Conheça Carl Hart: pai, professor na Universidade de Columbia e usuário de heroína

carl hart pensativo Conheça Carl Hart: pai, professor na Universidade de Columbia e usuário de heroína

Em um novo livro surpreendente, o neurocientista argumenta que os perigos do uso adulto de drogas têm sido exagerados. Saiba mais na reportagem do The Guardian

“Eu agora estou entrando no meu quinto ano como usuário regular de heroína”, escreve Carl Hart em seu novo livro revelador, Drug Use for Grown-Ups. Hart, de 54 anos, é professor Ziff de Psicologia na Universidade de Columbia. O uso regular de heroína e o alto desempenho acadêmico não são duas atividades que esperamos ver na mesma história de vida. Pelo menos não abertamente. A heroína é, por consenso popular, a pior das drogas, aquela que deixa os usuários desesperadamente esgotados e escravamente viciados. Como você pode ser um usuário regular e manter uma prestigiosa cátedra na Ivy League? E por que você admitiria isso?

Hart continua: “Eu não tenho problemas com o uso de drogas. Nunca tive. A cada dia, encontro minhas responsabilidades parentais, pessoais e profissionais. Eu pago meus impostos, trabalho como voluntário em minha comunidade regularmente e contribuo com a comunidade global como um cidadão informado e engajado. Eu sou melhor por meu uso de drogas”.

gravital Conheça Carl Hart: pai, professor na Universidade de Columbia e usuário de heroína

 

 

 

É difícil lembrar-se de uma defesa mais inflexível do consumo de drogas pesadas. O que é particularmente poderoso sobre o testamento de Hart é que não foi escrito por um poeta beat ou um artista de vanguarda, mas por um cientista pesquisador altamente conceituado, cuja área de especialização é a neuropsicofarmacologia — o estudo dos efeitos neurológicos e comportamentais das drogas nas pessoas.

Acesse Pufflife.com.br

Poucas áreas da vida moderna são envoltas em tanta desinformação e hipocrisia quanto o uso de drogas recreativas (sociais). Parece haver uma batalha sem fim na justiça criminal para impedir traficantes de drogas cada vez mais sofisticados e implacáveis, enquanto, ao mesmo tempo, o apetite por drogas de uso adulto aumenta em todos os setores da sociedade.

Mas por trás do debate social e moral está uma questão científica vital: as drogas recreativas são prejudiciais em si mesmas? Se skunk (maconha), MDMA, cocaína e heroína são perigosas para o indivíduo e ruinosas para a comunidade em geral, então o caso de bani-las é reforçado. Mas e se elas não forem tão prejudiciais quanto afirmam as autoridades, e se os danos causados ​​às comunidades forem atribuídos à pobreza e à criminalização das drogas, e não aos efeitos psicoativos?

Hart vai direto ao ponto em seu prólogo: “Aqui está o resultado final: ao longo de minha carreira de mais de 25 anos, descobri que a maioria dos cenários de uso de drogas causa pouco ou nenhum dano e que alguns cenários de uso de drogas razoáveis ​​são realmente benéficos para a saúde e funcionamento humano”.

Leia mais: O começo da relação amorosa entre o crime e as drogas

Em uma chamada via Zoom para ele em sua casa em Nova York, pergunto a Hart quais são os prováveis ​​efeitos de sua admissão do uso de heroína.

“Posso viver mais honestamente”, responde ele. “Eu posso olhar no espelho. Meus filhos podem ter um exemplo de como é a coragem em tempo real, não na história. É possível que receba alguma crítica da minha universidade, dos meus empregadores. Como a vida. Qualquer coisa que valha a pena ter em minha mente, especialmente algo importante, existe um risco associado a isso. Quando a poeira baixar, meu registro público está lá no livro e as evidências vão me exonerar”.

Atrás dele em seu escritório está uma fotografia de Malcolm X. Entre muitas outras coisas, o livro de Hart é um exame do racismo e do alarmismo que há muito sustentam a legislação sobre drogas nos EUA, levando a um sistema que pune desproporcionalmente usuários negros de drogas. Embora a maioria dos usuários de crack na década de 1990 fosse branca, 90% dos condenados sob as duras leis anticrack eram negros.

Os afro-americanos continuam muito mais sujeitos a serem encarcerados por crimes relacionados a drogas do que os americanos brancos. E eles têm quatro vezes mais probabilidade de serem presos por porte de maconha do que seus colegas brancos. No Reino Unido, embora a desigualdade não seja tão extrema, o preconceito racial na condenação ainda existe. Na semana passada, foi noticiado que traficantes negros têm 1,4 mais probabilidade de receber sentenças de custódia imediata do que brancos condenados por crimes semelhantes.

Hart mostra a paixão do converso em atacar os equívocos sobre o uso de drogas afro-americano, por que, como ele confessa no livro, ele “acreditava sinceramente que as drogas destruíam certas comunidades negras”.

Foi visitar amigos brancos em bairros agradáveis ​​que estavam se envolvendo no mesmo uso de drogas que ele acreditava levar à disfunção da comunidade que o fez perceber que não eram as drogas, mas o contexto em que eram consumidas que prejudicava as pessoas. Ao mesmo tempo, ele diz que levou muito tempo para reconhecer para si mesmo o que sua pesquisa científica e experiência pessoal estavam lhe dizendo. Então, por que ele resistiu por muitos anos à lógica de suas próprias descobertas sobre drogas como a heroína?

“Não que eu fosse contra isso”, explica ele. “Foi que fui incentivado a encontrar uma determinada coisa. E quando você é incentivado a encontrar determinada coisa, você fica cego. Eu precisava manter meu laboratório funcionando. Eu precisava sustentar esses salários. Não precisei defender minha posição com tanta veemência como faço agora — sempre preciso pensar na outra posição. Considerando que, enquanto você seguir a linha do partido, você não precisa pensar nisso. Você tem todo esse suporte e maquinário construídos para sustentar essa perspectiva”.

Neurocientista afirma: “É preciso ensinar a usar drogas”

Ele é altamente crítico do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (Nida), que, de acordo com Hart, financia 90% da pesquisa mundial sobre drogas recreativas e, em particular, de sua diretora, Nora Volkow. Como ele escreve:

“Muitos cientistas que estudam drogas, incluindo alguns no Nida, acreditam que ela exagera rotineiramente o impacto negativo que o uso de drogas recreativas tem no cérebro e que essencialmente ignora quaisquer efeitos benéficos que o uso de drogas possa ter. Mas esses cientistas não ousam compartilhar essa perspectiva com ela por medo de repercussões que possam impactar negativamente sua capacidade de obter financiamento, entre outras vantagens profissionais, de seu instituto”.

Ele repete a mesma acusação em nossa chamada, observando que é uma questão de ênfase e não de empirismo. Se você se concentrar apenas no dano que as drogas causam, diz ele, terá uma imagem distorcida do uso de drogas. Ele compara a situação com a de dirigir um carro. Se a única discussão sobre carros fosse inteiramente dedicada aos acidentes automobilísticos, a impressão geral sobre os carros seria que eles são perigosos e devem ser evitados. No entanto, a maioria das pessoas dirige carros de uma maneira que os leva de forma rápida e satisfatória de A para B.

Esta é essencialmente a perspectiva de Hart sobre as drogas. Usadas ​​de maneira informada e responsável, cumprem um propósito com os menores riscos. Quando não está promovendo seu livro, diz ele, gosta de poder tomar um opioide quando quiser. E nas festas e recepções, “é bom ter um estimulante como anfetamina ou cocaína”. Acima de tudo, ele gosta de usar drogas com sua esposa: “É ótimo tomar MDMA com ela e se reconectar”.

Outro exemplo que ele usa é o álcool. Assim como o alcoolismo, muitas doenças e mortes prematuras são atribuídas ao uso e abuso de álcool, mas a maioria das pessoas que toma uma taça de vinho na refeição noturna não vê o álcool nesses termos.

Em qualquer caso, até mesmo o dano que as drogas causam, ele acredita, foi amplamente exagerado. Observo que o conselho médico amplamente difundido é que a cocaína, mesmo em pequenas doses, pode causar danos ao coração e, às vezes, parada cardíaca. Ele acha que é verdade?

“Falso”, ele declara. “Nós damos milhares de doses em nossos laboratórios aqui em Columbia todos os anos — cocaína inalada, cocaína fumada — e nunca vimos nada como um ataque cardíaco. Acho que em geral a medicina é conservadora e peca pelo cuidado. Mas o que eles não levaram em consideração é que há um custo em errar por excesso de cautela e esse custo é imenso”.

Leia mais: Coalização internacional de especialistas pede o fim da guerra às drogas

E sobre os alucinógenos e a cannabis potente, como o skunk — eles podem desencadear psicose?

“Eu sei que grandes doses de cannabis administradas a pessoas inexperientes podem desencadear ansiedade e paranoia que parece psicose, mas não há evidências para dizer que a cannabis causa esquizofrenia ou transtorno psicótico”.

No livro, Hart se pergunta por que as pessoas falam sobre a abstinência de heroína quando, apesar de seu próprio uso e intervalos ocasionais, ele nunca experimentou nada parecido com as histórias de terror que elas descrevem. Portanto, ele decide aumentar a força e a frequência de sua ingestão para colocar a abstinência à prova. Ao parar, passa por uma noite extremamente incômoda, que diz que não tem pressa em repetir. Mas ele não sente a necessidade ou o desejo de consumir mais heroína e nunca se sente em perigo real (ele observa que, ao contrário, a abstinência do álcool é potencialmente letal).

Então, pergunto a ele sobre relatos de experiências de abstinência muito mais extremas e cito o exemplo de Miles Davis, que disse que passou sete ou oito dias infernais tentando se livrar da heroína.

“Eu não sei que tipo de qualidade Miles tinha”, ele diz. “Você sabe, Miles tinha muito tempo livre porque ele lançou esses ótimos álbuns e ele ganhou muito dinheiro em certos momentos. Talvez ele fosse tão irresponsável no uso de heroína que precisasse levar tanto tempo. Talvez, mas esse é um exemplo extremo. Seria como falar sobre alguém que sofre vários acidentes de carro. A maioria de nós não faz esse tipo de coisa”.

Se as autoridades antidrogas como o Nida se concentram demais no dano, Hart dá a impressão de negligenciá-lo ou minimizá-lo. Ele discorda da frase “redução de danos”, comum no tratamento de drogas, porque enfatiza resultados negativos. Sua sugestão de alternativa é “saúde e felicidade”.

A busca pela felicidade, consagrada na Declaração da Independência dos EUA, é o que realmente galvaniza Hart. Para ele, as drogas são uma questão de liberdade civil. Assim como ele acredita, como um apreciador autoproclamado de armas, no direito de portar armas, ele também acredita no direito de usar drogas. Nenhum dos dois, afirma ele, é prejudicial se feito com responsabilidade.

O problema, claro, em ambos os casos é o uso irresponsável e o que fazer a respeito.

“Obviamente, teremos um requisito de idade”, diz ele, “e talvez tenhamos que ter um requisito de competência para essas drogas, como uma carteira de motorista. Você pode ter que fazer um teste ou um exame para obter a licença para comprar drogas individuais, como heroína, MDMA, cocaína”.

Não tenho certeza de como isso funcionaria no mundo real, mas há muito a respeitar e admirar na postura aberta de Hart. Ele está assumindo uma ortodoxia, que envolve uma indústria multibilionária de aplicação da lei e encarceramento e que pode ser um lugar solitário para se estar.

Ele me diz antes de nos despedirmos que está se mudando para a Suíça, que ele diz ter a política de drogas mais progressista. “O que eu gosto mesmo é que eles cuidam de seu povo. Eu só quero ficar sozinho em um lugar calmo e enfadonho. Esse é o apelo”.

Depois deste livro, duvido que ele vá ficar sozinho por muito tempo.

“Drug Use for Grown-Ups” é publicado pela Penguin.

Leia também:

Álcool e cafeína são as drogas mais consumidas durante a pandemia, diz neurocientista Carl Hart

#PraCegoVer: foto em primeiro plano de Carl Hart com os braços cruzados e usando uma camiseta verde-claro, enquanto olha para o lado, pensativo, em fundo desfocado de vegetação. Imagem: Dope Magazine.

smokebuddies logo2 Conheça Carl Hart: pai, professor na Universidade de Columbia e usuário de heroína

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!