Cannabis: usos adulto e terapêutico podem ser ambos com segurança desde que sejam regulamentados

maconha 2 Cannabis: usos adulto e terapêutico podem ser ambos com segurança desde que sejam regulamentados

Em texto publicado por blog da revista Veja, CEO de fabricante de produtos canabinoides tenta deturpar o debate sobre a cannabis vinculando o uso social da planta ao mercado ilícito

Um artigo publicado pela revista Veja Saúde neste domingo com o título “Cannabis: não confunda uso recreativo com aplicação medicinal!” serve apenas para tentar confundir o público e deturpar o debate sobre a cannabis e seus benefícios terapêuticos.

O texto, escrito pelo CEO de uma fabricante de produtos canabinoides, traz como premissas que o consumo “recreativo” (termo ultrapassado ainda usado por aqueles que pretendem infantilizar e desacreditar usuários adultos) se dá através do uso de cannabis de origem desconhecida que possui misturas tóxicas e que o uso com essa finalidade costuma ser feito de forma fumada, trazendo malefícios ao organismo.

site sb Cannabis: usos adulto e terapêutico podem ser ambos com segurança desde que sejam regulamentados

Na primeira proposição, já vemos uma falácia. O consumo de maconha, seja para qual finalidade for (adulta, terapêutica, religiosa etc.), só é sujeito a produtos de origem incerta quando não há a regulamentação. No Canadá, por exemplo, onde a legalização ampla não restringe a cannabis à indústria farmacêutica, qualquer pessoa, independente de qual uso pretenda fazer (adulto, terapêutico, religioso etc.), tem acesso a produtos com controle de qualidade fiscalizados por agências regulatórias, que garantem aos consumidores inflorescências (buds), baseados pré-enrolados, óleos, comestíveis e tantas outras apresentações produzidas de forma que atendam aos regulamentos desde as boas práticas de cultivo e rotulagem até o teor de canabinoides e testes de pesticida.

A segunda afirmativa tenta limitar o uso adulto de maconha à forma fumada, que é ainda mais cercada de preconceito e tabus. Na verdade, o consumo social de cannabis vai muito além do cigarro, podendo ser realizado através de diversas formas como comestíveis, tinturas, bebidas e vaporizadores.

Saiba mais: Cannabis: confira três diferentes formas de consumo

O texto do CEO também alega que o consumo fumado de cannabis é veementemente contraindicado pelos médicos. Nesse ponto, vale ressaltar que nos lugares onde a maconha foi regulamentada a classe médica está abandonando o preconceito com relação à apresentação fumada/vaporizada da planta. Em Israel e nos estados americanos da Flórida, Virgínia e Louisiana, por exemplo, a maconha fumável é permitida para uso medicinal sob a regulamentação, contribuindo para que os pacientes tenham acompanhamento e posologia adequados, evitando efeitos adversos e interações medicamentosas.

Leia mais: Louisiana (EUA) legaliza maconha medicinal para fumar

Produtos de cannabis fabricados sob uma regulamentação responsável, em todos os seus usos, além de poderem ser rastreados da semente à prateleira, possuem um perfil de estudo para cada safra, lote e frasco, o que determina o teor de canabinoides e outros compostos e a ausência de contaminantes, como fungos, bactérias e pesticidas. A partir desses pontos, podemos discutir com amplitude o impacto positivo da cannabis na vida dos consumidores adultos e médicos.

A cannabis atualmente consumida no Brasil e em outros lugares do mundo onde as leis sobre a planta ainda são arcaicas só é “de origem desconhecida, incerta, com misturas tóxicas em sua amostragem final” por causa da proibição e da má fé ou ignorância de alguns, que insistem em estigmatizar os consumidores adultos.

O desserviço ao avanço da regulamentação da cannabis que atitudes como o referido texto faz não apenas atrapalha todo o debate e trabalho construído ao longo de décadas por ativistas e outros atores sociais envolvidos seriamente com a causa, como também contribui para a manutenção de uma política de drogas racista que encarcera e assassina em nome do combate ao uso “recreativo” de maconha e outras drogas.

Leia também:

Cannabis É Maconha Sim!

#PraTodosVerem: fotografia em plano fechado de um top bud de maconha, com pistilos em tons de creme e folíolos de coloração arroxeada, próximo ao centro, que variam de cor ao longo do comprimento — os menores, no primeiro plano, têm as pontas amareladas; na parte esquerda da imagem, em desfoque, vê-se um fundo roxo. Foto: THCamera Cannabis Art.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!