Como a falta de turismo durante surto de Covid-19 está afetando varejistas de maconha

planta arco iris Como a falta de turismo durante surto de Covid 19 está afetando varejistas de maconha

Varejistas de maconha em mercados que dependem do turismo estão sendo forçados a pivotar em resposta ao surto de coronavírus, em parte, recorrendo mais a clientes locais. Com informações do MJBizDaily e tradução Smoke Buddies

Os pedidos de estadia em casa nos estados dos EUA levaram os executivos das empresas de maconha a repensar as estratégias de negócios que atraem os turistas, principalmente no caso de o susto da saúde persistir no verão, quando ocorre a maioria das vendas de cannabis para os viajantes.

Mercados de maconha como Nevada, onde Las Vegas recebe mais de 40 milhões de visitantes por ano, e Massachusetts, onde milhares de turistas da costa leste vão a Cape Cod a cada verão, seriam seriamente afetados por uma paralisação prolongada do turismo.

lazy placeholder Como a falta de turismo durante surto de Covid 19 está afetando varejistas de maconha

Vários outros estados com mercados legais e fortes indústrias de turismo, incluindo o Alasca, Colorado e Flórida, também podem sofrer consequências negativas semelhantes.

Para se manter à tona durante essas difíceis circunstâncias, os varejistas de maconha nos mercados de turismo pesado estão:

  • Focando clientes regulares em suas comunidades, oferecendo descontos e incentivos, como programas de fidelidade.
  • Colocando mais recursos na criação de estratégias de vendas alternativas, como entrega e pedidos on-line.
  • Trabalhando no reconhecimento da marca entre os habitantes locais, não turistas, para competir por clientes próximos.

“Queremos lidar com isso da maneira certa para que, depois que essa pandemia desaparecer, possamos manter esses clientes para sempre”, disse David Farris, vice-presidente de vendas e marketing da empresa de cannabis Planet 13, verticalmente baseada em Las Vegas.

Leia – Coronavírus impede festa anual de 20/4: ‘Não venha a San Francisco’, alerta prefeita

Captura de participação de mercado local

No mercado de maconha de Nevada, que se concentra principalmente no turismo de Las Vegas, os reguladores exigiram que as lojas de cannabis recreativa operem somente com entrega durante o surto global.

Antes da pandemia, disse Farris, cerca de 80% do tráfego das lojas do Planet 13 vinha do turismo.

“Agora é 100% um mercado local”, disse ele.

Farris disse que o estado deu à empresa cerca de seis horas para se mover e se ajustar à regra de apenas entrega.

A empresa decidiu aproveitar a oportunidade para montar sua frota de veículos de entrega.

“Aumentamos nosso serviço de entrega de cinco para 28 veículos”, disse Larry Scheffler, coCEO da Planet 13, em um comunicado à imprensa.

“Enquanto o turismo continuará sendo um forte impulsionador de nossos negócios quando as coisas voltarem ao normal, esta é uma oportunidade única para construirmos uma base local forte e ganhar uma participação de mercado duradoura.”

Os clientes locais preferem flores e também têm mais conhecimento sobre “quais marcas produzem produtos de qualidade e quais não” no mercado de Las Vegas, de acordo com Farris.

“Nós realmente entendemos o que esse cliente local está procurando”, acrescentou.

Para ajudar os compradores, a empresa atualiza constantemente o inventário em seu sistema de pedidos on-line, até o teor de THC do produto.

A empresa também estende o tapete vermelho por meio de suporte ao cliente.

Qualquer cliente com carteira de motorista de Nevada recebe um desconto de 20%.

A Planet 13 também tenta oferecer opções de desconto para os habitantes locais que podem estar sem trabalho.

“Durante esses tempos difíceis, é realmente importante para nós oferecermos um produto de valor”, disse Farris.

Legisladores pressionam Congresso dos EUA a incluir setor de cannabis no alívio a Covid-19

Pivotando para o medicinal

Tim Shaw, diretor de operações da MariMed, operadora de cannabis multiestado, com sede em Norwood, Massachusetts, disse que sua empresa conseguiu pivotar para atender pacientes de maconha medicinal.

As vendas de maconha para uso adulto são proibidas em Massachusetts durante a pandemia, mas a Comissão de Controle de Cannabis do estado relata um aumento de 158% em novos pacientes de maconha medicinal, semana após semana, desde que o programa recreativo foi encerrado pelo governador Charlie Baker em 24 de março.

Shaw disse que está vendo uma média de 15 novos pacientes visitando suas lojas todos os dias.

“Estamos recebendo cada vez mais visitantes de maconha medicinal do que estávamos recebendo antes”, acrescentou.

Embora o aumento de clientes com cartões de maconha medicinal seja bom para as vendas, Shaw antecipa um grande declínio nos negócios à medida que o clima ficar melhor.

Duas das lojas da empresa estão localizadas perto da Interestadual 495, que leva ao popular destino de férias Cape Cod, e Shaw disse que as projeções serão difíceis de serem cumpridas se as praias permanecerem fechadas no verão.

Mas ele falou que é muito cedo para dizer o que poderia acontecer às empresas que dependem do turismo de clima quente.

“Ainda estamos em alta”, disse Shaw.

Leia mais: EUA registram o maior consumo de maconha da história, segundo pesquisa

Tráfego aeroportuário e turismo canábico

No Colorado, alguns varejistas reduziram suas horas em suas localidades nas cidades montanhosas, que sofreram um revés econômico depois que o governador Jared Polis ordenou que a indústria de esqui do estado fechasse em meados de março.

Outras lojas localizadas para capturar o tráfego de viajantes — incluindo os que vêm do Aeroporto Internacional de Denver — viram sua base de clientes encolher.

A Seed & Smith, uma empresa de cannabis verticalmente integrada em Denver, construiu uma parte de seus negócios em torno de sua proximidade com o aeroporto e capturando esse tráfego.

A empresa oferece passeios em grande escala à sua loja e instalações de cultivo, incluindo viajantes curiosos que podem ser de um estado sem um programa legal de cannabis.

Por exemplo, os visitantes podem segurar uma libra de flor e sentir o peso dela, algo que muitas pessoas nunca experimentaram.

“É realmente um grande atrativo para pessoas provenientes de estados ilegais”, disse Robbie Wroblewski, diretor de extensão comunitária da Seed & Smith. “Não vamos ver esse tráfego por um tempo”.

Os tours, no entanto, foram encerrados indefinidamente.

Para manter o alcance educacional da empresa, seu site foi atualizado com perguntas frequentes e outras informações sobre a cannabis.

A Seed & Smith também aumentou seu alcance nas mídias sociais para ajudar a levar os clientes ao site.

No início de abril, o Colorado legalizou as vendas on-line de maconha recreativa durante a pandemia de coronavírus.

As empresas que dependem excessivamente de turistas podem estar se inclinando demais nesse mercado, disse Peter Marcus, diretor de comunicações da empresa de cannabis Terrapin Care Station, que tem seis lojas no Colorado.

Ele ressaltou que, embora o número total de turistas possa ter declinado, a quantidade de turismo canábico no Colorado se elevou nos últimos anos.

“Se você depende do turismo, está com problemas”, disse Marcus. “Mas se você tem uma base de clientes mais diversificada, então é outra coisa que pode ser enfrentada durante essa tempestade”.

Leia também:

Multinacional de cannabis contrata pessoas de indústrias impactadas pelo coronavírus

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra um pé de maconha em fase vegetativa, no lado esquerdo do primeiro plano, e, ao fundo, fora de foco, o telhado e chaminé vermelhos de uma casa e um arco-íris que contrasta com um céu cinzento. Foto: LibreShot.

lazy placeholder Como a falta de turismo durante surto de Covid 19 está afetando varejistas de maconha

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!