Confusão de cannabis leva estados dos EUA a proibirem o cânhamo fumável

canhamo fumavel Confusão de cannabis leva estados dos EUA a proibirem o cânhamo fumável

Agricultores e empresas estão lutando contra as proibições, argumentando que violam a lei federal e prejudicam uma indústria nascente. Alguns consumidores preferem fumar cânhamo a ingerir óleo, porque o fumo fornece canabinoides diretamente à corrente sanguínea, segundo especialista. Com informações da Pew Charitable Trusts e tradução pela Smoke Buddies

As plantas de cânhamo podem ser transformadas em qualquer coisa, desde corda e isolante a granola. Mas hoje, a maioria dos agricultores de cânhamo dos EUA está cultivando cânhamo para produzir canabinoides, como o CBD — o que significa que estão cultivando plantas que parecem maconha, cheiram a maconha e, cada vez mais, são enroladas em baseados e fumadas como maconha.

As pessoas fumam maconha para se sentirem chapadas, mas fumam cânhamo — uma forma não psicoativa de cannabis — para ingerir canabinoides que usuários dizem aliviar dores e estresse.

lazy placeholder Confusão de cannabis leva estados dos EUA a proibirem o cânhamo fumável

Agora, alguns legisladores estaduais, alarmados com a dificuldade de os policiais perceberem a diferença entre bud ou baseados de cânhamo e produtos ilegais de maconha, estão reprimindo o cânhamo fumável.

Leia – Cânhamo vs maconha: a diferença que pode dar cadeia nos EUA

Louisiana e Indiana proibiram as vendas de cânhamo para fumar em 2019 e o Texas proibiu a fabricação do mesmo. Kentucky proibiu as vendas de cigarros de cânhamo, charutos, buds in natura de cânhamo e flores trituradas em 2018. E uma batalha sobre a possibilidade de permitir a venda de flores secas de cânhamo, baseados de cânhamo pré-enrolados, cigarros de cânhamo e outros produtos para fumar impediu um projeto de lei da Carolina do Norte que regularia a produção e as vendas de cânhamo no estado.

“Minha filosofia agora é que, na verdade, estaremos legalizando a maconha recreativa se não ouvirmos nossas autoridades e fizermos algo a respeito”, disse a representante do estado da Carolina do Norte Pat McElraft, uma republicana e deputada majority whip da Câmara.

A ascensão de produtos de cânhamo tão semelhantes à maconha pegou alguns legisladores de surpresa. Ninguém falou sobre fumar cânhamo ou disse que a polícia não sabia a diferença entre cânhamo e maconha quando a Carolina do Norte criou um programa piloto de cânhamo em 2015, disse McElraft.

Os agricultores e as empresas de cânhamo estão lutando contra as proibições, argumentando que violam a lei federal e prejudicam uma indústria nascente. A lei agrícola de 2018 legalizou as vendas de cânhamo e definiu o cânhamo como qualquer parte da Cannabis sativa L. com uma concentração de tetraidrocanabinol, ou THC, de 0,3% ou menos.

“Se a legislatura da Carolina do Norte quiser perder seu tempo tentando proibir um cânhamo que possa ser fumado — tudo bem”, disse Bob Crumley, fundador e CEO da empresa de cânhamo da Carolina do Norte Founder’s Hemp e advogado que aconselhou os formuladores de políticas sobre questões de cânhamo. “Não vai sobreviver a uma contestação judicial”.

Além disso, o mercado de flores para fumar — as plantas mais puras e ricas em canabinoides — é o mais lucrativo que muitos produtores, varejistas e distribuidores de cânhamo podem acessar.

Isso inclui os negócios de Indiana, disse Justin Swanson, presidente do Midwest Hemp Council, um grupo da indústria de Indianápolis que apoia o cânhamo fumado.

“O projeto de lei que Indiana acabou aprovando foi como dizer essencialmente a um criador de gado: ‘Ei, você pode vender carne, mas não pode vender bife'”, disse ele.

Cânhamo ou maconha?

Nacionalmente, as pessoas gastam mais dinheiro em óleo de CBD de cânhamo do que em flores para fumar. A maior categoria de produtos de CBD — tinturas — atingiu cerca de US$ 1 bilhão em vendas em 2019, disse Virginia Lee, gerente de pesquisa de CBD do Brightfield Group, uma empresa de pesquisa de mercado de cannabis sediada em Chicago.

Por outro lado, estima-se que US$ 70,6 milhões em pré-enrolados de cânhamo com CBD e flores in natura foram vendidos nos Estados Unidos em 2019, disse Lee. Mas essas vendas estão crescendo, ela disse.

As pessoas que compram produtos para fumar não são os ‘chapados’ associados à erva, disse Crumley. “Este produto, cânhamo fumável, nas minhas lojas está sendo usado por todos, desde soccer moms, que querem ter o alívio da ansiedade ou do estresse, mas não ficarem ‘altas’, até pacientes com câncer”, disse ele.

Alguns consumidores preferem fumar flor de cânhamo em vez de ingerir óleo de cânhamo, porque o fumo fornece canabinoides diretamente à corrente sanguínea, disse Swanson, do Midwest Hemp Council. Outros fumam porque não precisam se preocupar com aditivos tóxicos ou com rotulagem incorreta de buds secos.

“Muitas pessoas me disseram que estão muito mais confortáveis ​​usando esse caminho”, disse ele.

Para os agricultores de cânhamo, as plantas de alta qualidade o suficiente para vender com processamento mínimo podem ser uma grande fonte de dinheiro. No mês passado, a flor para fumar com CBD foi vendida entre US$ 150 e US$ 350 por libra (unidade de medida de massa que corresponde a 453,59 gramas), disse Ian Laird, diretor financeiro e jurídico da New Leaf Data Services, empresa de pesquisa de mercado de Stamford, Connecticut, que acompanha os preços da cannabis. Isso é mais do que a biomassa de cânhamo na produção de óleo de CBD.

“Você está falando de uma enorme, enorme oportunidade para os agricultores”, disse Swanson.

Leia mais: Cânhamo pode ser a próxima grande novidade em combustível e plástico sustentáveis?

No entanto, produtos que podem ser fumados tornam alguns formuladores de políticas cautelosos. Preocupações com os perigos para a saúde de fumar e vaporizar CBD, juntamente com o medo de que o cânhamo possa ser de fato psicoativo, desempenham um papel nas decisões dos legisladores de proibir produtos para fumar, disse Jonathan Miller, consultor geral da Mesa Redonda de Cânhamo dos Estados Unidos. , Grupo da indústria com sede em Kentucky, na cidade de Lexington.

“Há alguma preocupação de que os pré-enrolados de cânhamo sejam a maconha da época de Woodstock — o que a maconha costumava ser 30, 40 anos atrás”, disse ele. Um nível de cerca de 1% de THC é considerado o limiar da cannabis para ter um efeito psicotrópico, de acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso não partidário.

Mas a reação contra a venda de produtos de cânhamo para fumar de departamentos de polícia, agências estaduais de aplicação da lei e promotores de justiça dominou o debate em estados como a Carolina do Norte.

“É um produto de floração que se parece com maconha, cheira a maconha e que, a menos que você vá a um laboratório específico para testes, você não pode perceber a diferença”, disse Peg Dorer, diretor da Conferência dos Procuradores da Carolina do Norte.

O laboratório criminal do estado da Carolina do Norte não possui equipamento de teste sensível o suficiente para medir a quantidade de THC em uma amostra de cannabis, disse Dorer. “Para testá-lo, eles precisariam enviá-lo para um laboratório particular, e isso é caro, e não temos orçamento para esse tipo de coisa”.

As autoridades policiais do estado temem que a proliferação de cânhamo possa tornar impossível procurar uma pessoa ou propriedade por maconha com base no cheiro da erva, disse o chefe do Departamento de Polícia de Roxboro, David Hess, primeiro vice-presidente da Associação dos Chefes de Polícia da Carolina do Norte.

A versão atual da Lei Agrícola da Carolina do Norte, a ser retomada pelos legisladores novamente este ano, define o cânhamo fumado como “material vegetal de cânhamo bruto ou seco colhido, incluindo botões ou flores de cânhamo, charutos de cânhamo e cigarros de cânhamo” e classifica-o como uma forma de maconha.

A legislação permite que os produtores licenciados de cânhamo cultivem e processem cânhamo para fumar, desde que não o vendam dentro das fronteiras do estado. “Você ainda pode vendê-lo fora da Carolina do Norte”, disse Dorer. “Esse foi o nosso compromisso”.

O senador estadual republicano Brent Jackson, um agricultor, disse em um e-mail para a Stateline que ele continua esperançoso de que os parlamentares assinem sua lei que permitiria vendas de cânhamo para fumar. “A Lei Agrícola Federal de 2018 deixou muito claro que todo o cânhamo deve ser legal”, disse ele, “e é minha intenção apoiar os cultivadores, processadores e varejistas de cânhamo à medida que esse novo setor avança”.

Os agricultores revidam

Enquanto isso, grupos da indústria do cânhamo estão combatendo as proibições do cânhamo fumável.

“Não queremos iniciar nosso programa estadual com a proibição de qualquer parte da planta compatível”, disse Blake Butler, diretor executivo da Associação de Cânhamo Industrial da Carolina do Norte. “Mesmo sendo fumado, ainda é um produto agrícola”.

Butler está olhando para Indiana, onde no outono passado o Conselho do Meio-Oeste de Cânhamo e sete empresas de cânhamo ganharam uma liminar contra uma lei de 2019 em Indiana que definia “cânhamo fumado” como produtos de cânhamo que permitem que o THC “seja introduzido no corpo humano por inalação de fumaça” e transformou a fabricação, a entrega ou a venda de produtos para fumar em contravenção.

Em seu processo contra o Estado, as empresas de cânhamo argumentaram que as disposições para o cânhamo para fumar da lei violam a lei agrícola de 2018 e prejudicariam seriamente eles e seus negócios. O escritório do procurador-geral do estado argumentou que a lei de Indiana está em conformidade com a lei agrícola e protege o público.

“Permitir que o cânhamo para fumar seja produzido ou possuído em Indiana apresentaria obstáculos significativos à capacidade da aplicação da lei de fazer cumprir as leis de Indiana contra a maconha”, argumentou.

A juíza sênior Sarah Evans Barker, do Distrito Sul de Indiana, ficou do lado da indústria do cânhamo. “O fato de as autoridades locais poderem precisar ajustar táticas e treinamento em resposta a mudanças na lei federal não é uma base suficiente para promulgar legislação inconstitucional”, ela decidiu em setembro.

O escritório do procurador-geral de Indiana está recorrendo da decisão.

Embora a briga judicial esteja longe de terminar, a decisão de Barker deve dar uma pausa aos legisladores, disse Rod Kight, advogado de cannabis com sede em Asheville, Carolina do Norte. “Eu acho que é um sinal muito forte para as legislaturas estaduais de que elas não podem atrapalhar o cânhamo que agora é legalmente federal”, disse ele. “Eles não podem impedir que uma parte inteira da indústria do cânhamo entre em vigor e prospere”.

Se o governador da Carolina do Norte, Roy Cooper, democrata, assinar uma lei que proíbe as vendas de cânhamo, Butler disse que seu grupo tomará uma ação legal.

Mas ele espera que as empresas de cânhamo e grupos de aplicação da lei possam se unir para resolver o problema de policiar produtos fumáveis. “Nós respeitamos a aplicação da lei”, disse Butler, “e precisamos trabalhar juntos”.

Um projeto de lei no Tennessee poderia ser uma maneira de neutralizar a oposição da polícia, disse ele. Estenderia o imposto especial de 6,6% sobre produtos de tabaco não fumáveis a produtos de cânhamo que as pessoas ou fumam ou consomem como rapé e tabaco de mascar.

O dinheiro arrecadado com o imposto poderia ajudar grupos policiais a comprar equipamentos de teste de THC para a estrada e financiar outras prioridades da indústria do cânhamo, como pesquisa e desenvolvimento, disse Joe Kirkpatrick, presidente e lobista-chefe da Tennessee Growers Coalition, um grupo de defesa do cânhamo com sede em Nashville.

Uma lei de Tennessee de 2019 proíbe a venda de produtos de cânhamo fumável para menores de idade. Kirkpatrick disse que a abordagem dos legisladores quanto à regulamentação de tais produtos foi influenciada pelo desejo de ajudar os agricultores de cânhamo, particularmente os produtores de tabaco que enfrentam a queda nas vendas.

“Os agricultores realmente precisam de uma cultura alternativa”, disse Kirkpatrick. O cânhamo para fumar, disse ele, não é conhecido por ser cancerígeno ou viciante e pode ser apenas o próximo tabaco. “Seria muito melhor do que os venenos vape que [as empresas de tabaco estão] empurrando aos jovens”, disse ele sobre o cânhamo.

Leia também:

Primeira variedade de cânhamo livre de THC será distribuída nos EUA

#PraCegoVer: fotografia (em destaque) que mostra duas embalagens de cigarros de cânhamo, em pé, sobre uma superfície espelhada, sendo uma vermelha e a outra verde (menthol), com as informações “100% Natural Hemp”, “Contains CBD” e “20 Filtered Smokes”; ao fundo, pode-se ver um pote transparente com tampa branca contendo o que parece ser cannabis triturada. Foto: Gerry Broome | AP.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!