Como a maconha legal transformou o Dia de Ação de Graças nos EUA

frango assado folhas Como a maconha legal transformou o Dia de Ação de Graças nos EUA

Agora que o uso adulto da maconha é legal em 12 estados e permitida para fins médicos em 33 estados dos EUA, o Dia de Ação de Graças se tornou o principal feriado para os apreciadores da erva. Há uma grande refeição, horas para se encher e tensões familiares para aliviar. Com informações do The Washington Post, e tradução pela Smoke Buddies

Quando a família de Lizzie Post se reúne para o Dia de Ação de Graças na casa de seus pais, na zona rural de Vermont (EUA), ela traz o recheio, feijões verdes – e a erva.

Post, que vive em um estado onde é legal possuir e usar maconha, gosta de receber parentes fora do estado com uma amostra de sua própria colheita, da mesma forma que seu tio do Colorado pode trazer um pacote de seis cervejas artesanais ou sua uma prima da Califórnia pode chegar com seu vinho pinot noir favorito. A casa dos pais de Post é livre para maconha e nem todos da família compartilham, então ela e um parente costumam dar um passeio a pé depois do jantar em um campo próximo, retornando para a sobremesa com apetite renovado.

Agora que a maconha recreativa é legal em 11 estados e em Washington, DC, e permitida para fins médicos em 33 estados, o Dia de Ação de Graças se tornou o principal feriado para os apreciadores da erva. Há uma grande refeição, horas para se encher e tensões familiares para aliviar. Erva para salvar!

A maconha legal juntou-se ao álcool e às fofocas de família no reino dos antigos tabus que, em muitos lugares, os pais e seus filhos crescidos agora podem desfrutar confortavelmente juntos, e o período do Dia de Ação de Graças ao feriado de Ano Novo permite uma ampla oportunidade para a indulgência intergeracional.

E por que não? As gerações atuais de jovens adultos e seus pais compartilham uma atitude relativamente descontraída em relação à maconha: maiorias significativas de millennials, geração X e baby boomers acham que deve ser legal, de acordo com dados recentes do Pew Research Center. (Talvez não conte às tias-avós e aos tios-avôs – a Geração Silenciosa permanece cética em relação à legalização).

Imaginar a possibilidade de ficar chapado com as pessoas que já consideraram isso uma ofensa enorme ainda pode ser constrangedor. Mas o enverdecimento informal da cultura estadunidense proporciona o ensejo para muitas conversas. Investimento: Você sabia que pode comprar ações de maconha? Comida: Martha Stewart, a rainha do “faça você mesmo”, tem um programa de culinária com Snoop Dogg que é pesado nas referências canábicas. E existem dezenas de livros de receitas de maconha, com títulos como “A Arte da Manteiga de Maconha”, “The 420 Gourmet” e “Bong Appetit”. A saúde dos membros da família: Talvez tenha sido prescrita maconha medicinal à avó.

Pode ser apenas uma questão de olhar pela janela do carro enquanto vai do aeroporto para casa e dizer: Isso é um dispensário?

Alguns boomers de meia-idade que estão voltando à maconha recreativa, após anos de abstinência, podem ficar agradecidos por terem seus filhos à disposição para avisá-los sobre a potência da erva. E às vezes são os filhos que não conseguem acompanhar. Em várias conversas para esta história, a geração do milênio ficou impressionada com a tolerância dos pais e o conhecimento sobre maconha. “Meus pais fizeram isso comigo!”, disse uma mulher de 35 anos, incrédula, lembrando-se de uma vez em que “ficou muito” chapada com um pirulito que seu pai lhe dera. Seus pais moram na Califórnia, onde podem fumar com frequência, enquanto a filha usa apenas ocasionalmente. “Se eu soubesse, não teria ficado tanto quanto fiquei”, disse ela. “Mas meus pais estavam consumindo muito, então parecia bom”. (Todos nesta história enfatizaram a importância de usar maconha apenas com quem tem 18 anos ou mais).

Um mapa dos EUA indicando o espectro da ilegalidade total ao legalizado em vários tons de verde se assemelha à divisão política vermelho-azul. E, é claro, a maconha é ilegal no nível federal, o que influencia atitudes e abertura, independentemente de onde você mora. Como resultado, qualquer jantar de Ação de Graças em que os entusiastas da erva estejam à mesa, provavelmente, também conterá cartões de lugar para aqueles que são agnósticos ou fortemente opostos. Tias e tios conservadores podem estar se perguntando por que todo mundo está de bom humor ou por que a avó está tentando encaixar sua bunda no conversível da Barbie de sua neta.

Leia – Maconha de prata: O uso de cannabis está crescendo entre os idosos

Durante a maior parte de sua vida, April, 45, mãe de dois filhos, absteve-se veementemente. Quando criança na década de 1980, ela cresceu com ideias negativas sobre chapados preguiçosos e não tocaria na maconha. (April falou sob a condição de que apenas seu primeiro nome fosse usado porque ela vive em um estado em que a maconha não é totalmente legal.) Mas ela se sentiu infeliz enquanto tomava doses pesadas de medicamentos prescritos para controlar sua epilepsia e enxaqueca. Seu filho a convenceu a experimentar a maconha medicinal, que ela credita por melhorar drasticamente sua qualidade de vida.

Enquanto organizava uma festa de Halloween com seus filhos, que tinham 19 e 23 anos, uma das colegas de quarto de seu filho trouxe uma torta de batata doce infundida com maconha. Depois, April traçou um plano para o Dia de Ação de Graças: hospedar familiares e amigos para jantar, como sempre. E depois que aqueles que não participam vão embora, os convidados restantes começam uma “sobremesa especial” – uma torta de abóbora com maconha. Nos últimos anos, membros da família costumavam escapar, por conta própria, para fumar antes, durante ou após a refeição. Agora, o contingente de consumidores da erva da família pode fazer isso todos juntos.

Em torno da mesa deles, April ainda é a usuária mais verde. Como os filhos dela têm mais experiência com maconha, “eles são melhores em conhecer seus limites do que eu ainda”.

Quando ela e os filhos fumam juntos, eles se sentem mais próximos. “Eles são muito mais abertos e conversadores”, disse April. “Eles conversam sobre coisas que os incomodam e se abrem sobre coisas sobre as quais eles geralmente não conseguem falar”.

Eles falam sobre sua vida de namoro. Eles perguntam por que April e seu pai se separaram anos atrás. “Também conversamos sobre todas as nossas esperanças, sonhos e planos”, disse April. “E às vezes assistimos a um filme e rimos”.

Ficar juntos pode ajudar a igualar um relacionamento historicamente desigual – em qualquer idade. Anthony Monroe, um morador de Washington de 58 anos, lembra-se da primeira vez que fumou com sua filha de 37 anos, Ebony. (Para privacidade profissional, Monroe falou sob a condição de que apenas o nome do meio e o último nome fossem usados.) Cerca de dois anos atrás, Monroe morou com a filha por alguns meses, durante os quais sugeriu que eles escapassem e compartilhassem um baseado como apaziguador de estresse. Ele estava um pouco apreensivo por fumar com ela, ele disse – e a princípio ela pensou que ele estava brincando.

Mas eles conseguiram superar o constrangimento, e Ebony diz que a experiência abriu “outra via para o nosso relacionamento”. Enquanto sóbrio, Monroe fica cheio de Modo Papai, Ebony diz, sempre tentando entrar com respostas para seus problemas. Mas às vezes tudo o que ela procura é uma caixa de ressonância. A maconha “o acalma”, diz Ebony, permitindo que o pai “seja um pouco mais intuitivo e receptivo em vez de reativo”. Fumar junto também lhe dá uma melhor compreensão de quem ele é. “Ele não é apenas meu pai, é quem deveria estar lá, para me ouvir e me guiar”, disse ela. “Ele é uma pessoa real, assim como eu, tentando se descobrir”.

Para fins de feriado, a maconha também pode ajudar a acalmar qualquer nervosismo de “conhecer os pais”. Tom e Kate, que moram no Oregon e estão casados ​​agora, lembram-se da primeira vez em que Tom foi para a casa dos sogros com Kate no Natal. Ela deu a ele a conversa padrão antes chegarem: o lado da mãe está cheio de católicos conservadores. Também, ambos os pais identificam-se com plantas e pedras.

Ah, e depois do jantar o vaporizador sai.

Tom estava preparado, mas quando isso aconteceu, ele tropeçou em outra situação potencialmente embaraçosa: ficou mais chapado do que esperava.

Ele se lembra de encostar-se no ombro de Kate, convencido de que era um câmera e que o diretor o posicionara ali para capturar a cena. “Foi um inferno de um quebra-gelo”, disse Tom. Felizmente, acabou sendo uma experiência de união. Definitivamente, tornou os pais de Kate mais acessíveis e relacionáveis ​​naquele delicado estágio inicial do relacionamento, disse ele.

Kate não fuma, mas ficar sóbria não diminui seu prazer. “Minha mãe é uma pessoa extremamente ansiosa, portanto, vê-la chapada é uma janela para o quanto ela pode ser uma pessoa calma”, disse Kate, acrescentando que as festas com maconha anuais da família criam um sentimento acolhedor de estar envolvido no calor de família. “É uma das minhas coisas favoritas”, disse ela, “apesar de eu não fumar”.

Como em qualquer ritual social, ficar chapado no Dia de Ação de Graças vem com um conjunto de coisas que você deve ou não fazer; Lizzie Post – que, sim, é a bisneta da guru das boas maneiras Emily Post, e escreveu um livro sobre etiqueta de maconha – disse que o anfitrião define as regras da casa. Os hóspedes que trazem maconha devem perguntar em particular se é bem-vindo sob o teto e mostrar respeito se a resposta for não.

Se você está hospedando em um estado em que a maconha é legal, “você não precisa permitir”, disse Post, “mas é algo que você pode querer considerar”.

Leia também:

Nos EUA, 66% dos cidadãos apoiam a legalização da maconha desde o ano passado

#PraCegoVer: ilustração (em destaque) que mostra um peru assado, decorado com folhas de maconha, em um travessa amarela que está sobre uma superfície marrom, e partes dos corpos de duas pessoas, uma (com camisa de cor roxa) cortando e outra (com roupa vermelha) segurando um prato roxo. Ilustração: Emma Kumer | The Washington Post.

lazy placeholder Como a maconha legal transformou o Dia de Ação de Graças nos EUA

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!