado legal que atenda a essas demandas é inerentemente arriscada para o uso adulto, mas também para usuários medicinais. No mês passado, a Prohibition Partners entrevistou 15.098 adultos com mais de 16 anos nos mercados maduros dos EUA, Canadá, Alemanha, Reino Unido, Itália, Espanha e França. Os entrevistados foram questionados sobre como eles mantêm uma boa saúde ou tratam condições médicas. Incluindo aqueles que não usam cannabis de nenhuma outra forma, quase 8% das pessoas nos sete países relataram automedicação com cannabis. Abaixo, mostramos como os resultados se traduzem no número de pessoas que podem se automedicar em cada país.

lazy placeholder COVID 19: o ponto de virada para a legalização global da cannabis

#PraCegoVer: relatório de barras horizontais de cor amarela que representa a estimativa da Prohibition Partners do números de pessoas que se automedicam com cannabis nos EUA, Alemanha, Reino Unido, Canadá, Espanha, França e Itália.

Nesses sete países, estima-se que 67,7 milhões de pessoas se automedicam com cannabis, sendo a maioria vinda dos EUA — lar de uma grande população e maior prevalência de uso de maconha em geral. A automedicação aumenta os riscos de vários problemas médicos, como erros de diagnóstico, dosagem incorreta e aumento do risco de dependência, além dos riscos decorrentes da obtenção de remédios dos vendedores de rua. A solução para esses riscos é controlar o uso de cannabis por meios legais, garantindo que os consumidores de cannabis para uso medicinal e adulto não sejam deixados para comprar seu produto em canais não regulamentados que operam fora dos padrões médicos e sistemas tributários regulares.

Leia: Crise de coronavírus mostra que maconha é essencial e mainstream

As linhas de suprimento atuais estão se mostrando vulneráveis ​​ao COVID-19

O COVID-19 está revelando as inadequações das regulamentações atuais no fornecimento de medicamentos cruciais para centenas de milhares de pacientes. Na Espanha, cerca de 200.000 pacientes que já haviam adquirido medicamentos em clubes de cannabis, existentes em zonas cinzentas legais, agora estão sem suprimentos médicos de cannabis. Na Alemanha, a Associação da Indústria de Cannabis alertou que a pressão causada pelo COVID-19 está levando a gargalos de fornecimento, que são agravados pelos processos complicados que envolvem pacientes que obtêm prescrições, farmácias que fornecem cannabis e distribuidores que fornecem cannabis em todo o país.

Esses desenvolvimentos estão nos mostrando que o sistema atual de suprimento de cannabis medicinal na maioria das regiões é complicado demais, inadequado e vulnerável a choques como a pandemia atual e precisa ser substituído por esquemas abrangentes de acesso a medicamentos para garantir que a demanda dos pacientes seja atendida.

Mortes por COVID-19 na prisão e a reação à criminalização da cannabis

A proibição da cannabis criminaliza milhões de pessoas comuns. Por exemplo, nos EUA, mais de 609.000 pessoas foram presas simplesmente por possuir cannabis em 2018. Na UE, mais de 840.000 delitos por posse de cannabis foram registrados em 2017. Grupos desfavorecidos da sociedade geralmente têm mais chances de serem prejudicados por essas práticas do que outros e agora existem grandes campanhas por justiça restaurativa para comunidades punidas erroneamente sob a guerra às drogas. O COVID-19 também ameaça exacerbar a tragédia associada à criminalização do porte de cannabis, uma vez que os prisioneiros com condições de saúde subjacentes estão atualmente enfrentando uma potencial ‘sentença de morte’ como resultado da disseminação do vírus nas prisões. A morte de qualquer prisioneiro que provavelmente enfrentaria o fim de sua sentença nos próximos anos servirá como um lembrete oportuno da injustiça da proibição.

Além do elemento humano da injustiça humana, os economistas há muito apontam que mais de US$ 7,7 bilhões dos contribuintes são desperdiçados a cada ano na aplicação de leis antiquadas de drogas apenas nos EUA. No contexto de uma desaceleração econômica e enormes gastos do governo após o COVID-19, será cada vez mais atraente colher os benefícios financeiros da legalização da cannabis, além de diminuir a carga sobre o sistema de justiça.

Próximos passos…

No início de abril de 2020, o COVID-19 ainda está causando desligamentos sem precedentes em todo o mundo e ainda é muito cedo para avaliar quando a pandemia atingirá o pico e quando os efeitos posteriores desaparecerão. É claro que o impacto financeiro do surto afetará todos os governos do mundo.

Um sistema legalizado de cannabis poderia fornecer um estímulo muito necessário durante a potencial desaceleração. Regiões pioneiras como o Canadá e alguns estados dos EUA traçaram grande parte do curso em direção a um sistema responsável de controle da cannabis e as lições aprendidas sobre o que funciona e o que não funciona em sistemas de licenciamento, conformidade, padronização e logística de varejo podem ser aplicadas — e aplicadas em rapidamente.

O que vimos como resultado do COVID-19 é a capacidade de governos, sistemas de saúde e comércio global mudarem fundamentalmente a maneira como operam e se adaptarem rapidamente a uma situação em evolução.

As atitudes em relação à cannabis mudaram devido a uma crescente compreensão da planta de cannabis, dados empíricos dos mercados legais e, mais importante, a evolução da maneira como escolhemos tratar pacientes e consumidores que a utilizam.

Leia também:

Liberação de cultivo da maconha pode colocar Brasil como grande exportador

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em plano fechado que mostra o ramo apical de uma planta de maconha com vários pistilos brancos concentrados onde será formada a flor e folhas serrilhadas e um fundo em tons de roxo. Foto: Jose Luis Sanchez Pereyra | Unsplash.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!