Como atletas de alto nível estão desafiando os estereótipos da cannabis

rapinoe Como atletas de alto nível estão desafiando os estereótipos da cannabis

As irmãs Rapinoe e Anna Symonds estão trabalhando para destruir mitos e estabelecer um novo fundamento em relação à cannabis. As informações são do Canada.com

Rachael Rapinoe, irmã da estrela do futebol estadunidense Megan Rapinoe e CEO da Mendi, uma empresa de cannabis de propriedade de mulheres com sede em Oregon, é clara sobre sua visão.

“Queremos ser a marca de CBD esportiva mais confiável do mundo”, disse Rapinoe ao The GrowthOp de Oregon. “É para lá que queremos ir”.

site sb Como atletas de alto nível estão desafiando os estereótipos da cannabis

Essa jornada está longe de seu passado como jogadora de futebol profissional. Durante grande parte de sua vida, Rapinoe teve uma visão amplamente negativa da cannabis e nada associada ao atletismo. “Eu cresci na era do ‘apenas diga não às drogas’ e acreditei em toda a propaganda que ouvia sobre a cannabis”, diz ela.

Isso começou a mudar há cerca de cinco anos, quando ela notou outros atletas profissionais usando cannabis e CBD como parte de seus processos de treinamento e recuperação. “Foi a primeira vez na minha vida que vi isso fora da cultura ‘stoner’ e eles estavam realmente usando isso como uma ferramenta de recuperação”, diz Rapinoe, que jogou futebol ao lado de sua irmã na Universidade de Portland antes de embarcar em sua própria carreira profissional.

Mas Rapinoe também notou que muitos dos atletas não tinham detalhes claros sobre, por exemplo, como os produtos funcionavam ou de onde vinham. “Eles sabiam que era melhor do que tomar opiáceos ou Ambien para dormir, mas não sabiam se era derivado do cânhamo, não sabiam que era derivado da maconha. Eles não tinham ideia do que estavam tomando”.

Rapinoe, ao lado de sua parceira de negócios Kendra Freeman, viu a oportunidade de construir uma empresa de CBD focada nos atletas e desafiar o estereótipo do maconheiro preguiçoso ao se concentrar nos benefícios da cannabis e do CBD para atletas de alto desempenho e pessoas ativas no dia a dia.

Além de Megan Rapinoe, a primeira atleta embaixadora da empresa, a equipe também conta com Sue Bird como membro do conselho consultivo. Bird, a lendária estrela da WNBA e uma das jogadoras de basquete mais talentosas de todos os tempos, está particularmente interessada em pesquisa e desenvolvimento de produtos, diz Rapinoe.

“Ela é realmente boa em pegar nossos conceitos e nossos produtos e aplicá-los através das lentes de um atleta de elite”, diz Rapinoe sobre Bird. “Ela é muito estratégica e metódica”.

Por ser uma empresa de propriedade de mulheres, Rapnioe diz que há uma chance de Mendi participar de uma história maior e ajudar a moldar uma indústria que ainda está em construção. “Este setor é novo e temos a oportunidade de criar um cenário muito inclusivo”, diz ela.

Supercraque dos EUA, Megan Rapinoe fala sobre maconha e feminismo

Uma das pessoas que também trabalha para atingir esse objetivo é Anna Symonds, uma jogadora profissional de rúgbi, que ganhou campeonatos nos Estados Unidos e na Austrália, que se tornou educadora sobre cannabis.

Durante o dia, Symonds é diretora de educação da East Fork Cultivars, uma fazenda artesanal de cannabis no Oregon, onde ela ensina ciência da cannabis e dá cursos de certificação em CBD para milhares de pessoas, desde funcionários de dispensários até clientes corporativos e novos consumidores. Ela também é embaixadora do Projeto Último Prisioneiro, que está trabalhando, estado por estado, para libertar prisioneiros encarnados por crimes relacionados à cannabis.

Como alguém que vive da cannabis, Symonds diz que tem a responsabilidade de se envolver.

Sabemos que a ‘guerra contra as drogas’ tem como alvo desproporcional comunidades negras, particularmente a comunidade afro-americana, na prisão, processo e sentença em todos os níveis do sistema de justiça criminal. E não só isso, as pessoas ainda estão sendo presas e processadas por posse de cannabis”, diz ela. “É uma grande injustiça”.

Além de trabalhar para a libertação, o Projeto Último Prisioneiro também é voltado a programas de reentrada e reabilitação e programas de eliminação e limpeza de registros.

“Não é justiça reparadora”, diz Symonds. “Você não pode consertar algo que nunca esteve certo. Mas o que podemos fazer é transformar a forma como avançamos”.

Leia mais – Da NBA à cannabis: como Al Harrington está mudando a indústria para pessoas negras

Mudando a narrativa

No seu dia a dia, falando com novos e antigos consumidores de cannabis, Symonds também está trabalhando para mudar a maneira como as pessoas pensam sobre a planta. “É realmente uma ampla gama de perguntas que as pessoas têm, e os mitos estão em todos os níveis, até mesmo entre pessoas que se consideram conhecedoras e que podem ter usado cannabis por anos”, diz ela.

Essas conversas representam uma oportunidade para mudar o diálogo.

Queremos ver uma mudança de mentalidade novamente, em vez de dizer ‘bem, esta é uma droga de abuso, mas não é tão forte assim, então vamos apenas minimizar isso’. Isso está indo na direção certa, mas queremos que a mentalidade seja que esta é uma erva benéfica, uma erva medicinal, e não há necessidade de tratá-la como uma droga”.

Seus próprios pontos de vista e compreensão sobre a cannabis mudaram drasticamente, diz ela, de ser uma adolescente cuja principal preocupação era quais lanches estavam disponíveis, para obter uma compreensão profunda da composição e dos efeitos da planta, além de ser estratégica sobre como ela a consome, levando em consideração seu próprio histórico de lesões em duas décadas de rúgbi.

Symonds diz que, com seu histórico de lesões, ela está preocupada com a saúde do cérebro. Ela é embaixadora da Concussion Legacy Foundation e doadora de cérebros do Banco de Cérebros VA-BU-CLF da Universidade de Boston, o maior repositório de tecidos do mundo focado em lesões cerebrais traumáticas e encefalopatia traumática crônica (ETC).

Ela também assumiu a liderança em uma petição que foi apresentada à Agência Mundial Antidoping (WADA), assinada por mais de 150 ex-atletas profissionais, para remover o THC de sua lista de substâncias proibidas. A WADA suspendeu a proibição do CBD em 2017.

E embora Symonds diga que o campo médico está lentamente se aquecendo para a cannabis, ela está animada com a pesquisa preliminar em torno das qualidades neuroprotetoras do canabidiol e outros canabinoides e o que o futuro pode trazer. Por meio da saúde e da cura, há uma chance de mudar mais uma vez a conversa em torno da cannabis.

“Temos pesquisas muito sólidas e empolgantes que mostram que os canabinoides têm propriedades neuroprotetoras e antioxidantes”, diz Symonds. “Entender como isso pode prevenir, mitigar e potencialmente ajudar a curar lesões cerebrais é, eu acho, uma das abordagens mais promissoras que conhecemos”.

Leia também:

Kevin Durant compara maconha a café e defende liberação pela NBA

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra Megan Rapinoe olhando sorridente para a irmã, Rachael, enquanto a abraça e esta faz sinal de positivo, e um fundo amarelo-esverdeado claro. Foto: reprodução / Instagram.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!