As cinco drogas mais viciantes do mundo, segundo estudo

copos vodka As cinco drogas mais viciantes do mundo, segundo estudo

Estudo realizado por pesquisadores do Reino Unido classificou as drogas com base em seu poder de vício. E advinha quem está fora da lista das cincos mais viciantes? Isso mesmo, a  maconha! Já aquele calmante que o proibicionista adora…

Quais são as drogas mais viciantes? Essa pergunta parece simples, mas a resposta depende de a quem você pergunta.

Do ponto de vista de diferentes pesquisadores, o potencial para uma droga ser viciante pode ser julgado em termos do dano que causa, o valor de varejo da droga, a extensão em que a droga ativa o sistema de dopamina do cérebro, como as pessoas se sentem agradáveis ao relatar o uso da droga, o grau em que a droga provoca sintomas de abstinência, e com que facilidade uma pessoa que experimenta a droga ficará viciada.

Existem outras facetas para medir o potencial aditivo de uma droga também, e há até mesmo pesquisadores que argumentam que nenhuma droga é sempre viciante. Dada a visão variada dos pesquisadores, então, uma maneira de classificar as drogas que causam dependência é perguntar aos painéis de especialistas.

Em 2007, David Nutt e seus colegas de pesquisa pediram a especialistas em vícios que fizessem exatamente isso – com algumas descobertas interessantes.

5 – Álcool

Embora legal nos EUA e no Reino Unido, o álcool foi classificado pelos especialistas de Nutt com uma pontuação de 1,9 de um máximo de 3. O álcool tem muitos efeitos sobre o cérebro, mas em experimentos de laboratório em animais aumentou os níveis de dopamina no sistema de recompensa do cérebro em 40% a 360% – e quanto mais os animais bebiam, mais os níveis de dopamina aumentavam.

Leia: Maconha é 114 vezes mais segura que o álcool, revela estudo

Cerca de 22% das pessoas que tomaram uma bebida desenvolverão dependência do álcool em algum momento da vida. A OMS estimou que 2 bilhões de pessoas usaram álcool em 2002 e mais de 3 milhões de pessoas morreram em 2012 devido a danos causados ​​ao corpo pelo consumo de álcool. O álcool também foi classificado como a droga mais prejudicial por outros especialistas.

4 – Barbitúricos

Barbitúricos – também conhecidos como balas azuis, gorilas, nembies, barbs e pink ladies – são uma classe de drogas que foram inicialmente usadas para tratar a ansiedade e induzir o sono . Eles interferem na sinalização química no cérebro, cujo efeito é desligar várias regiões do cérebro. Em doses baixas, os barbitúricos causam euforia, mas em doses mais altas podem ser letais porque suprimem a respiração. Dependência de barbiturato era comum quando as drogas estavam facilmente disponíveis por prescrição, mas isso diminuiu drasticamente à medida que outras drogas as substituíram. Isso destaca o papel que o contexto desempenha no vício: se um medicamento aditivo não está amplamente disponível, ele pode causar pouco dano. Os painéis especializados de Nutt avaliaram os barbitúricos como a quarta substância mais viciante.

Leia: Maconha pode ser alternativa eficaz aos antidepressivos convencionais

3 – Nicotina

A nicotina é o principal ingrediente viciante do tabaco. Quando alguém fuma um cigarro, a nicotina é rapidamente absorvida pelos pulmões e entregue ao cérebro. Os painéis especializados de Nutt avaliaram a nicotina (tabaco) como a terceira substância mais viciante.

Mais de dois terços dos estadunidenses que tentaram fumar relataram tornar-se dependentes durante a sua vida. Em 2002, a OMS estimou que havia mais de 1 bilhão de fumantes e estima-se que o tabaco mate mais de 8 milhões de pessoas anualmente até 2030. Os animais de laboratório, por bom senso, não fumam. No entanto, ratos pressionam um botão para receber nicotina diretamente em sua corrente sanguínea – e isso faz com que os níveis de dopamina no sistema de recompensa do cérebro aumentem em cerca de 25% a 40%.

Saiba mais: Álcool e tabaco causam mais mortes no mundo do que todas as drogas ilícitas juntas

2 – Cocaína

A cocaína interfere diretamente no uso da dopamina pelo cérebro para transmitir mensagens de um neurônio para outro. Em essência, a cocaína impede que os neurônios desliguem o sinal da dopamina, resultando em uma ativação anormal das vias de recompensa do cérebro. Em experimentos em animais, a cocaína fez com que os níveis de dopamina aumentassem mais de três vezes o nível normal. Estima-se que entre 14 milhões e 20 milhões de pessoas no mundo usem cocaína e que em 2009 o mercado de cocaína valesse cerca de US$ 75 bilhões.

Leia também: Maconha pode combater vício em álcool e cocaína, aponta estudo

O crack tem sido classificado pelos especialistas como sendo a terceira droga mais prejudicial e a cocaína em pó, que causa uma elevação (chapação) mais branda, sendo a quinta mais prejudicial. Cerca de 21% das pessoas que experimentam cocaína se tornarão dependentes disso em algum momento da vida. A cocaína é semelhante a outros estimulantes viciantes, como a metanfetamina – que está se tornando um problema cada vez maior à medida que se torna mais amplamente disponível – e a anfetamina.

1 – Heroína

Os peritos de Nutt classificaram a heroína como a droga mais viciante, atribuindo-lhe uma pontuação máxima de 3 pontos. A heroína é um opiáceo que faz com que o nível de dopamina no sistema de recompensa do cérebro aumente em até 200 % em experimentos com animais. Além de ser indiscutivelmente a droga mais viciante, a heroína também é perigosa, porque a dose que pode causar a morte é apenas cinco vezes maior do que a dose necessária para uma alta (onda).

Leia mais: Maconha pode aliviar vício em heroína, diz estudo

A heroína também foi classificada como a segunda droga mais nociva em termos de danos tanto para os usuários quanto para a sociedade. O mercado de opiáceos ilegais, incluindo a heroína, foi estimado em US$ 68 bilhões em todo o mundo em 2009.

Fonte: The Conversation.

#PraCegoVer: fotografia (de capa) mostra em plano fechado e vista superior diagonal de cinco copos de dose transparentes e cheios de uma bebida alcoólica de cor transparente que lembra a vodka; o segundo copo da direita pra esquerda está terminando de ser enchido, onde pode-se ver a boca da garrafa (também transparente) de onde sai o líquido e as pontas dos dedos indicador e polegar (vestindo luva preta) que a seguram; sobre uma bancada de madeira escura que corta a foto na diagonal, podendo-se ver um fundo branco no quadrante superior esquerdo.

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário