Covid-19: Coronavírus e o impacto no mundo da cannabis

ilustracao pessoas mascaras coronavirus Covid 19: Coronavírus e o impacto no mundo da cannabis

A Covid-19, doença provocada pelo coronavírus, já chegou a cinco continentes, inclusive ao Brasil. Mas, como o surto de coronavírus — que matou centenas e adoeceu milhares — está impactando o mundo da cannabis?

Além da China, outros 50 países já registraram casos confirmados de infecção por coronavírus, incluindo o Brasil, que confirmou na quarta-feira (26) o primeiro caso de infecção.

Grécia, Geórgia, Macedônia do Norte, Noruega, Romênia e Paquistão também confirmaram os primeiros casos. Os mais recentes foram registrados na Itália, que já soma 12 mortes e é o país da Europa mais afetado pelo vírus até o momento.

lazy placeholder Covid 19: Coronavírus e o impacto no mundo da cannabis

O número de infecções no mundo chegou a 82.171 e não há tratamento efetivo contra a doença até agora, mas não há necessidade de pânico por causa da epidemia segundo Hans Kluge, diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Cannabis combate o Coronavírus?

Certamente, a primeira coisa que vem às nossas cabeças é a questão: existe algum benefício na cannabis para combater ou prevenir a infecção por coronavírus?

Categoricamente, segundo especialistas da New Frontier Data, a resposta é NÃO. No começo de fevereiro (5), o portal especializado na geração de dados sobre o mercado da cannabis no mundo recebeu, na sua seção “Pergunte aos nossos especialistas”, uma questão bastante pertinente diante da situação global que vivemos:

“Dado o surto de coronavírus e a subsequente disseminação de rumores e mitos urbanos, existe algum benefício conhecido da cannabis em relação à possível epidemia?”

No texto resposta, a New Frontier Data afirma que “apesar da demanda popular e soluções contra os riscos à saúde legitimamente divulgados durante a temporada de gripe clínica ou o recente aparecimento do coronavírus em Wuhan (China), não há nenhum papel conhecido da Cannabis contra eles“.

Leia também: Composto da maconha pode ser arma na luta contra superbactérias

Impactos no mercado da cannabis

Os avanços e impactos do coronavírus na economia global e brasileira já podem ser sentidos. Epidemias afetam cadeias globais de suprimentos, abalam bolsas, derrubam preços do petróleo, elevam preocupações sobre a desaceleração da economia chinesa e global, e, claro, afetam o mercado mundial da cannabis e seus acessórios para cultura e uso.

O impacto global tem elevado as preocupações de investidores e governos pelo mundo. Infelizmente, esta não será uma exclusividade do mercado tradicional, o setor canábico também está sentindo o reflexo. As empresas de vaporizadores de cannabis que dependem de fornecedores chineses estão sofrendo interferência no fluxo de hardware e outros produtos, como mostra o artigo de Bart Shanemam para o MJBizDaily.

Segundo o artigo, as tensões entre os Estados Unidos e China já causaram interrupções na cadeia de suprimentos. E uma edição mais recente ressalta as vulnerabilidades no mercado global em que as empresas de vape e outras empresas canábicas dependem de produtos que vão desde a iluminação de led até as embalagens de suprimentos, produzidas e importadas da China.

“O coronavírus teve um impacto significativo em toda a cadeia de suprimentos fabricados na China, o que será sentido nos próximos meses”, disse ao MJBiz Richard Huang, CEO da Cloudious9, fabricante de vaporizadores de cannabis com sede em Hayward, Califórnia.

Huang destacou que a indústria de vaporizadores de cannabis é em sua essência um negócio de hardware, e que quase todos os vapes, cartuchos e baterias são fabricados na China.

Arnaud Dumas de Rauly, cofundador e CEO do The Blinc Group, um fabricante de hardware para vapes de cannabis em Nova York, disse que a “descontinuidade” é o maior risco para sua cadeia de suprimentos.

“Se vários fornecedores importantes de matérias-primas fecharem repentinamente ou atrasarem vários meses em seus envios, isso continuará uma ameaça para nossa capacidade de atendimento em tempo hábil”, disse Dumas de Rauly ao MJBiz.

Leia mais: China já está lucrando com a legalização de cannabis em outros países

Além do impacto para os fabricantes de vape, ele supõe que essa paralisação do trabalho afete todos os setores da indústria da cannabis, incluindo cultivadores que usam iluminação com LED, boxes de cultivo e fornecedores de equipamentos para embalagem e extração.

Huang disse que o surto ocorreu em um momento particularmente infeliz, uma vez que ocorreu durante o Ano Novo Chinês, quando as fábricas foram fechadas e os trabalhadores estavam em casa. Retornar esses trabalhadores às instalações levará mais tempo que o previsto.

As férias do Ano Novo, que começaram em 24 de janeiro, foram estendidas além dos tradicionais sete dias de descanso, visando tentar frear a epidemia. O objetivo era estimular as pessoas a permanecerem no lugar em que estavam.

Em quase toda a China, empresas e fábricas foram autorizadas a retomar suas atividades a partir de 10 de fevereiro. Mas milhões de trabalhadores não conseguiram retornar ao trabalho após o fim do feriado prolongado do Ano Novo Lunar.

Segundo artigo d’O Globo, no último dia 16, segundo o vice-ministro de Transportes, Liu Xiaoming, o tráfego de passageiros nas estradas, ferrovias ou aeroportos correspondia a 20% do registrado no mesmo dia de 2019. Espera-se que 120 milhões de pessoas voltem ao trabalho até o fim deste mês (o que elevaria o contingente de trabalhadores para dois terços da capacidade), e o restante, se a epidemia for contida, apenas em março.

Recomendações

A transmissão do coronavírus se dá pelo contágio via animal, contato com carnes de animais silvestres, e pelo contágio entre humanos. A forma mais comum é pelo ar quando a pessoa contaminada tosse ou espirra, espalhando o vírus.

Os sintomas em casos menos graves podem ser detectados por febre e dificuldade ao respirar. Nos casos de maior gravidade é possível uma síndrome respiratória aguda grave e insuficiência renal.

Segundo a Organização Mundial da Saúde e Ministério da Saúde, o meio mais eficaz de evitar a contaminação por vírus é a etiqueta respiratória, ou seja, cobrir as bocas ao tossir ou espirrar, lavar regulamente as mãos com água morna e sabão, evitar tocar nos olhos ou nariz, cozinhar bem carne e ovos e manter um estilo de vida saudável.

Se você desejar monitorar a proliferação do vírus em tempo real, acesse o painel online gisanddata (link abaixo). Este painel atualizado em tempo real é baseado nos dados da OMS, nos centros de doenças nos EUA, China e Europa. Nele, você pode acompanhar todos os casos de contaminação e morte pelo vírus Covid-19. Para acessar basta clicar aqui Coronavirus COVID-19 Global Cases.

Leia também:

Reefer Madness 2.0: loucura proibicionista chega aos vaporizadores de maconha

#PraCegoVer: a imagem de capa é uma ilustração que mostra diversas pessoas, com roupas, peles e cabelos de diversas cores, usando máscaras brancas. Imagem: Adobe Stock.

lazy placeholder Covid 19: Coronavírus e o impacto no mundo da cannabis

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!