Consumo de maconha medicinal dobra no Brasil

consumo de maconha medicial dobra no brasil Consumo de maconha medicinal dobra no Brasil

Atualmente, 4.236 pessoas usam medicamentos derivados da maconha no país, para o alívio dos sintomas de diversas doenças, inclusive síndromes raras e depressão. As informações são d’O Tempo.

Quem vê a empolgação de Benício, 10, não imagina que, até quatro anos atrás, sua rotina era de convulsões diárias. Os espasmos musculares eram tão fortes que o impediam de respirar e deixaram sequelas, como dificuldades de movimentação e de comunicação. Segundo o médico Leandro Ramires – pai de Benício e responsável pela Associação dos Usuários de Maconha Medicinal de Belo Horizonte –, ele é portador da Síndrome de Dravet, doença rara que gera um quadro de epilepsia grave.

Em Uberlândia, um menino de 4 anos chegava a ter mais de cem ataques epiléticos diariamente por causa da paralisia cerebral e da síndrome de West. De acordo com o pai dele, Rodrigo Robledo, até setembro de 2017, o cotidiano também incluía um estado semi-vegetativo de até 20 horas seguidas.

Hoje, essas crianças vivem outra realidade. As crises convulsivas e epiléticas de ambas diminuíram até 90%, o que levou à evolução considerável do desenvolvimento motor, do processo de aprendizagem e de comunicação, juntamente com o ganho de autonomia na vida diária delas. Isso graças à dedicação de suas famílias e ao uso do óleo de canabidiol (CBD), extraído da Cannabis, planta popularmente conhecida como maconha.

A substância pode ser usada para tratar sintomas de 34 doenças, sendo mais indicada para epilepsia, autismo, doença de Parkinson, dor crônica, paralisia cerebral, esclerose múltipla, depressão e transtorno de ansiedade. Desde 18 de novembro de 2014, sua importação para uso medicinal (canabidiol) é autorizada no país pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A procura é tamanha que o número de concessões aumentou 100% no último ano. Em 2018, 2.179 pacientes conseguiram a autorização Anvisa – até o último dia 10. Até o fim de 2017, eram 2.055 beneficiados. Hoje, em todo o Brasil, diz a Anvisa, 4.236 pacientes têm a autorização. Em fevereiro de 2018, a Anvisa também aprovou o uso do Mevatyl, primeiro medicamento à base de Cannabis a obter registro no país e a ser vendido em farmácias.

Leia mais: Em 3 anos, Anvisa libera quase o dobro de autorizações para importação de Canabidiol

Se o plantio da maconha para uso medicinal fosse regulamentado no Brasil, no entanto, o tratamento – que tem um elevado custo de importação – se tornaria mais acessível para as mais de 20 mil famílias brasileiras que poderiam ser beneficiadas.

Para a senadora Marta Suplicy (MDB-SP), autora de um projeto de lei que descriminaliza a importação e o plantio da Cannabis sativa para fins medicinais no país, a urgência na regulamentação é de caráter humanitário. “É uma questão de compaixão e de humanidade com o próximo que deve ser resolvida por todos nós”, defende.

“As famílias que vêm até mim contam que não têm condições de arcar com o valor dos tratamentos convencionais – que chegam a R$ 5.000 por mês”, relata Marta. “Elas vendem pertences como carro e imóveis para garantir o mínimo de qualidade aos filhos”.

“Por mais trabalhosa que seja a produção, (o plantio da Cannabis) é a realidade mais próxima de quem precisa (da maconha medicinal)”, diz Leandro, pai de Benício. Ele conta que o preço da importação do canabidiol sofre variação do dólar – chegando a R$ 2.800 por mês –, o que inviabiliza o tratamento para a maioria.

O processo para conseguir o produto não é simples: é necessário ter uma receita médica especial e passar por diversas etapas pela Anvisa. Com a liberação, é possível comprar os produtos em sites internacionais e solicitar a permissão de entrada para a Receita Federal.

Descriminalização para uso terapêutico em andamento
O Projeto de Lei do Senado (PLS) 514/2017, de autoria de Marta Suplicy, tem como maior objetivo descriminalizar a importação de plantas e sementes, o plantio, a cultura e a colheita da Cannabis exclusivamente para fins medicinais ou científicos, em local e prazo predeterminados.

A proposta sugere a manipulação apenas de quantidade suficiente para o tratamento prescrito por médico. “Quem vai fiscalizar é o Estado, como fiscaliza qualquer plantação ilícita. Para a plantação de Cannabis medicinal, se a pessoa não tiver prescrição médica, ela está praticando um ilícito e será punida”, afirma a senadora.

A matéria foi aprovada no mês passado pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e aguarda parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Se aprovado, o PLS precisa ser analisado pelo plenário do Senado antes de ir para a Câmara. No entanto, segundo Marta Suplicy, ainda não há previsão de quando isso deve acontecer.

Efeitos terapêuticos

Dores

Atuação analgésica em quadros de dor crônica existentes em pós-operatórios, neuropatia periférica e traumas da medula.

Quimioterapia

Age de forma antiemética, promovendo alívio dos sintomas relacionados a enjoo, náuseas e vômitos.

Desnutrição

A Cannabis estimula o apetite e pode ajudar a combater a desnutrição em pacientes com Aids ou câncer.

Espasmo

A maconha alivia a espasticidade e a dor nas pessoas que sofrem de esclerose múltipla, diminuindo os espasmos.

Movimentação desordenada

Inibe movimentos em doses altas e combate desordens motoras na doença de Parkinson.

Epilepsia

Atua nos neurônios, impedindo que células nervosas entrem em colapso e deem início a uma crise típica dessa enfermidade.

Glaucoma

A maconha reduz a pressão na órbita do globo ocular, o que pode evitar a perda da visão, principal sequela da doença.

Leia também:

Autorizado no Brasil, remédio de maconha é pouco prescrito por médicos

#PraCegoVer: fotografia (capa) em primeiro plano de Leandro Ramires (vestindo camiseta vermelha) com seu filho Benício (vestindo camiseta branca, com o texto em verde “Qualidade de vida. O efeito colateral da cannabis medicinal”) em seu colo, sorrindo e segurando uma caneca de cor verde claro.

lazy placeholder Consumo de maconha medicinal dobra no Brasil

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário