Coalizão pressiona por inclusão da comunidade negra na legalização da maconha na Virgínia (EUA)

maos negras baseado Coalizão pressiona por inclusão da comunidade negra na legalização da maconha na Virgínia (EUA)

Com o estado prestes a legalizar o uso adulto, grupo está determinado a garantir que minorias, especialmente os negros, não fiquem de fora da oportunidade de criação de riqueza. As informações são do Richmond Free Press

Cinco anos atrás, depois que a Assembleia Geral de Virgínia (EUA) legalizou o cultivo do primo da maconha, o cânhamo industrial, o cultivador veterano Leroy Hardy Jr. procurou estar entre as pessoas escolhidas para plantar os primeiros lotes de teste para ajudar os agricultores interessados ​​em obter o máximo da safra.

Ele ficou consternado porque ele e outros produtores agrícolas minoritários foram excluídos do processo de teste e tiveram que esperar dois ou três anos para obter uma licença para produzir cânhamo.

“Até onde sei, ninguém que se parecesse comigo recebeu sementes” para plantar durante a fase inicial da pesquisa, disse Hardy, uma combinação de ascendência afro-americana e nativa estadunidense, que faz parte do conselho dos Índios da Tribo Nottoway.

Leia mais – EUA: vendas de maconha medicinal têm início nos estados de Missouri e Virgínia

Ministro do Condado de Southampton e agricultor de quarta geração, Hardy também assistiu consternado quando a Virgínia novamente deixou de incluir os grupos negros e minoritários na distribuição de um punhado de licenças para dispensários de maconha medicinal depois que isso foi legalizado em 2018.

O estado não parece ter exigido a inclusão de minorias na cadeia de abastecimento dos dispensários, disse ele.

Com a Assembleia Geral pronta para legalizar o uso adulto da maconha em sua próxima sessão que começará na quarta-feira (13), Hardy e outros estão determinados a garantir que as minorias, especialmente os negros, não fiquem de fora da riqueza projetada que está prevista para ser criada.

E eles querem ver outros benefícios da produção e venda de maconha para uso adulto fluindo para a comunidade negra, que os dados do estado mostram que foi a que mais sofreu com a guerra contra as drogas.

Para que isso aconteça, o Sr. Hardy se juntou a outros para formar a Coalização pela Equidade na Cannabis de Virgínia (CECVA).

A CECVA não está sozinha em tentar divulgar seus pontos de vista. Outros grupos também surgiram para promover a mesma causa, incluindo a Virgínia Minority Cannabis Coalition e a Marijuana Justice.

Da NBA à cannabis: como Al Harrington está mudando a indústria para pessoas negras

O Sr. Hardy, que atua como porta-voz da CECVA, disse que o grupo que está reunindo cultivadores, ativistas comunitários, empresários e apoiadores da comunidade e promovendo uma abordagem em três frentes.

Em primeiro lugar, o grupo quer que qualquer legislação e quaisquer regulamentos ou políticas adotadas pela Assembleia Geral e as agências estaduais garantam às pessoas de cor oportunidades de participar de tudo o que está envolvido na produção e comercialização de maconha para uso adulto — do cultivo e processamento à distribuição no atacado e vendas no varejo.

O Sr. Hardy disse que a CECVA se oporá a qualquer linguagem que permita a uma empresa licenciada possuir tudo, desde o campo até a loja, e impeça a inclusão.

Em segundo lugar, a CECVA está pedindo que parte da receita tributária que o estado obtém das vendas de maconha seja direcionada para um fundo estadual especial e supervisionado por uma comissão estadual que investirá os fundos no crescimento dos negócios e no desenvolvimento econômico das comunidades mais prejudicadas pela aplicação de leis antimaconha.

Leia mais: Mulheres negras que estão reconquistando a indústria da cannabis

Hardy disse que a ideia é criar o mesmo tipo de comissão de beneficiários que por anos direcionou fundos de um acordo judicial com empresas de tabaco para beneficiar áreas do estado que cultivavam essa safra.

O delegado Lee Carter, um democrata de Manassas, já pediu que os fundos do estado sejam usados ​​para indenizar os negros. A proposta da CECVA é vista como construída a partir dessa ideia.

E terceiro, a CECVA também quer que qualquer legislação inclua benefícios para os prejudicados, incluindo eliminação imediata de casos de porte de maconha, liberdade imediata para aqueles que cumprem pena por porte de maconha e expurgo automático de antecedentes criminais para aqueles que cumpriram ou estão cumprindo sentenças por porte de maconha.

Além disso, a CECVA deseja que as leis e regulamentações estaduais exijam que os varejistas e outros elementos da indústria paguem aos funcionários um salário mínimo de US$ 15 por hora.

O governador Ralph S. Northam e muitos democratas que detêm a maioria no Senado estadual e na Câmara dos Delegados já indicaram seu apoio.

“Está tudo muito bem”, disse Hardy. Mas, em sua opinião, “com base no que vimos até agora, não se pode confiar nos políticos, não importa o que digam e o quão bem intencionados pareçam. Precisamos nos envolver o máximo possível para garantir que a comunidade negra receba o que nós conquistamos e merecemos”.

“Fomos excluídos de muitas coisas”, disse Hardy. “A comunidade negra em toda a Virgínia precisa estar na base desta grande oportunidade de construir novas maneiras de criar riqueza e oportunidades para nossas comunidades”.

Leia também:

O tumulto sobre a propriedade da loja de maconha de Shawn Kemp destaca problemas de diversidade da indústria

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra as duas mãos de uma pessoa negra que confecciona um cigarro de maconha em um papel marrom, em fundo desfocado de objetos coloridos.

smokebuddies logo2 Coalizão pressiona por inclusão da comunidade negra na legalização da maconha na Virgínia (EUA)

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!