A ciência por trás das cores da Purple Kush

ciencia por tras das cores da purple kush A ciência por trás das cores da Purple Kush

Roxo, amarelo e até vermelho: as cores de seu camarão podem variar muito. Mas por que isso acontece? Claro, a ciência explica! Entenda mais sobre estas características da maconha na reportagem da VICE.

É sabido que os consumidores julgam se a maconha é boa com base em seu cheiro, gosto e cor. Numa pesquisa recente do site Herb, impressionantes 93% dos consumidores baseiam sua compra em cor e aparência.

A cor da cannabis não é uma constante; ela varia com a maturidade da planta. De acordo com seus níveis de acidez ou pH, suas antocianinas – pigmentos solúveis em água – podem surgir nas cores azul, vermelha ou roxa. As antocianinas surgem também em outras plantas, como o mirtilo e a berinjela.

A cor da cannabis também é influenciada pela temperatura: em ambientes mais frios, a planta produz menos clorofila, pigmentos verdes essenciais à fotossíntese e que permitem que ela absorva energia a partir da luz.

Suas cores, então, podem ser manipuladas ao administrar os níveis de acidez e temperaturas de sua criação. Alterar tais níveis pode revelar diversas cores e qualidades e, claro, inibir outras.

lazy placeholder A ciência por trás das cores da Purple Kush

Cannabis avermelhada. Crédito: Wikimedia

Uma das alternativas mais populares ao verde é o roxo – pense em Granddaddy Purple. Pigmentos roxos são relativamente comuns na cannabis, cor que se apresenta quando a planta perde clorofila no decorrer da maturação. Antes da erva ficar muito velha, a pigmentação pode ser criada em ambientes de pH neutro.

Já as avermelhadas são mais raras, mas podem ser criadas ao se manipular nutrientes e privar a planta de fósforo. Quanto às mais escuras, elas surgem por causa de um excesso de pigmentação nas folhas da maconha. Estas também são mais conhecidas por alucinações mais intensas e uma chapação mais psicodélica, prosperando em temperaturas mais frias, já que ambientes mais quentes os vermelhos profundos e roxos podem ficar mais claros.

Quanto às amareladas, como a Lemon Kush, estas se dão melhor em condições alcalinas. Se a planta for predisposta geneticamente à pigmentação amarela, os tons surgem já em estágios avançados da vida da planta. Com um número baixo de antocianinas, ela pode produzir tons amarelos, dourados e terrosos a partir de carotenoides, presentes também em cenouras, folhas outonais e tomates.

lazy placeholder A ciência por trás das cores da Purple Kush

Cannabis em tons de amarelo/laranja. Crédito: Wikimedia

A cannabis produz antocianina, parte da família dos flavonoides, para fins de proteção, afirma estudo. “O acúmulo de flavonoides [está] envolvido em vários aspectos do desenvolvimento da planta, incluindo a resistência à patógenos, produção de pigmentos e proteção contra radiação ultravioleta, que contribui para o desenvolvimento do pólen e da proteção das sementes”, escreveram os pesquisadores.

As diversas maneiras de cultivo de cannabis, com diferentes níveis de pH, temperaturas e pigmentações, também podem influenciar seus efeitos. Porém, quando chega a hora da colheita, os nutrientes, água e luz que ela recebeu, todos contribuem para o coquetel de qualidades e efeitos que cada planta tem, independentemente de sua cor.

Tradução: Thiago “Índio” Silva

lazy placeholder A ciência por trás das cores da Purple Kush

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário