Conheça a maior fazenda de cannabis legal da Grã-Bretanha

estufa gw pharmaceuticals Conheça a maior fazenda de cannabis legal da Grã Bretanha

Em uma estufa do tamanho de 34 campos de futebol, as plantas são cultivadas de uma forma que garante que sejam todas virtualmente idênticas. Saiba mais na reportagem do inews.co.uk

As exuberantes plantas verdes estendem-se até onde a vista alcança. Fileira após fileira, cuidadosamente cuidadas em uma estufa que tem aproximadamente o mesmo tamanho de 34 campos de futebol.

Considerada uma das maiores estufas do Reino Unido, a estufa de 45 acres em Wissington, Norfolk (Inglaterra), fica em uma área conhecida pela produção de vegetais e frutas, de ervilhas e feijões a tomates e morangos.

site sb Conheça a maior fazenda de cannabis legal da Grã Bretanha

Mas esta safra é um pouco diferente. Antes cheia de tomates, a estufa de propriedade da British Sugar agora abriga centenas de milhares de plantas de cannabis cultivadas para a empresa farmacêutica GW Pharmaceuticals.

Cultivadas cuidadosamente nas instalações de pesquisa da GW em Kent, as plantas são produzidas em escala industrial em Wissington com altos níveis de canabidiol — ou CBD — e muito pouco THC (tetraidrocanabinol), o elemento psicoativo comumente associado à maconha. Isso as torna perfeitas para drogas para epilepsia aprovadas e regulamentadas.

Plantas idênticas

Olhe atentamente e você pode pensar que todas as plantas têm a mesma aparência — sua altura, a densidade de folhas e flores. Não são seus olhos pregando peças em você. Para garantir que produzam as qualidades certas para os medicamentos que ajudam a fazer, essas plantas são cultivadas de uma forma que garante que sejam todas virtualmente idênticas.

As estacas retiradas de plantas “parentais” identificadas por seu alto teor de CBD são plantadas em vasos e cuidadosamente tratadas na estufa com a quantidade perfeita de água, luz e fertilizante para garantir altos rendimentos antes de serem colhidas e processadas.

Leia mais: O boom do cânhamo no Oregon (EUA) aposta na alta do CBD

“Não é bem um momento Del Monte, mas sabemos quando as plantas estão prontas”, disse o diretor de operações da GW, Chris Tovey. “Parece incrível e os aromas são incríveis. Nem toda planta de cannabis tem o mesmo cheiro, então uma safra aqui tem um cheiro distintamente diferente de uma safra de cânhamo ou uma safra que expressa um perfil diferente de canabidiol”.

A GW é relutante em ver sua instalação em Wissington descrita como uma fazenda, preferindo o termo “estufa de alta tecnologia”. As instalações de última geração incluem controle climático 24 horas por dia, sete dias por semana, e regulação precisa da exposição das plantas à luz solar e aos nutrientes. Os protocolos e cronogramas de cultivo específicos, desenvolvidos e gerenciados por uma equipe de cientistas e horticultores, garantem que as plantas sejam estritamente padronizadas e da mais alta qualidade para uso em medicamentos aprovados por regulamentação. Para eles, isso a diferencia da ideia genérica de uma “fazenda de cannabis”.

Indústria britânica de produção de cannabis

A escala da instalação reflete o tamanho da indústria global de cannabis e seu rápido crescimento para atender a uma demanda crescente por medicamentos à base de cannabis, bem como um mercado de CBD focado no consumidor.

Em 2018, um relatório das Nações Unidas revelou que a Grã-Bretanha era a maior produtora mundial de cannabis legal, produzindo 95 toneladas de maconha em 2016 para uso medicinal e científico — 44,9% do total mundial. Foi também a maior exportadora da droga, exportando 70% do total mundial.

Além de Wissington e suas instalações de pesquisa em Kent Science Park, a GW possui outras unidades no Reino Unido e não é a única grande produtora. Outras empresas incluem a Sativa Investments, com sede própria em Somerset. Em 2019, ela anunciou que estava planejando uma estufa de £ 10 milhões (R$ 67,6 milhões) e 7,5 acres na zona rural de Wiltshire.

Em outras partes da Europa, as empresas investiram em fazendas de cannabis e instalações de processamento em países como Dinamarca, Espanha, Portugal e Alemanha.

O crescimento das fazendas de cannabis é uma resposta direta ao mercado crescente de produtos de cannabis. O surgimento de medicamentos aprovados e regulamentados para tratar condições como a epilepsia, junto com um relaxamento gradual da legislação em torno do uso medicinal — inclusive no Reino Unido em novembro de 2018 — e do uso adulto em vários países ao redor do mundo, contribuiu para uma demanda crescente por plantas de cannabis cuidadosamente cultivadas de alta qualidade.

Fazenda de maconha de Nova Jersey (EUA) se prepara para a primeira colheita pós-legalização

O negócio da cannabis

É um grande negócio. Os analistas da Prohibition Partners, baseados em Londres, estimaram que o mercado europeu de cannabis valerá £ 106 bilhões (R$ 718,3 bilhões) em 2028, enquanto, de acordo com uma publicação da Health Europa, o mercado global de cannabis medicinal valia US$ 13,4 bilhões (R$ 67,9 bilhões) em 2018 e está projetado para crescer para US$ 148 bilhões (R$ 750 bilhões) em 2026.

Muitos dos principais participantes que investem em instalações na Europa são empresas estadunidenses e canadenses. Eles incluem a gigante canadense Aurora Cannabis e sua subsidiária dinamarquesa, Aurora Nordic, bem como o Cronos Group, um produtor e distribuidor canadense de cannabis medicinal que também opera na Alemanha, Israel e Austrália. A Canopy Growth também está sediada no Canadá, mas tem operações em oito países em cinco continentes.

Com mais de 20 anos no setor, a GW se coloca entre alguns dos players mais experientes. “Quando a GW se mudou para o local do Kent Science Park, há mais de 20 anos, o primeiro edifício era a estufa de pesquisa”, diz Tovey. “Um punhado de pessoas aprendeu como cultivar cannabis e como cultivá-la de forma consistente”.

Esse punhado de pessoas tornou-se uma grande operação, com cerca de 400 pessoas baseadas na instalação agora — uma mistura de horticultores bem-vestidos que sujam as mãos e equipes técnicas de jaleco branco que analisam as plantas para garantir que tenham a composição genética certa para a finalidade a que são designadas.

Nutrindo a colheita

Tudo parece muito de alta tecnologia, mas a forma como as plantas são controladas não é muito diferente do cultivo de rosas para garantir que você tenha as melhores flores possíveis, diz Tovey.

“Todas as plantas que usamos são o resultado de técnicas mendelianas realmente arcaicas”, diz ele. Ele está se referindo à descoberta de Gregor Mendel dos princípios de herança e características genéticas por meio de experimentos com plantas de ervilha.

Leia – Jardineiro da maconha: Raphael Meduza fala sobre cultivo medicinal e associativo

“Você cultiva as plantas, observa diferentes fenótipos e seleciona aqueles com a composição certa. Você então tem uma série de plantas que formam os ‘pais’ para cada geração subsequente.”

Esses pais são então usados ​​para criar “clones” cultivados em escala industrial na estufa de Wissington. As estacas retiradas deles e colocadas em pequenos vasos são banhadas em luz para acelerar o processo de crescimento e depois transferidas para a estufa principal onde recebem toda a água e nutrientes de que precisam.

O ciclo de crescimento

Depois de algumas semanas sob luz natural, é hora da parte emocionante. “Todo o teto da estufa tem cortinas que podem ser puxadas para criar uma escuridão quase total”, diz Tovey.

“Essas plantas são pré-sintonizadas para reagirem à duração da luz do dia, então o que efetivamente fazemos é criar uma longa noite para que a planta de cannabis pense que ela deve florescer.”

Uma vez que isso funcionou, as flores — a parte das plantas com alto teor de CBD — estão prontas para serem colhidas. Nesse ponto, um grupo de 30 a 40 trabalhadores sazonais se junta à equipe de horticultores e gerentes de cultivo em Wissington para ajudar na colheita das plantas.

Os caules são cortados e colocados para secar naturalmente antes de serem processados ​​e colocados em uma máquina que separa as flores, retira os caules e as folhas e as prepara para serem secas e formadas em péletes prontos para serem enviados. E então tudo começa de novo.

Com três safras por ano, isso significa que um ciclo precisa ser iniciado antes que o próximo termine, garantindo o maior rendimento.

Leia também:

Reino Unido pode aprender com o modelo alemão de cannabis medicinal?

#PraCegoVer: em destaque, fotografia da plantação da GW Pharmaceuticals, onde plantas regulares de maconha se perdem de vista sob o teto de uma estufa. Imagem: inews.co.uk.

smokebuddies logo2 Conheça a maior fazenda de cannabis legal da Grã Bretanha

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!