Corte de verbas das universidades públicas paralisa pesquisa promissora contra Alzheimer

folhagem foto Luiz Corte de verbas das universidades públicas paralisa pesquisa promissora contra Alzheimer

Os testes, realizados com um canabinoide sintético em ratos, revelaram resultados positivos, porém o estudo precisou ser interrompido por falta de verbas. As informações são da EBC, via Carta Campinas

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) conseguiu combater os sintomas do Alzheimer usando um composto canabinoide (derivado da maconha). Os testes apresentaram bons resultados em ratos em que houve a simulação dos estágios iniciais da doença. Os resultados forma publicados na revista científica Neurotoxicity Research.

Segundo a coordenadora do estudo, professora Andréa Torrão, os resultados da administração do canabinoide foram “bem positivos”. De acordo com a pesquisadora, foi verificada uma “reversão do déficit cognitivo”– isso significa que o composto foi capaz de impedir a progressão da doença simulada em uma fase inicial.

Leia: Princípio ativo da maconha pode ajudar a prevenir Alzheimer

Apesar do sucesso dos primeiros resultados, o corte de recursos das universidades públicas feito pelo governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro (PSL) está atrasando e dificultando a pesquisa. “Os complexos canabinoides estão muito caros para a gente importar com os cortes de verbas que tem sido feito nos últimos anos”, ressaltou a pesquisadora. Por isso, o grupo tem usado outras substâncias que agem em outros aspectos do Alzheimer.

Além do corte de verbas, o preconceito em relação aos medicamentos derivados da maconha encarecem e dificultam a pesquisa. O Congresso Nacional instaurou uma comissão para analisar um projeto de lei que sugere a aprovação do fornecimento de medicamentos formulados com Cannabis.

“Vários estudos e experiências práticas mostram os benefícios dos medicamentos derivados de Cannabis para aliviar o sofrimento das pessoas que tem síndrome epilética, enjoo e dores resultantes da quimioterapia no tratamento de câncer, e várias evidências estão em análise para aliviar angústias no tratamento do Alzheimer e Parkinson. Famílias sofrem para importar esse tratamento, com grandes riscos de interrupção”, afirmou o ex-ministro da Saúde e atual deputado Alexandre Padilha (PT).

No caso da pesquisa da USP, para os experimentos foi usado o composto sintético ACEA (Araquidonil-2′-cloroetilamida) em animais em que receberam no cérebro a droga estreptozotocina (STZ), que provoca uma deficiência no metabolismo dos neurônios. Em seguida, foram aplicados teste da memória nos ratos, com o reconhecimento de objetos.

Os ratos passaram a ser tratados com o ACEA, uma forma sintética de um dos compostos extraídos da maconha. Ele se liga ao receptor CB1, presente especialmente no hipocampo, parte do cérebro relacionada à memória e que é afetada pelo Alzheimer.

Andréa disse que o ACEA tem sido usado por diversos grupos de pesquisa no mundo, porém, ainda existem aspectos não investigados, que a equipe do Instituto de Ciências Biomédicas tentou avaliar. “Ele foi bem descrito bem mais recentemente. Mas tinha muitas outras perguntas, lacunas, que a gente queria entender”, enfatizou.

Leia também:

THC reduziu os sintomas do mal de Alzheimer em ratos

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em plano fechado e vista inferior da folha de uma planta de cannabis contra a luz, que assume um tom claro e reluzente, acompanhada de outros ramos, e um fundo desfocado, onde pode-se ver a fonte de luz à mostra. Foto: Luiz Michelini.

lazy placeholder Corte de verbas das universidades públicas paralisa pesquisa promissora contra Alzheimer

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário