Como será a educação sobre a cannabis na próxima década?

pote quadrado buds hashi Como será a educação sobre a cannabis na próxima década?

Há uma década, a maconha tinha uma imagem totalmente demonizada pela ala conservadora da sociedade. Hoje, a erva movimenta uma indústria bilionária e gera milhares de empregos, nos lugares onde é legal, sendo necessários cursos e treinamentos que capacitem o mercado de trabalho. Entenda mais sobre o tema no artigo de Max Simon* para o Observer, com tradução pela Smoke Buddies

A educação sobre a cannabis teve um momento notável nos últimos 10 anos.

Em 2010, apenas um punhado de estados dos EUA tinha programas de cannabis medicinal. Nenhuma legislação para uso adulto tinha sido aprovada em qualquer lugar do país (ou do mundo). As imagens convencionais da cannabis eram, principalmente, estereótipos arcaicos de drogados no cinema e na televisão.

Grande parte da América ainda via a cannabis de um lugar de medo — uma planta a ser demonizada, evitada e erradicada.

Em 2011, a maré virou para a cannabis. O apoio à legalização da cannabis nos EUA atingiu 50% pela primeira vez na história. Essa tendência ascendente continua até hoje; os estadunidenses estão cada vez mais abertos a pensar que a cannabis é boa para a sociedade.

Hoje, a cannabis medicinal é legal em 33 estados e 11 estados a legalizaram para uso adulto (além de Washington DC, que tem usos médico e adulto legais). Que mudança incrível em apenas 10 anos!

Outros países — Canadá, Geórgia, África do Sul e Uruguai — eliminaram completamente a proibição da cannabis. Chile, Colômbia, Polônia, Tailândia, Itália, Grécia, Alemanha, Noruega e muitos outros agora têm leis sobre cannabis medicinal. Os EUA estão acordando com o poder e os benefícios da cannabis e estão se tornando uma revolução global.

Leia: Nos EUA, maconha é tempero; no Brasil, capim é comida

Como a educação sobre a cannabis nos trouxe até aqui

O foco na educação sobre a cannabis nos últimos 10 anos foi dividido entre duas vertentes — voltada para o consumidor e voltada para a legislação.

Steve DeAngelo, a família de Charlotte Figi e muitos outros defensores no espaço educaram exponencialmente o público sobre os benefícios médicos e de bem-estar da cannabis. Os defensores da cannabis demonstraram que a planta é segura, com propriedades distintas para melhorar e salvar vidas.

A missão por trás desses defensores é compartilhar histórias e fornecer informações confiáveis ​​sobre o perfil de segurança da planta, bem como benefícios de saúde, felicidade e bem-estar. Isso levou os EUA a passar de apenas 50% de aprovação da legalização em 2011 para 66% em 2018.

A educação sobre a cannabis voltada para a legislação tem sido, principalmente, sobre a alteração das leis sobre cannabis medicinal. Dessa forma, os estadunidenses podem acessar a cannabis medicinal testada que é segura e as empresas podem operar legalmente.

Apenas nos últimos anos, o uso adulto começou a ganhar força. Este lado da educação sobre a cannabis envolve ajudar o governo a entender os benefícios médicos, econômicos, sociais e tributários e o aumento de empregos que a cannabis pode proporcionar.

Por que tantos países estão dizendo que a maconha é boa?

Como ajudamos a espalhar esse entendimento? Compartilhando os dados mais recentes. A indústria da cannabis está gerando empregos nos EUA — inclusive nos setores auxiliares —, apoiando mais de 500.000 vagas de trabalho em 2019. E quando se trata de impostos, o Instituto de Tributação e Política Econômica estimou a receita tributária estadual e local de cannabis dos EUA em US$ 1,6 bilhão em 2019.

Outros benefícios da cannabis legal que chamam a atenção dos legisladores incluem revitalização, segurança aprimorada e iluminação de áreas outrora abandonadas, que agora abrigam empresas de cannabis. Municípios e condados também estão relatando uma redução no crime violento e um aumento nos valores de propriedades residenciais nas áreas onde estão localizados os dispensários de cannabis.

Os novos regulamentos também liberam recursos legais e judiciais para se concentrarem em crimes graves, em vez de perseguir empresas, pacientes e consumidores de cannabis.

No entanto, à medida que essa nova indústria, que está emergindo rapidamente, começa a encontrar seus pés, os maiores desafios e dores crescentes da cannabis estão se tornando mais evidentes a cada semana que passa.

É aqui que entra a próxima fase da educação sobre a cannabis.

Educação sobre a cannabis em 2020 e além

Nesta nova década, a educação sobre a cannabis está assumindo um foco mais amplo. Com a cannabis atingindo muitos setores diferentes da sociedade por causa da legalização, agora é hora de educar os especialistas.

Daqui a dez anos, falaremos sobre como os médicos estão integrando a cannabis nos protocolos de cura, como os farmacêuticos estão prescrevendo a cannabis corretamente e como o seguro de saúde está cobrindo os medicamentos à base de cannabis nas apólices.

Falaremos sobre como os estabelecimentos de varejo em todo o mundo estão transportando produtos de cannabis e CBD para criar negócios e oferecer acesso legal e seguro a consumidores e pacientes em todo o mundo.

Veremos a aplicação da lei adotando uma estrutura totalmente nova para aplicar a política de cannabis, uma que respeite os direitos das pessoas e não trate os espectadores inocentes como criminosos.

É para onde a cannabis está indo e, para chegar lá, precisamos de educação especializada que traga conhecimento especializado a todos os grupos, de profissionais de saúde a agentes policiais e além.

Leia mais: Maconha chega ao setor de ensino superior privado

Treinando uma nova força de trabalho

Existem novas indústrias de cannabis em rápido crescimento para apoiar.

Hoje, a gama e o número de carreiras em cannabis são maiores do que a maioria dos estadunidenses imagina. Anteriormente, você leu que há mais de 500.000 empregos em torno da cannabis — um aumento de 76% em relação a 2018.

Este é um mercado de trabalho em rápido crescimento, no qual as pessoas precisam ser treinadas em todas as áreas da cannabis que requerem conhecimento especializado para operar, incluindo:

  • Negócios
  • Bancos & Finanças
  • Agricultura & Cultivo
  • Distribuição
  • Jurídico & Compliance
  • Medicinal
  • Fabricação & Desenvolvimento de Produtos
  • Marketing & Relações Públicas
  • Varejo
  • Vendas
  • Ciência & Extração
  • Tecnologia
  • Muito mais.

Faculdades, universidades e escolas precisarão se envolver mais com a cannabis para ajudar a treinar e educar uma força de trabalho totalmente nova. Colaborar com o ensino superior será um enorme setor de desenvolvimento para a educação da cannabis nesta década.

Daqui a dez anos, sem dúvida, veremos com uma sensação de surpresa quanto progresso foi feito na cannabis. O setor se tornará um chato tópico cotidiano, totalmente legitimado e integrado em todo o mundo. A cannabis melhorará a qualidade de vida de inúmeros americanos, alimentando as carreiras de milhões — e estaremos nos perguntando: o que nos levou a tanto tempo?

*Max Simon é fundador e CEO da Green Flower, líder global em educação e treinamento em cannabis.

Leia também:

As tendências de cannabis que marcaram 2019 – e o que virá em 2020

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra  as mãos de uma pessoa segurando um pote quadrado e retirando, do mesmo, alguns buds de maconha secos, que coloca na tampa de madeira do pote, utilizando hashi; a tampa está sobre um balcão de vidro, em um ambiente interno com fundo desfocado. Foto: MJ Hybrid Solutions.

lazy placeholder Como será a educação sobre a cannabis na próxima década?

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário