Como proteger sua marca de cannabis da série de problemas que podem surgir

luz globo folha Como proteger sua marca de cannabis da série de problemas que podem surgir

Assim como outras marcas de consumo no mercado, as marcas de cannabis se tornaram vulneráveis ​​a problemas como falsificações, desvio e conformidade. Saiba mais sobre como as empresas podem se precaver contra essas situações no artigo de John Shearman para o MJBizDaily

Quando a indústria da cannabis diz que os produtores devem “proteger sua marca de cannabis”, o que isso realmente significa?

Assim como outras marcas de consumo no mercado, as marcas de cannabis se tornaram vulneráveis ​​a falsificações, desvio, questões de segurança, defeitos do produto, ações legais e conformidade regulatória — apenas para apontar alguns dos principais.

lazy placeholder Como proteger sua marca de cannabis da série de problemas que podem surgir

De acordo com a Forbes, em 2018 a falsificação era o maior empreendimento criminoso do mundo.

As vendas de produtos falsificados e pirateados totalizaram US$ 1,7 trilhão por ano, o que é mais do que drogas e tráfico de pessoas. Esse total deve crescer para US$ 2,8 trilhões e financiar 5,4 milhões de empregos até 2022.

A indústria da cannabis já tem seus problemas com falsificações e deturpação de marcas. E o problema só aumentará à medida que a indústria continuar a crescer em todo o mundo.

Se as melhores práticas e tecnologias adequadas forem implementadas em conjunto, isso ajudará a aliviar ou diminuir o impacto se um dos problemas acima ocorrer.

O desenvolvimento de uma estratégia de proteção de marca como parte de seu plano geral de negócios é fundamental para o sucesso de qualquer empresa.

Os desafios que surgem ao se começar um novo negócio de cannabis são muito difíceis por muitos motivos e, mesmo que você seja um dos sortudos por ter um negócio funcionando com sucesso, seria devastador sofrer o impacto de uma falsificação.

Para você ter certeza de que está protegendo sua marca com êxito, todos os grupos funcionais dentro da empresa — por exemplo, marketing, P&D, logística e operações — devem analisar as áreas vulneráveis ​​dentro de sua especialidade e mapear isso para os outros grupos a fim de se determinar pontos em comum e pontos de alinhamento.

Assim que este exercício de mapeamento for concluído, a empresa pode desenvolver holisticamente o plano de proteção da marca com as melhores práticas adequadas, procedimentos operacionais padrão e plataformas de tecnologia para capturar todos os pontos de dados que possam apoiar o plano e fornecer aos públicos interno e externo rastreabilidade aberta e transparência associada às operações e produtos.

Acompanhamento da semente à venda

Nos estados onde a venda de maconha é legal, o estado determina que um sistema de ‘semente à venda’ seja usado para rastrear o número e o peso das plantas cultivadas, as quantidades descartadas e o movimento ao longo da cadeia de abastecimento.

A integração desse sistema de rastreamento com plataformas como ERP (planejamento de recursos empresariais) ou QMS/LMS (sistema de gestão de qualidade / sistema de gestão de aprendizagem) é um elemento crítico para a proteção.

Os dados podem ser acessados por outras áreas funcionais dentro da empresa e, em seguida, os operadores podem adicionar rastreamento físico aprimorado à cannabis, introduzindo marcas moleculares exclusivas da planta em relação à colheita para provar o ponto de origem, validação de mesmo material vegetal e visibilidade, à medida que sai das instalações e percorre o resto da cadeia de abastecimento.

Leia mais: Sete dicas para as empresas de cannabis aproveitarem ao máximo 2020 e além

O produtor pode usar um amplificador de DNA, também conhecido como dispositivo de PCR (reação em cadeia da polimerase), para testar a etiqueta molecular e garantir que as plantas estejam devidamente marcadas e, assim, poderem — com confiança — enviar o produto aos clientes, informando o ponto de origem.

Esse tipo de integração perfeita pode adicionar um nível extra de proteção de marca, que possui base forense e pode ser levantada em um tribunal se uma ação legal for necessária.

Se a flor for recebida por uma empresa de processamento para ser transformada em óleo ou isolado, o processador também terá um dispositivo PCR para testar e validar se a flor foi marcada por um fornecedor autorizado.

Os dados PCR são enviados a qualquer número de sistemas conectados para continuar aperfeiçoando as transferências da cadeia de custódia. Uma nova etiqueta é introduzida durante o processo de fabricação do óleo para representar a marca dos processadores.

O teste de PCR é realizado no lote do óleo ou isolado e os dados são enviados aos sistemas para validação e aprovação. É assim que um histórico completo da cadeia de custódia para qualquer um na indústria da cannabis pode começar a tomar forma.

Um fabricante de produtos de cannabis para o consumidor final agora compra o óleo ou isolado que está marcado.

O mesmo teste de entrada é executado. Uma vez que o óleo ou isolado será adicionado ao produto como um ingrediente bruto, uma nova etiqueta não é necessária se o óleo ou isolado for adicionado nas proporções apropriadas para que a etiqueta possa ser lida no produto final.

Testes adicionais podem agora ser conduzidos, quando necessário, nos produtos finais, como, por exemplo, óleos para vaporizadores, comestíveis, loções, séruns e bebidas, para mencionar alguns.

A mesma etiqueta molecular também pode ser incorporada à tinta e vernizes que serão utilizados ​nos rótulos e embalagens para adicionar um nível adicional de segurança e ajudar na defesa contra falsificações e desvio de produto no mercado.

Transparência é a chave

A linha história se torna mais rica e agora o dispensário ou a marca de CBD on-line podem, com certeza, contar uma história de transparência convincente para o cliente final.

Isso garante que os produtos que estão sendo adquiridos passaram por um processo legal e regulamentar seguro e testado e podem ser rastreados se houver algum problema.

A rastreabilidade e a transparência verdadeiras podem ser alcançadas se todas as partes trabalharem juntas e mantiverem o cliente como o ponto focal.

Isso ajudará a garantir que as marcas possam proteger sua reputação, bem como a qualidade e segurança de seus produtos com base em pontos de dados físicos e digitais, criando uma cadeia de custódia inquebrável.

Leia também:

Profissionais de marketing podem ajudar a legitimar a indústria da cannabis?

#PraCegoVer: em destaque, fotografia de uma folha de cannabis (fan leave) colocada sobre um globo de luz branca e um fundo escuro que aparece nos cantos superiores. Foto: THCameraphoto.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!